Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Para vice-presidente, Michel Temer e aliados, decisão é sinal de desespero do governo

goo.gl/l8pvww | O vice-presidente, Michel Temer, e integrantes do grupo mais próximo do peemedebista consideraram que não há efeito prático a decisão do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), de anular o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

“É mais um factoide de um governo que está nos estertores. Não acho que isso seja algo sério. Esse tema está no âmbito do Senado Federal. Imagina se isso fosse passível? Toda matéria que desagradasse ia ser anulada por uma Casa ou pela outra?”, ponderou ao Estado o ex-ministro Geddel Vieira Lima, braço direito do vice-presidente Michel Temer.

Segundo o Estado apurou, uma avaliação semelhante foi feita por Temer logo após vir a público a decisão de Maranhão. Em nota, o deputado informa que as sessões que resultaram na autorização da abertura do processo de impeachment da presidente Dilma sejam anuladas e que uma nova sessão seja realizada no prazo de cinco sessões a partir da devolução do processo do Senado.

O deputado atendeu a um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU). Maranhão assumiu a presidência da Câmara após Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ser afastado por decisão do Supremo Tribubal Federal (STF).

A pessoas próximas Temer considerou que o processo de impeachment na Câmara já se encerrou e que o presidente interino da Casa não tem o poder de interferir no andamento do processo, que deverá ser votado no plenário do Senado nesta próxima quarta-feira (11).

A decisão de Maranhão também deve ser contestada por lideranças partidárias que deverão integrar um possível governo Temer. A ideia é apresentar recursos tanto no âmbito do Congresso quanto no Judiciário.

Justiça. O líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassay (BA), ainda afirmou nesta segunda-feira que a oposição tomará duas medidas contra a anulação do impeachment da presidente Dilma Rousseff: um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF); e um recurso ao plenário da Câmara. “Já estamos redigindo o mandado de segurança”, disse. “Sobre o recurso, ainda vamos decidir”, completou o líder tucano.

Imbassay afirmou que “é um equívoco gravíssimo” a decisão do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA). “A abertura do processo contra Dilma é um ato jurídico perfeito. Houve uma decisão da Câmara com mais de 360 votos a favor”, disse. Ainda hoje, outros líderes do PSDB vão se reunir para discutir outras alternativas.

Para Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), cotado para participar do núcleo duro de um futuro governo Temer, a ação de Maranhão seria "mais um factoíde de um governo que está em seus estertores". Lima vai além em sua avaliação: "Não acho que isso seja sério. Imagina se isso fosse passível? Toda matéria que desagradasse seria anulada".

Outra liderança da Câmara, Paulinho da Força (Solidariedade), afirmou que "colocaram um maluco na presidência da Câmara".  Em nota,  o presidente do DEM senador José Agripino Maia (RN),  diz que "a matéria remetida da Câmara para o Senado não tem caminho de volta. Trata-se de ato jurídico perfeito e acabado. Inacreditável a audácia dos protagonistas. Não resiste a um mandado de segurança".

Por Erich Decat
Fonte: Estadão

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!