Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Corrupção: promotor de Justiça investigado pode pegar até 100 anos de prisão

goo.gl/iY0dSS | O Ministério Público Estadual (MPE) ofereceu denúncia contra o promotor de Justiça de Uberlândia, Fábio Guedes Paula Machado, por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No procedimento investigatório da Promotoria, Guedes foi acusado de ter recebido vantagem financeira em pelo menos 12 causas que tramitavam na Promotoria de Defesa do Meio Ambiente, Habitação e Urbanismo e Patrimônio de Uberlândia. Se julgado pelos crimes, o suspeito poderá ser condenado de 10 até 100 de prisão.

A denúncia foi oferecida à Justiça no dia 1° de julho. Uma coletiva de imprensa foi realizada na manhã desta quarta-feira (27), na sede do MPE em Uberlândiapara esclarecer os fatos. O G1 tentou contato telefônico com o promotor no início desta tarde, mas as ligações não foram atendidas.

De acordo com o procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, Carlos André Mariani Bittencourt, o esquema de corrupção era feito em parceria com uma advogada da cidade que, para solucionar problemas que tramitavam na Promotoria, repassava ao promotor parte dos honorários recebidos. “Tudo foi comprovado com interceptações temáticas como verificação de e-mails, movimentação financeira e sigilo fiscal. Os fatos teriam ocorrido entre 2010 e 2015, sendo o maior depósito em espécie feito na conta do promotor no ano de 2013, em torno de R$ 500 mil”, relatou.

Advogada também responderá por crime

A denúncia também é oferecida contra a advogada que vai responder pelo crime de corrupção ativa, praticado por 12 vezes. Formada também em Arquitetura e Urbanismo, a advogada era contratada por empresas e empresários de Uberlândia para a resolução de pendências envolvendo questões ambientais e urbanísticas perante a Promotoria de Justiça de responsabilidade de Fábio Guedes.

Após a captação dos clientes, os casos submetidos à apreciação do promotor ensejavam manifestações planejadas e direcionadas do órgão. Por fim, os denunciados dividiam altas quantias recebidas pela advogada referente aos honorários recebidos por ela.

Além de responder ao processo criminal, o promotor continuará afastado do MPE e vai responder por um processo administrativo a fim de ser afastado definitivamente das funções. Ele também é réu de uma ação de improbidade administrativa cujas penas envolvem suspensão de direitos políticos, multas e indenização por dano moral coletivo.

“O MPE é uma instituição para combater a corrupção e nos dedicamos a princípios éticos e morais. Todos os promotores do Estado se indignam com isso e não toleram esse tipo de comportamento, tampouco a Procuradoria Geral”, reforçou Bittencourt.

Fonte: G1

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!