Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Banco deve indenizar em R$ 5 mil aposentada analfabeta por contrato irregular

goo.gl/4JaPb0 | O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) condenou o Banco Bonsucesso a indenizar uma aposentada analfabeta em R$ 5 mil, por danos morais, e a restituir-lhe R$ 2.265,90, por débitos indevidos em sua aposentadoria.

Os descontos mensais de R$32,37 começaram em abril de 2011. A aposentada desconfiada com os débitos, descobriu que eram referentes a um empréstimo consignado, feito em seu nome, no valor de R$1.130,95, dividido em 35 parcelas. Ela disse que não autorizou o empréstimo e não recebeu o valor consignado.

A aposentada requereu na ação judicial a declaração de inexistência de vínculo contratual entre as partes e indenização por danos morais, porque “a ação lhe causou prejuízo financeiro grave tendo em vista o baixo valor de seus rendimentos”. Além disso, pediu a condenação pela repetição de indébito, já que o banco havia feito outra cobrança indevida anteriormente, equivalente a um empréstimo de R$ 632. Nesse caso, contudo, a transação foi cancelada e o valor devolvido a ela.

O banco alegou a validade de ambos os contratos, argumentando que eles foram assinados a rogo, ou seja, uma outra pessoa firmou o documento, a pedido da aposentada, porque ela não sabia ou podia assinar, na presença de testemunhas.

Em primeira instância, a juíza Célia Maria Andrade Freitas Corrêa julgou procedente os pedidos, por considerar que, “não tendo o requerido demonstrado que a requerente, no ato da celebração da avença, encontrava-se representada por procurador constituído através de instrumento público de mandato, fica claro que não houve contratação válida, sendo indevidos os descontos operados sobre o benefício previdenciário da parte autora". A juíza ainda fixou a indenização por danos morais em R$ 5 mil.

O banco recorreu da sentença pedindo que ela fosse anulada ou, em último caso, que a indenização fosse reduzida. O relator do recurso, desembargador José Flávio de Almeida, rejeitou a apelação, por entender que era necessário haver um representante legal constituído pela aposentada por meio de instrumento público, por ela ser analfabeta e não ter condições de ler as cláusulas contratuais.

Fonte: hojeemdia

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!