Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Após polêmica, Renan Calheiros liga para ministra Cármen Lúcia e pede desculpas

goo.gl/BzzjQr | Após polêmica causada por críticas ao Poder Judiciário, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ligou na noite desta quinta-feira (27) para a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, para se desculpar, segundo a GloboNews.

No telefonema, Renan tentou explicar as declarações que deu durante a semana e disse a Cármen Lúcia que admirava o trabalho dela na presidência do STF.

Renan, segundo a GloboNews, também disse que somente quis defender o Senado e o Legislativo, da mesma forma que ela fez ao responder às críticas e defender o Judiciário. De acordo com a GloboNews, a ministra aceitou o pedido de desculpas.

Nesta sexta, os dois se reuniram com o presidente Michel Temer e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para discutir a segurança pública no país. O encontro é o primeiro entre Renan e Cármen Lúcia desde a troca de críticas dessa semana.

Polêmica

A troca de declarações começou quando Renan criticou a Operação Métis, que apura suposta tentativa de policiais do Senado de obstruir investigações de parlamentares na Operação Lava Jato.

Na opinião do presidente do Senado, manifestada em mais de uma ocasião, o juiz federal Vallisney Souza Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília, invadiu competência do STF ao autorizar busca e apreensão no Senado, além das prisões dos policiais legislativos.

Renan chegou a dizer, em mais de uma ocasião, que um "juizeco" de primeira instância não pode, a qualquer momento, "atentar contra um poder" da República. O peemedebista ingressou com ação no STF para que a Corte fixe os limites de atuação de magistrados no país.

As declarações de Renan foram criticadas por algumas associassões de magistrados, que se manifestaram contra o peemebista. Juízes, inclusive, ingressaram com ação no Conselho de Ética do Senado para que Renan seja julgado por quebra de decoro parlamentar.

Após as falas do presidente do Senado, a ministra Cármen Lúcia, exigiu "respeito" ao Judiciário por parte do Legislativo e Executivo. Ela tambpem disse que os poderes devem buscar a "harmonia" em benefício do cidadão.

"Todas as vezes que um juiz é agredido, eu e cada um de nós juízes é agredido. E não há a menor necessidade de, numa convivência democrática, livre e harmônica, haver qualquer tipo de questionamento que não seja nos estreitos limites da constitucionalidade e da legalidade", afirmou a presidente do Supremo, durante sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

"O que não é admissível aqui, fora dos autos, é que qualquer juiz seja diminuído ou desmoralizado. Porque, como eu disse, onde um juiz for destratado, eu também sou. Qualquer um de nós, juízes, é", completou a ministra logo em seguida.

Fonte: G1

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!