Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Delegado deixa a Operação Lava Jato e vira xerife da Polícia Federa no Espírito Santo

goo.gl/2nzKFI | O delegado da Polícia Federal Márcio Adriano Anselmo vai deixar a Operação Lava Jato, em Curitiba. Responsável pela investigação originária do escândalo de corrupção na Petrobrás – de lavagem de dinheiro da família do ex-deputado federal José Janene (PP-PR), morto em 2010 -, ele vai assumir a Corregedoria da Superintendência da Polícia Federal, no Espírito Santo.

O delegado da Lava Jato havia pedido o desligamento da força-tarefa da Lava Jato, em meados de 2016, motivado “por esgotamento físico e mental causa pelos mais de três anos” que esteve à frente dos inquéritos da operação, segundo registrou em documento enviado há um mês aos superintendentes da PF em Curitiba e Espírito Santo, Rosalvo Ferreira Franco e Ildo Gaspareto, respectivamente.



“Tal pedido se dá por questões de natureza pessoal, sem qualquer interferência da administração”, afirma Anselmo, aos superiores.

Anselmo pretendia pedir licença para estudar fora do país, em meados do ano passado. Depois de apresentar seu pedido de afastamento do caso, recebeu um convite para assumir a Corregedoria da PF, no Espírito Santo.

Equipe. Delegado com mais tempo de Lava Jato na equipe que conduz as investigações do escândalo Petrobrás, em Curitiba, Anselmo afirma no documento que sua saída do grupo “não impede de continuar auxiliando nos trabalhos com toda expertise adquirida ao longo” das apurações, notadamente no momento em que diversas unidades da federal tem recebido investigações desmembradas da Lava Jato”.

O delegado foi, não só o responsável pela origem do caso, mas também quem prendeu no dia 19 de junho de 2015 o empreiteira Marcelo Bahia Odebrecht, em São Paulo, como quem conduz e conduziu os inquéritos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Pressão. Anselmo registrou ainda em documento enviados aos superintendentes, que faz parte do seu processo administrativo de indicação ao cago de corregedor, que “são infundadas algumas manifestações na imprensa no sentido de interferências na investigação, motivadas sobretudo por interesses escusos”.

“Sempre atuei nos casos que presidi com absoluta independência dentro do que me permite a legislação.”

Com três anos – a serem completos no dia 17 de março -, a apuração de ocultação de R$ 4 milhões de Janene – que já havia sido pego no escândalo do mensalão – transformou-se no maior processo criminal de enfrentamento à corrupção no Brasil, com R$ 6,2 bilhões de propinas apurados em desvios na Petrobrás – e um prejuízo que pode ultrapassar os R$ 40 bilhões, segundo a PF.

A partir de um esquema de loteamento político das principais diretorias da estatal no governo Luiz Inácio Lula da Silva, PT, PMDB e PP passaram a arrecadar de 1% a 3% de propina em grande contratos, em conluio com um cartel formado pelas maiores empreiteiras do País. O esquema, que teria durado de 2004 a 2014, abasteceu a base e partidos de oposição, como o PSDB.

Por Fábio Serapião, de Brasília, Ricardo Brandt e Fausto Macedo
Fonte: Estadão

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!