Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Tragédia on-line - Jovem formada em Direito anuncia suicídio pelo Facebook

goo.gl/99gRPb | A jovem Ariadne Wojcik, formada em Direito pela UnB, cometeu suicídio minutos depois de postar uma carta no Facebook, onde denunciou que sofria abuso por parte de seu superior no escritório de advocacia onde estagiava, e anunciou que tiraria sua vida. O corpo foi encontrado ainda na manhã, no mirante da Chapada dos Guimarães, no MT.

 "Que na próxima reencarnação eu possa fazer uso de todo aprendizado que tudo isso me trouxe, mesmo com tanta dor e sofrimento. Essa vida eu já não posso mais suportar, que Deus me perdoe e me entenda, mas ele já sabia, ele sempre sabe."



De acordo com a página dela na rede social, Ariadne estagiou no CNJ, STF e STJ. Além disso, tinha conseguido um emprego no TJ/MT, em Cuiabá, e estava prestes a ser nomeada em um cargo comissionado.

Na mensagem, a jovem relatou que em um dos estágios profissionais que realizou, sofreu abuso por parte de um dos professores da UnB, proprietário do escritório de advocacia onde estagiou. "Comecei no estágio novo super empolgada, eu achava aquele professor o máximo, extremamente inteligente, detalhista, perspicaz, minucioso, brilhante. Como poderia ser ruim?"

Tempos depois, segundo Ariadne, o professor passou a persegui-la e monitorá-la. "Eu percebi que estava diante de uma mente extremamente brilhante, maquiavélica, calculista, psicopática."

No fim da carta, a jovem disse que, após esse "longo ano", estava "exausta", não tinha "mais forças" e não via mais saída.

Veja a íntegra da mensagem:



*Matéria do dia 09/11/2016, servindo aqui apenas como conteúdo informativo

Fonte: Migalhas

14 comentários :

  1. Eu sei o que você passou princesa, eu já sofri com isso, é uma pena você não ter suportado, Deus lhe perdoe pela prática do suicídio, eu orei muito e hoje sou feliz...

    ResponderExcluir
  2. Complicado, mas alguém que procura culpar a politica de congelamentos de concursos como uma das causas dessa derrota indica que as informações que esse imoral tinha acesso era postada em redes sociais, lamentável, uma jovem linda e com um futuro incrível, também tenho depressão mas estou aprendendo a conviver com ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. depressão é uma coisa, sofrer é outra. Imbecil.

      Excluir
    2. sofrer abuso é outra*

      Excluir
    3. cale a boca, você não sabe de nada; porventura o abuso não pode levar à depressão?
      Há pessoas que vivem 40 anos vítimas de depressão, e a sociedade não vê motivos para que àquela pessoa seja daquela forma; mas para ela é pior que ter um câncer, ou qualquer outra doença. Esse meu comentário me indignou.

      Excluir
    4. Logicamente, o fato de a moça ter cometido suicídio, em nada se relaciona com o "corte" dos concursos públicos. Não ataquem o autor do comentário acima, ele apenas cometeu um deslize ao interpretar o motivo.

      Excluir
  3. Que triste. Espero que a verdade e a justiça de alguma maneira aconteça.

    ResponderExcluir
  4. Ninguém pode julgar a dor de outra pessoa. Que Deus, em sua infinita bondade, a acolha. RIP

    ResponderExcluir
  5. Se ela passa essa situação para uma pessoa inteligente também sem alardes, ela teria chances de travar esse maluco e poder brindar a derrota dele.
    Mas calada infelizmente pode ocorrer esse sentimento de falta de solução e consequentemente a falta de saidas para problemas da vida!

    ResponderExcluir
  6. Que que isso??????? Que história emugégé

    ResponderExcluir
  7. Já passei por isso!!! Fico indignada com a falta de bom senso de alguns homens, já trabalhei em um escritório e passei por essa situação,no início tentei relevar,mais percebi que não iria por fim nas instâncias do indivíduo é pedi demissão. Infelizmente o caso da moça a levou ao trágico suicídio!!!

    ResponderExcluir
  8. Também concordo, pois se ela tivesse passado o problema para alguém imponente talvez as coisas seriam diferentes e ela estaria viva agora. É muito importante procurar ajuda, pois "pessoas" como ele (se podemos chama - las assim), merecem ter uma lição. Não vamos nos calar!

    ResponderExcluir
  9. Tem algum ponto que não se encaixa nesse relato, pelo visto eles chegaram a ter algo e ela omitiu.
    Mas de qualquer forma, lamentável.

    ResponderExcluir
  10. Serei eu o único a enxergar a complexidade do que foi escrito? Existem vestígios bastante fortes da presença de uma mente com o discernimento bastante prejudicado, que pode ter levado-a a iniciar pensamentos catastróficos antecipando-se à realidade. É possível que tenham ocorrido investidas passionais do sujeito, mas a autora do texto, talvez afligida por complexos graves de inferioridade, ao invés de interpretar a situação com normalidade, tornou-se histérica. Talvez ela, estando paranóica, passou a convencera si mesma de que o homem dispunha de mais poderes do que efetivamente tinha. Na realidade, é bastante percebível que a questão era embrionada na profundidade da mente da suposta vítima, que não soube gerir o fato de conviver com outro ser humano sexualmente interessado. Aliás, diferentes perguntas repousam no ar, como: Porque ela simplesmente não saiu deste estágio e arrumou outro estágio, ou até um emprego longe daquele lugar, uma vez que existem dezenas de estágios anunciados todos os dias nas universidades? Por acaso existiam algemas que lhe prendiam ao escritório, ou ao suposto abusador em si? Aliás, como sempre, a versão unilateral publicada para o público desperta a paixão e a empatia de quem lê, e isto pode ser muito perigoso. Contudo, a vida real é feita de protagonismos plurais e pontos de vistas plurais, sendo tranquilo afirmar que a versão de uma história contada só é correta quando analisados os resultados das diversas interpretações sobre o que aconteceu. Ademais, é necessário apontar que o momento histórico mundial é tendencioso e o menosprezo em relação ao sexo masculino está em alta, e tudo isto certamente influencia na opinião formada sobre o que se lê em qualquer lugar. Aguardemos, portanto, o desenrolar dos fatos antes de julgar, pois a verdade tanto pode confirmar o abuso, quanto pode revelar uma alucinação de uma mente quebrada.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!