Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Temer, 'idoso', foi enganado por empresário 'esperto', diz autor de Habeas Corpus

goo.gl/RGzGdp | O presidente Michel Temer (PMDB), por ser idoso (76 anos) e não ter intimidade com o mundo empresarial, foi enganado pelo dono do JBS, Joesley Batista, homem de negócios “muito experimentado”, conhecido no mercado como “muito esperto”, de 45 anos de idade e que, em sua carreira profissional, sempre buscou atingir seus objetivos a “todo custo”.

Essa é a síntese do Habeas Corpus do advogado Samuel José Orro Silva, de Taubaté (SP), protocolado no Supremo Tribunal Federal, pedindo para arquivar o inquérito que teve abertura autorizada pelo ministro Edson Fachin para investigar o presidente.

Segundo a inicial do HC, Silva, que não tem representação nos autos do inquérito ou defende o político oficialmente, diz ainda que a gravação feita pelo empresário da conversa que teve com Temer, entregue depois para a Procuradoria-Geral da República, não comprova a prática de crimes alegada por Rodrigo Janot no pedido de abertura de inquérito enviado ao STF.

“Estamos falando do maior grupo privado do país, com a assessoria dos melhores e irretocáveis estrategistas e juristas do planeta. Um enredo e atuação da envergadura apresentadas que culminou no inquérito contra o paciente não seria algo fora de seu cotidiano. E aqui não se quer dizer que atuam ilicitamente cotidianamente, mas sim que são exímios estrategistas”, diz o advogado. O HC é relatado pelo ministro Luís Roberto Barroso.

Temer é acusado pela PGR de incentivar o pagamento de R$ 500 mil ao ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para que não fizesse acordo de delação premiada. O órgão investigará crime de corrupção passiva e obstrução a investigações por parte de Temer.

A gravação da conversa foi entregue à PGR pelo empresário antes de ele fechar delação premiada com o Ministério Público. As gravações, segundo a PGR, aconteceram no dia 7 de março. Depois, portanto, que Temer assumiu o mandato de presidente como titular, após o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Fachin, relator da “lava jato” no STF, por entender que os crimes supostamente cometidos pelo presidente ocorreram durante o exercício da função, deferiu o pedido feito por Janot.

Clique aqui para ler a inicial.
HC 144.072

Por Marcelo Galli
Fonte: Conjur

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!