Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Advogada criminalista é suspeita de contribuir com esquema que chefia tráfico de dentro de presídios

goo.gl/vrQ1YC | Uma advogada de Campina Grande, de 41 anos, está entre os investigados pela Operação Gerônimo, que desarticulou nesta quinta-feira (27) um esquema de organiza o tráfico de drogas na Paraíba. Ela atua na área criminalista e já responde processo por facilitar comunicação de presos do presídio do Serrotão. A advogada se apresentou na sede da Polícia Federal em Cabedelo depois de não ter sido encontrada em seu endereço em Campina Grande.

De acordo com a Polícia Federal o esquema funcionava a partir do Presídio do Roger, em João Pessoa, e era comandado por um paraibano preso em um presídio federal no Mato Grosso do Sul. Quatorze pessoas foram presas em João Pessoa, Campina Grande, Sapé e Cabedelo e uma continua sendo procurada, também na Paraíba. Outros 16 detentos também foram alvos de mandados de prisão da operação, mas a PF também não detalhou os presídios em que eles estão nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Rondônia.

Entre os presos e os outras 19 pessoas que foram alvos de condução coercitiva estão também alguns advogados, mas a Polícia não detalhou quantos. Todos eles são suspeitos de dar suporte na comunicação de dentro para fora dos presídios, junto com familiares dos presos. A operação ainda está cumprindo 36 mandados de busca e apreensão.

O presidente da Comissão de Prerrogativa da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Moisés Moraes, acompanhou a ação e informou que "a advogada deveria estar sendo um 'braço' dessa organização criminosa, ajudando na movimentação desse tráfico". "Ela possivelmente estaria levando informações, passando contatos. Então, infelizmente, usando a profissão da forma errada”, disse Moisés Moraes.



Polícia Federal cumpre mandado de prisão na Região Metropolitana de João Pessoa (Foto: Walter Paparazzo/G1)

Advogada já responde por outro processo

Segundo a OAB, a advogada atua em Campina Grande na área criminalista e já tem um processo por ser suspeita de ter entregado chips de operadoras de celulares para um presidiário que estava no presídio Raymundo Asfora, conhecido como Serrotão, também em Campina Grande. “Já há um processo na OAB para apurar a ética e a disciplina dessa profissional e, caso ela seja comprovada, a OAB adotará as providências para banir elas dos quadros da OAB”, disse Moisés Moraes.

De acordo com o delegado que há um ano comanda as investigações, Bruno Rodrigues, além do tráfico de drogas, o grupo é apontado como responsável por pelo menos três homicídios. Os três crimes já foram totalmente esclarecidos, incluindo a identificação de que quem mandou, quem executou e como foi feita a execução, segundo ele.



Informações sobre Operação Gerônimo foram repassadas em entrevista coletiva da Polícia Federal, em Cabedelo (Foto: Diogo Almeida/G1)

Estrutura organizada

Bruno Rodrigues explica que grupo contava com um conselho deliberativo chamado de ‘Torre’, formado por dez membros da quadrilha que estavam dentro e fora de presídios. Esse grupo era responsável pela divisão de áreas para comércio de drogas e outros crimes. “Tem pessoas que atuam gerenciando o tráfico em vários bairros e cidades, além de pessoas associadas que auxiliavam na gestão financeira e na comunicação do grupo”, diz o delegado.

O homem apontado como chefe da quadrilha está no sistema penitenciário federal desde junho de 2011, quando já era apontado como chefe de uma das principais facções criminosas de João Pessoa. Segundo a polícia, ele comandava o tráfico de drogas nos bairros São José, Alto do Mateus, Ilha do Bispo, Novais e Mandacaru, além de responder a processos por homicídios. Ele foi transferido para o presídio federal do Mato Grosso do Sul, onde está até esta quinta-feira, em 2014.

Fonte: g1 globo

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!