Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Operação 'Panoptes': Polícia do DF prende quatro por fraudes em concursos públicos

goo.gl/3w8xxb | Policiais da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado prenderam por tempo indeterminado na manhã desta segunda-feira (21) quatro suspeitos de integrar uma organização criminosa que fraudava concursos públicos, na operação “Panoptes”.

A suspeita é de que eles recebiam dinheiro para "furar filas" nos exames nos últimos cinco anos. Há também 15 mandados de condução coercitiva (quando o alvo é levado a depor) e 7 de busca e apreensão.

Os mandados de prisão preventiva são contra Bruno de Castro Garcia Ortiz, Helio Garcia Ortiz, Johann Gutemberg dos Santos e Rafael Rodrigues da Silva Matias. Helio e Bruno Ortiz, pai e filho, inclusive, foram presos em 2005 por fazer parte da "Máfia dos Concursos", esquema criminoso descoberto há 11 anos, do qual Hélio era o chefe. O esquema é parecido com o descoberto na época pela Polícia Civil do DF.

Os mandados de condução coercitiva, expedidos pela Vara Criminal de Águas Claras, são contra pessoas que teriam comprado a vaga em algum concurso. Os demais mandados de busca e apreensão são nos endereços dos suspeitos, entre eles, o Centro de Seleção e Promoção de Eventos (Cespe), ligado à Universidade de Brasília (UnB).

Ao G1, o Cespe disse, em nota, que está "acompanhando a investigação e fornecendo todo o apoio necessário à investigação e é o maior interessado em esclarecer os fatos".

De acordo com o delegado responsável pela operação, Adriano Valente, os candidatos pagavam de R$ 5 mil a R$ 10 mil antes da prova e mais 20 salários depois que eram aprovados nos concursos. A própria quadrilha procurava os candidatos em cursinhos preparatórios e faculdades do DF.

Entenda

As investigações começaram há três meses quando a Polícia Civil recebeu denúncias de possíveis fraudes no concurso do Corpo de Bombeiros do DF. A polícia conseguiu identitificar duas pessoas que tentaram burlar o exame, mas segundo o delegado Adriano Valente, a suspeita é de que as tentativas de fraude tenham ocorrido em todos os concursos dos últimos anos.

Foram identificadas quatro modalidades de falsificação. Em uma delas, o candidato usava um ponto eletrônico (espécie de fone de ouvido) para receber instruções sobre o gabarito. Em outra, o candidato deixava aparelhos celulares em pontos diferentes do local de prova, como o banheiro, para consultar as respostas.



Carro de operações especiais da Polícia Civil do DF em frente ao Cespe, um dos alvos da operação Panoptes (Foto: Bianca Marinho/G1)

Os agentes identificaram, ainda, o uso de identidades falsas para que uma pessoa se passasse por outra. A polícia também investiga a participação de integrantes das bancas examinadoras na organização criminosa.

Qualquer um

Qualquer pessoa podia contratar os serviços da organização, segundo as investigações da Polícia Civil. Caso a vaga fosse para nível superior e o candidato não tivesse graduação, a quadrilha também forjava o diploma.

O investigado Johann Gutemberg, alvo de mandado de prisão, é dono de uma faculdade em Taguatinga. Ele é suspeito tanto de "furar a fila" quanto de emitir diplomas falsos. A instituição é um dos endereços onde a polícia cumpre mandado de busca e apreensão.

O porteiro do prédio onde funciona o escritório dos chefes da organização também é um dos suspeitos. Segundo a polícia, ele aliciava candidatos e recebeu, em troca, aprovação em um concurso da Secretaria de Educação do DF.

Por Elielton Lopes, Gabriel Luiz e Mara Puljiz, G1 DF e TV Globo
Fonte: g1 globo

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!