Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

5 argumentos inusitados e bizarros que já foram usados em defesas jurídicas

goo.gl/mVkTKB | Um julgamento é naturalmente algo sério, onde o réu é julgado por seus delitos segundo a lei supostamente desrespeitada. O fato, porém, é que algumas circunstâncias podem acontecer coisas um tanto quanto inusitadas no tribunal, ou ao menos essa é a impressão que fica quando observamos algumas das notícias bizarras relacionados a defesas jurídicas ao redor do mundo. A seguir você confere alguns exemplos.

Defesas jurídicas estranhas que já viraram notícia ao redor do mundo

A mulher que usou os seios grandes como defesa



Uma modelo japonesa de seios grandes se defendeu em um processo ao alegar que seus seios eram grandes de mais para ela poder passar por um buraco a fim de entrar no quarto do homem que a estava acusando.

A jovem havia sido acusada de destruição de propriedade por ter chutado a porta, abrindo um buraco e entrando por ele para agredir o morador. A jovem acabou ganhando a apelação alegando que seus seios eram grandes de mais para que ela pudesse passar naquele espaço.

A garçonete que esfaqueou seu colega de trabalho até a morte e culpou a TPM



Uma jovem garçonete foi acusada de esfaquear um colega de trabalho até a morte, mas até onde se sabe, conseguiu escapar da acusação ao usar sua TPM como motivo. O juiz aceitou a alegação da jovem que estava sofrendo com tensão pré menstrual (TPM), o que a teria levado a perder o controle de suas ações.

O juiz também teria observado anotações do diário da jovem que mostrava que sempre que estava em seu período menstrual mudava o comportamento, a ponto até de pensar em suicídio. A jovem foi condenada por homicídio culposo, mas ficou em liberdade condicional e condenada a se tratar com progesterona.

A mulher que usou o sexo oral como defesa



Uma mulher de 33 anos, foi acusada de homicídio culposo pela morte de seu namorado, que foi atirado de um Mercedes-Benz conversível o qual, segundo os promotores, ela estava dirigindo. A defesa da mulher era a de que não poderia estar dirigindo no momento, pois estava realizando sexo oral no parceiro na hora do acidente.

Os paramédicos testemunharam que o corpo de seu namorado havia sido encontrado com as calças abaixadas, mesmo assim, os promotores argumentaram que ele poderia estar urinando pela janela lateral do passageiro. A acusação foi retirada e a mulher saiu livre do caso.

O homem que alegou que ele sofreu de sexsomnia para escapar de acusações de estupro



A sexsomnia é um termo médico dado a alguém que involuntariamente pratica atos sexuais durante o sono. Um caso classificado como sexsomnia foi de uma mulher que dormiu em um sofá em uma festa em casa no bairro de Toronto Beach e acordou com um estranho fazendo sexo com ela.

De acordo com o homem que foi acusado de estupro, ele só se deu conta de que havia feito sexo na noite anterior quando foi ao banheiro e viu que ainda usava preservativo. Um médico testemunhou que a sexsomnia teria sido agravada pelo álcool e privação de sono, o homem também tinha uma história prévia de sexo sono e foi absolvido de agressão sexual.

O homem que queria usar um papagaio como testemunha de assassino



Em um julgamento de assassinato, um homem estava sendo acusado de matar sua parceira de negócios, então a defesa tentou submeter ao tribunal o testemunho de um papagaio que repetia a frase, "Richard, não, não, não!", provando que outro homem havia matado a mulher. Nesse caso, porém, a juiz não quis ouvir o testemunho da ave e condenou o reu à prisão perpétua.

Fonte: www.clickgratis.com.br

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!