Tripulação horrorizada: homem se masturba e ejacula em passageiras durante voo para Brasília

Nenhum comentário
goo.gl/oo7n9r | Um passageiro se masturbou e ejaculou em duas mulheres que viajavam ao seu lado durante um voo que fazia a rota Belém—Brasília, na manhã desta sexta-feira (8/12). Após a aeronave pousar no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, as vítimas registraram boletim de ocorrência na 1ª Delegacia de Polícia, na Asa Sul.

Segundo informações que constam no boletim de ocorrência, ao chegar a Brasília, o comandante da aeronave, pertencente à Gol, manteve as portas fechadas para impedir a saída do suspeito. Todos ficaram no avião até a chegada da Polícia Federal.

O advogado das vítimas contou à reportagem que, cerca de meia hora depois da decolagem, às 5h, uma das vítimas, que estava na poltrona do meio, acordou ao sentir que o homem havia pegado sua mão e colocado sobre o órgão sexual dele. Ela percebeu também que estava molhada na barriga e pernas com o esperma do agressor. A passageira que viajava na janela também acordou e estava com a perna suja.

As duas começaram a gritar e pedir socorro. Ao saber o que havia acontecido, passageiros se revoltaram e alguns tentaram agredir o homem. A tripulação transferiu as duas para assentos no início da aeronave e escoltou, durante o restante do voo, o suspeito.

Ainda de acordo com o advogado, o comandante da aeronave, pertencente à Gol, pensou em mudar a rota e pousar em Palmas, mas foi orientado para seguir até Brasília porque no aeroporto da capital de Tocantins não havia unidade policial e judiciária para cuidar do caso.

No Aeroporto JK, ela foram ouvidas por agentes da PF, mas, como não havia delegado no local, foram encaminhadas para a 1ª Delegacia de Polícia do DF (Asa Sul). "Embora a empresa aérea tenha prestado todo auxílio às vítimas, a Polícia Federal e a Polícia Civil são responsáveis por não dar atendimento especializado a elas, que deveriam ter sido encaminhadas a uma delegacia da mulher", avalia o advogado.

Para advogado, foi crime 

O defensor também se queixa do fato de as vítimas terem prestado depoimento sem a devida privacidade e respeito à delicadeza da situação. Ele critica também o fato de o exame de corpo de delito não ter sido realizado e questiona a tipicação do ato. No boletim de ocorrência, o caso foi registrado como contravenção de importunação ofensiva ao pudor. Para ele, no entanto, o caso deveria ser enquadrado como crime. "Isso confirma que casos assim não são levados a sério e não recebem a devida importância."
 
A reportagem apurou que o suspeito se encontrava na 1ªDP até o início desta tarde. Segundo agentes da Polícia Civil, ele prestaria depoimento, assinaria um termo circunstanciado e deveria ser liberado em seguida.

Suspeito banido de voos

Em nota, a Gol repudiou "veementemente" qualquer manifestação de violência como a ocorrida na manhã desta sexta-feira, e informou que a tripulação agiu de forma imediata, imobilizando o agressor e, paralelamente, comunicando a Polícia Federal sobre o fato. Eles também lembraram que o comandante seguiu para o aeroporto mais próximo onde haveria uma equipe da polícia esperando o suspeito para efetuar a prisão.

"Neste momento, a prioridade da companhia é prestar total assistência às passageiras e colaborar com as autoridades", diz a nota. A Gol informou ainda que está tomando todas as medidas cabíveis para buscar formas de banir definitivamente o passageiro de todos os voos da empresa.

Por Gabriela Vinhal
Fonte: www.em.com.br

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!