Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Manutenção: 19 respostas para dúvidas bastante comuns sobre revisão de carros

goo.gl/ucXaDc | Revisão de carros é um tema que pode parecer simples, mas não é.

O número de dúvidas comuns de motoristas pode surpreender.

E elas não dizem respeito apenas a quando e onde fazer a revisão do carro, ou mesmo ao seu valor.

Muitos proprietários de veículos, por pouco entenderem sobre mecânica automotiva, têm receio de serem ludibriados por termos e questões técnicas.

Com isso, a hora da revisão veicular vira um drama.

Afinal, quanto custa uma revisão automotiva? De quanto em quanto tempo devo fazer revisão? Quais são os itens que não podem ficar de fora?

Se você se identifica com alguma dessas dúvidas, fique tranquilo.

Traremos neste artigo uma abordagem completa e simples sobre a revisão de carros.

E quando o assunto é segurança no trânsito, esse é um tema que precisa ser tratado com prioridade.

Desde já, saiba que a revisão de carros antes de viajar não é a única com a qual deve se preocupar.

O carro é uma máquina que necessita de cuidados para que siga funcionando bem e não acabe dando origem a acidentes.

Não basta apenas encher o tanque de gasolina e pegar a rodovia.

Esse é um assunto muito sério e merece toda a atenção.

E se você sair de férias com sua família e o motor superaquecer por causa de um defeito no radiador?

Ou se o pneu furar e o estepe estiver sem nenhuma calibragem?

Ou pense em algo muito pior: uma falha no sistema de freios do veículo que aconteceu somente porque o carro não passou por manutenção.

A chance de uma tragédia ao dirigir com um carro que não passou por revisão é grande, infelizmente.

Vamos dar um basta nisso?

Então, siga a leitura, saiba tudo sobre revisão de carros e se mostre um motorista mais consciente quanto às suas condutas ao volante e fora dele.

O Que é Revisão de Carros?

Começaremos o artigo com uma questão básica para todos os motoristas que pensam em segurança em primeiro lugar.

Afinal, como podemos definir a revisão de carros?

A revisão é uma forma segura de prolongar a vida útil do carro.

Como não dá para trocar de carro todos os anos (embora há quem consiga), o melhor é cuidar muito bem dele.

Os carros no Brasil não são baratos e, por isso a revisão, é uma excelente e segura ideia.

Isso vale tanto para o motorista que usa o carro todos os dias e por longos períodos quanto para aquele que costuma deixá-lo parado na garagem.

As peças do carro vão se desgastar naturalmente. Esse é um fato inegável.

Cedo ou tarde podem e vão ocorrer problemas. Mas você pode agir preventivamente, se antecipando a essa situações desagradáveis.

E como evitar problemas com o carro?

Respeitando os prazos para a substituição de peças e fazendo a manutenção delas, seja em casa (quando ou possível) ou em uma mecânica.

Se você não é um especialista, algumas peças somente podem ser vistoriadas e substituídas por um profissional.

Um automóvel revisado é um carro que está com o motor em boas condições, o filtro de ar está limpo, a calibragem dos pneus está correta e, enfim, está com tudo em dia para seu perfeito funcionamento.

Tipos de Revisão de Carros

A manutenção de carros pode ser dividida em três tipos:
  • Corretiva;
  • Preditiva;
Vamos falar sobre cada um deles agora.

Manutenção corretiva

A manutenção corretiva ocorre quando uma peça (disco de freio, por exemplo) está quebrada ou apresentando defeito.

Se você for fazer a manutenção e uma lâmpada do farol estiver queimada, ela será substituída por uma nova.

Ou seja, é mais um exemplo de revisão corretiva.

Manutenção preditiva

Veremos agora a manutenção preditiva.

Vamos pegar carona no que disse à Quatro Rodas o professor Ailton Fernandes, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) Ipiranga:

“A manutenção preditiva é sempre feita a partir de uma análise prévia. Ou seja, é possível que o técnico, a partir de medições e visualizações dos componentes, possa definir pela substituição ou não”, afirmou.

Vamos dar um exemplo para que você possa entender melhor a manutenção preditiva.

Imagine que o fabricante de amortecedores afirme que eles precisam ser substituídos após 40.000 km.

A manutenção preditiva pode revelar que a troca é desnecessária nesse momento e que a substituição pode ser feita após os 40.000 km.

Ou, em situação oposta, pode avaliar que mesmo com 30.000 km, é preciso substituir.

Manutenção preventiva

Na manutenção preventiva, a peça é trocada apenas quando demonstra um certo desgaste, o que evita que ocorram problemas no futuro por manter a peça no veículo.

Quais itens fazem parte da manutenção preventiva?

Vamos citar alguns exemplos:
  • Filtro de óleo;
  • Pneus;
  • Velas de ignição;
  • Filtro de ar;
  • Filtro de ar condicionado;
  • Filtro de combustível;
  • Óleo de câmbio manual;
  • Correia dentada;
  • Fluído de freio.
Vale lembrar que o desgaste das peças do carro depende de vários fatores.

Entre eles, maresia, os cuidados do motorista ao dirigir e até mesmo as condições da pista.

A dica é sempre procurar um mecânico de confiança para a revisão de carros.

Esse profissional conhece mais sobre o funcionamento do seu veículo para saber quando deve levá-lo para manutenção antes dos prazos estabelecidos no manual do proprietário.

19 Mitos e Verdades Sobre a Revisão de Carros

Nada melhor para esclarecer suas dúvidas sobre a revisão de carros do que abordar mitos e verdades sobre o assunto.

Entre tudo aquilo que você escuta, o que realmente deve ser levado a sério?

Pergunta difícil de responder quando não se tem total conhecimento do assunto, não é mesmo?

Então, vamos logo deixar tudo claro para você.

1. Velas devem ser trocadas a cada 20 mil quilômetros

É verdade que as velas devem ser substituídas a cada 20 mil quilômetros rodados.

Não é preciso que o carro comece a falhar para que as velas sejam substituídas.

De acordo com o mecânico Denis Marun, em sua coluna no site G1, a substituição se deve porque a faísca (arco voltaico) que as velas produzem perde intensidade.

Como consequência, acaba deixando de queimar parte do combustível que entra na câmara de combustão.

“Assim, elas aumentam o consumo e diminuem a potência do motor”, afirma ele.

2. É preciso descontaminar o motor o veículo

Vamos novamente recorrer a Marun para responder essa.

O procedimento de descontaminação só é necessário em situações específicas.

Ou seja, cuidado para que ser enganado por quem afirme que é preciso descontaminar o motor sem motivo aparente.

Segundo o especialista, havendo a substituição do filtro de ar, óleo e combustível nos prazos estabelecidos no manual do veículo, não é preciso descontaminar o motor antes dos 30 mil km.

“Mas quem colocou combustível adulterado ou roda em estradas de terra precisa antecipar a descontaminação”, indica.

Perceba que é mencionada a qualidade do combustível.

Além disso, note que se você mora numa região cercada por estradas de terra, a descontaminação do motor deve ser feita antes do tempo.

3. Revisão gera economia de dinheiro

Essa é fácil, daquelas para todo mundo passar no teste.

Você já ouviu falar de que a revisão de carros é uma forma de economizar e não de gastar dinheiro?

É a mais pura verdade.

Em muitos casos, a revisão sairá muito mais barata do que deixar o veículo com o problema para ser consertado quando “não tem mais jeito”.

Problema empurrado com a barriga se transforma em um problemão no futuro.

4. Revisão de carros populares é mais barata

Também costuma ser verdade.

Quanto maior for o valor do veículo, mais cara tende a ser a revisão.

Mas esse não é o único fator, é claro.

No caso de modelos populares, há menos itens a revisar.

Um exemplo é o ar condicionado, que nem sempre está presente, assim como a direção hidráulica ou elétrica.

Também é preciso considerar que carros importados precisam de peças que muitas vezes não são fabricadas no Brasil.

Se for o caso, obviamente, a revisão vai se tornar mais cara.

5. Carro 0km perde a garantia de fábrica se não levar para revisão periódica

Basta comentar com um amigo que vai levar seu carro a um mecânico em vez de fazer a revisão na concessionária, para ele o alertar sobre a perda da garantia nesses casos.

Mito ou verdade?

Verdade, embora cada montadora faça as suas regras.

Entretanto, como prática do mercado, é isso mesmo.

A maior garantia, que pode chegar a seis anos, é condicionada à realização da revisão de carros em unidade autorizada do fabricante.

6. Carros com até três anos de uso não precisam de revisão

Obviamente, estamos falando de um mito.

Se fosse assim, por que as montadoras o “obrigariam” a fazer a revisão anual para manutenção da garantia, não é mesmo?

E mesmo que seu carro tenha um só ano de garantia, a revisão também se faz necessária.

Afinal, carro seminovo também pode dar problema e deixar o motorista na mão.

Só que nem todo mundo pensa assim.

Veja o que diz o diretor do Sindirepa-SP (Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo), Antonio Gaspar de Oliveira, ao G1:

“Quanto mais novo o carro, menos cuidado o proprietário tem com manutenção”.

É claro que a probabilidade de um veículo novo dar problema é bem menor do que outro de mais de uma década.

Mas isso não significa esquecer a revisão de carros.

7. Carros antigos precisam de revisão anual

Essa questão tem tanto de verdade quanto de mito.

Significa que, sim, a revisão anual é super importante.

Mas também que, não, apenas a revisão anual não garante o bom funcionamento de veículos mais antigos.

A realidade é que todo carro precisa de revisão, indiferente do ano de fabricação.

Mas aqueles com mais tempo de estrada costumam apresentar desgastes mais frequentes em suas peças e componentes, o que justifica estar de olho no seu funcionamento o tempo todo.

8. Carro sem revisão dá multa

De certo modo, dá sim.

Vamos dar uma olhada no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) para esclarecer.

Veja o que diz a alínea XVIII do artigo 230:

“Art. 230. Conduzir o veículo:
(…)
XVIII – em mau estado de conservação, comprometendo a segurança, ou reprovado na avaliação de inspeção de segurança e de emissão de poluentes e ruído, prevista no art. 104”.

Repare que a lei não faz nenhuma observação sobre o ano de fabricação do veículo.

Em outras palavras, engloba todos os veículos que trafegam em estradas brasileiras.

Se você trafegar com um carro em más condições e que possa causar acidente, receberá uma multa grave.

O valor a ser pago por uma multa grave é de R$ 195,23.

Além disso, receberá cinco pontos em sua Carteira de Habilitação.

E tem mais ainda.

O carro também será retido como medida administrativa até que esteja em condições de trafegar conforme a lei.

9. Nem sempre é necessário revisar o carro antes de viajar

Você vai dar um passeio curto no final de semana, coisa de 100 quilômetros para ir e mais 100 para voltar.

Fazer a revisão de carros nessa situação parece desnecessário, não é mesmo?

Para a sua segurança, é bom não acreditar nesse mito.

A ideia de revisar antes de uma viagem se deve ao fato de pegar a estrada, ou seja, trafegar em rodovias.

É notório que os acidentes mais graves ocorrem em vias de trânsito rápido, justamente porque a velocidade dos carros acentua o impacto das colisões.

10. Revisar sempre antes de viajar garante a segurança de todos

Ajuda muito para aquela situação em si, embora ser um bom motorista e respeitar a sinalização seja condição básica para evitar acidentes.

Mas não se deixe enganar com mais um mito implícito aí.

Só revisar antes de viajar não garante nenhuma segurança.

A não ser que você viaje todo mês, é claro.

Mas para viajantes menos assíduos na estrada, não dá para ignorar a revisão de carros.

Esse é um cuidado que deve ser adotado durante todo ano.

É um mito afirmar que os carros precisam de revisão somente na hora de tirar férias.

E é um mito muito difundido.

13. Não há tolerância de quilometragem para revisão

Esta é uma questão muito importante: existe realmente uma tolerância de quilometragem para a revisão?

É mito afirmar que não.

Existe uma média, que é a cada 10 mil quilômetros.

Isso se enquadra em grande parte dos veículos.

Além disso, existe a indicação do manual do proprietário, que será específica para cada carro.

Obviamente não há problemas em levar o carro para a revisão antes disso.

Você pode buscar a manutenção preventiva a qualquer momento que achar necessário.

Não deve esperar um defeito aparecer.

A maioria dos motoristas segue as orientações do manual do proprietário ou espera fechar os 10 mil quilômetros.

Mas se você quiser levar o carro antes, essa é uma boa prática.

14. Existe tolerância de tempo para a revisão

Sim, assim como a tolerância de quilometragem, é estipulada uma relacionada ao tempo.

Ela indica a revisão de carros a cada seis meses em média, ou como recomendar o manual do proprietário.

Então, você obedece à tolerância de quilometragem ou de tempo?

Vale o que chegar primeiro.

Se fechou seis meses e seu veículo ainda não alcançou os 10 mil quilômetros, você deve levá-lo igual para a revisão.

Com o passar do tempo, mesmo que o veículo fique parado, há desgaste das peças.

O inverso também é válido.

Supondo que, em dois meses, você alcançou a marca dos 10 mil quilômetros, deve levar seu veículo para revisão.

15. Carro parado também precisa de revisão

Verdade, precisa sim.

Imagine a seguinte situação: você tem um carro com 5 mil quilômetros rodados que está parado na garagem há dois ou três meses.

Repare que o carro chegou apenas à metade da quilometragem indicada para a primeira revisão.

Será que é uma boa ideia levar o automóvel assim mesmo para ser revisado?

Com certeza.

Um motivo para isso é que o óleo do motor possui validade e necessita ser trocado.

Isso sem contar outros itens.

16. Carro envia sinais sobre a necessidade de revisão

Com certeza.

Pode ser um barulho diferente, um aumento estranho no consumo de combustível, alguma diferença no funcionamento de freios, direção, câmbio ou acelerador.

É prudente levar o carro até o mecânico para tirar a dúvida.

Ainda que não seja nada, você se sentirá bem mais seguro.

Não arrisque dirigir seu carro prestes a ter um problema mais grave.

17. Bicos injetores precisam ser limpos antes dos 30 mil quilômetros

Interessante observar essa questão que envolve um item específico do carro.

A princípio, parece uma boa ideia fazer esse tipo de manutenção o quanto antes, não é mesmo?

Cuidado para não se precipitar.

De acordo com o engenheiro mecânico Dennis Marun, um mito bastante difundido entre os motoristas envolve a limpeza dos bicos injetores antes dos 30 mil quilômetros.

“O filtro de combustível consegue segurar 98% das impurezas, mas exceções podem ocorrer quando se abastece o tanque com gasolina adulterada com solvente de borracha ou com etanol misturado com álcool anidro, produtos que podem interferir no funcionamento do motor”, explica.

Como é possível perceber, a qualidade da gasolina interfere bastante na “saúde” do veículo.

Tome muito cuidado ao abastecer em um posto que você não conheça direito.

E desconfie de preços muito abaixo dos cobrados pelos postos concorrentes.

Mas se é um mito a limpeza dos bicos injetores antes dos 30 mil quilômetros, o que motorista deve fazer?

A recomendação é que, depois de 10 mil quilômetros, seja feita a substituição do filtro de combustível.

18. É sempre melhor levar o carro em oficinas especializadas

Pode não ser mais barato, mas quanto mais o profissional envolvido entende sobre detalhes do seu carro, maior é a chance de ele executar um bom trabalho.

O ideal seria fazer a revisão de carros com a melhor combinação entre preço e segurança.

Mas se tiver que priorizar um desses conceitos, que seja o segundo, é claro.

Para ilustrar, veja o que diz Ivo Sérgio, consultor de serviços da Ceará Motor, em reportagem do jornal O Povo:

“Às vezes, o cliente quer economizar procurando oficinas que ofertam preços bem abaixo do habitual. Não se dá conta que as peças podem ser usadas de qualidade inferior”, afirma.

E isso nos leva ao 19º e último aspecto a avaliar sobre revisão de carros.

19. O barato sai caro

Quando o assunto é manutenção, quase sempre essa velha máxima é aplicada com sabedoria.

Não economize com a sua segurança.

Um serviço mal feito não diz respeito apenas a você, mas a todos os demais atores no trânsito.

Portanto, tenha muito cuidado com as oficinas que oferecem um serviço por um valor muito baixo.

As peças podem acabar durando menos tempo e o dono do carro será obrigado a voltar à oficina – na melhor das hipóteses.

Conclusão

A revisão de carros é uma forma de evitar surpresas ruins tanto quando você estiver indo para o trabalho, como saindo de férias com a sua família.

E nada é melhor do que garantir a segurança daqueles que ama, não é mesmo?

Faça sempre a revisão do carro nos prazos indicados no manual do proprietário.

Não procure uma oficina mecânica somente porque ela cobra um preço mais baixo do que as outras.

Se informe com seus amigos e familiares sobre as mecânicas de confiança.

A revisão de carros não é somente um gasto financeiro que o motorista faz “à toa”.

É um investimento que melhorará a performance no veículo e também a sua vida útil.

Se você cuidar muito bem do carro e fizer a revisão de forma periódica, é possível rodar por muito mais tempo com seu automóvel em boas condições de uso.

Tudo depende de você.

Então, providencie a manutenção de forma periódica e evite problemas desnecessários no caótico trânsito brasileiro.

Por doutormultas
Fonte: doutormultas.com.br

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!