Recursos negados: questões polêmicas de concurso da Brigada Militar são mantidas

Nenhum comentário
goo.gl/oXsRqL | Foi publicado no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (12) o resultado do julgamento dos recursos administrativos referentes ao concurso público para soldado da Brigada Militar. Das 50 questões, somente uma foi anulada: a de número 12. Ela perguntava quais órgãos não tinham o dever de exercer a segurança pública e apresentava duas respostas certas: Instituto Geral de Perícias e Guarda Municipal.



Outras 42 perguntas tiveram recursos pedindo a anulação. Elas citavam diretamente integrantes do governo, tratavam de medidas do governo Temer e havia também perguntas de cunho ideológico. Porém, as questões foram mantidas pela Divisão de Recrutamento da Brigada Militar e pela Fundação Universidade Empresa de Tecnologia e Ciências (Fundatec).

A questão de número 44 perguntava quem era o secretário estadual da Segurança Pública à época do anúncio da abertura de 6,1 mil vagas para reforçar a área. A Brigada Militar e a Fundatec justificam que todas as questões foram formuladas conforme conteúdo previsto no edital e sem nenhuma  participação do governo, seguiram o padrão de excelência e passaram por avaliações criteriosas.

Após a divulgação do conteúdo da prova, o secretário Cezar Schirmer cobrou explicações do comando da Brigada Militar, que atribuiu à empresa contratada a responsabilidade pela prova. O coronel Andreis Dallago chegou a dizer que o comando-geral da BM estudava cancelar de três a cinco questões da prova.

A prova teórica do concurso da Brigada Militar (BM), que ofereceu 4,1 mil vagas, foi aplicada em dezembro. Mais de 42 mil candidatos se habilitaram a realizar a disputa.

Confira alguns trechos da justificativa dada pela BM e pela Fundatec:

"Em nenhum momento houve a intenção da Fundatec e da banca em polemizar sobre os temas, apenas abordar sobre o contexto social atual, programa este previsto em Edital, sendo involuntário e não perceptivo até sua repercussão, sobre a forma textual construída."

"São questões importantes à história do Estado do Rio Grande do Sul e do País."

"Então, trata-se de um assunto importante e que precisa ser reconhecido como algo importante para a sociedade gaúcha."

"Quanto às alternativas, que nomeiam ex-secretários, o atual secretário, e até o atual governador do Estado, fazem parte do contexto da questão. É preciso analisar a questão como um todo."

"Muito embora a questão esteja relacionada a algo ligado ao programa 'segurança', não estaria errada se fosse enquadrada para o âmbito político, então, a questão está dentro do que foi  pré-estabelecido no programa e era de conhecimento dos candidatos por meio do edital."

Por Jocimar Farina
Fonte: gauchazh.clicrbs.com.br

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!