Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Ônibus lotado: delegado paga táxi para estudante após motorista recusar parada

goo.gl/zaowCS | O primeiro dia útil do novo sistema de integração nas Zonas Sul e Sudeste de Teresina terminou na delegacia para a estudante de gastronomia Daniele Nunes. Depois do motorista do ônibus não parar perto da casa dela no fim da noite de segunda-feira (19), conforme lei que já existe regulamentando o assunto, a estudante foi para a Central de Flagrantes para tentar registrar um boletim de ocorrência.

A estudante só conseguiu chegar em casa com a ajuda do delegado de plantão que pagou um táxi. A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) afirmou que recebeu a reclamação da estudante e que medidas estão sendo tomadas. A lei prevê que o embarque e o desembarque de passageiras, idosos e pessoas com deficiência após às 22h30 seja em locais indicados por eles, mesmo que fora da parada obrigatória.

Daniele Nunes contou que a viagem começou às 22h, rumo ao terminal do Bela Vista para fazer a integração. “Eu peguei o ônibus no shopping umas 10 horas da noite. Aí fui sair do terminal do Bela Vista 11:20 da noite. Ele rodou todos os bairros da região e quando chegou no meu bairro, residencial Wall Ferraz, que é muito escuro, ele não parou para eu descer perto de casa”, relatou a estudante.

Além de não parar para a estudante descer o motorista foi para o centro de Teresina. “Era 1h30 da manhã e eu pedi para ele parar perto da minha casa porque é muito escuro. Ele não parou, me levou para o centro de volta. Era 2h30 da manhã e estávamos eu, minha mãe e outra menina que estávamos no ônibus”, contou Daniele Nunes. Ela disse que com a volta para o centro da cidade acabou indo à Central de Flagrantes para registrar um boletim de ocorrência.

“No caminho a gente pediu uma viatura, que não chegou. Cruzamos com uma viatura, que não resolveu nada e aí fomos para a Central de Flagrantes. Tentamos registrar um boletim de ocorrência para processar por danos morais, mas lá nos orientaram a procurar a Strans”, afirmou Daniele Nunes.

A estudante explicou que procurou a Strans e que só conseguiu chegar em casa graças a solidariedade do delegado de plantão na Central de Flagrantes. “Falei com o superintendente Carlos Daniel que disse que ia resolver a situação hoje trocando o motorista, mas acho que não vou conseguir trocar. Só consegui chegar em casa porque o delegado pagou um táxi para a gente”, contou.

Passageira perde horário da integração por demora nos ônibus




Passageira reclamou de dificuldades no terminal Livramento (Foto: Reprodução/Tv Clube)

Pelas normas da integração de ônibus de Teresina cada acesso ao sistema permite a entrada em um novo ônibus em até duas horas sem ter de pagar uma nova passagem. Mas, há usuários que não conseguem fazer a integração porque os ônibus não passam. A estudante Alice Rocha, conta que repetidamente tem passado por dificuldades para conseguir ter acesso a ônibus no Terminal Livramento, utilizado nos fins de semana na Zona Sudeste de Teresina.

A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) informou que não recebeu reclamações e que as pessoas devem entrar em contato com o 08000863122

Alice conta que mora na Avenida Noé Mendes e que por lá passam dois ônibus e um vai para o terminal Livramento. No terminal ela tem passado pela dificuldade de não conseguir pegar o segundo ônibus dentro das duas horas.

“Da primeira vez, no dia 03 de março eu cheguei às 20h com a minha filha e ônibus saiu 22h30. Eu reclamei e falei que não ia pagar e ia entrar por trás porque não ia pagar outra passagem. Cheguei em casa com a minha filha de 3 anos fazendo xixi na roupa porque nem o banheiro no terminal para a gente não tem porque era para a gente só passar por lá e não esperar duas horas”, contou.

Problema se repete com usuária


A estudante passou pelo mesmo problema no último sábado (17). “Já no último sábado eu cheguei às 20h35 e o fiscal disse que tinha passado às 20h22. Ele chegou 22h15. Eu fiquei até 22h30 esperando e cheguei em casa às 23h. Para o centro funciona bem, mas quando chega do terminal para o bairro é desse jeito”, disse Alice Rocha. Ela contou ainda que sequer consegue registrar reclamações na Superintendência Municipal de Transportes e Transito (Strans).
Eu tentei ligar na Strans várias vezes e ninguém atende. Gastei mais de 20 minutos de crédito”, afirmou a estudante.
Ela contou que das duas vezes teve de reclamar para conseguir fazer a segunda viagem sem pagar uma nova passagem. Contudo, ela conta que já acabou pagando por uma nova passagem antes de completar as duas horas previstas na integração. "Paguei no bairro e no terminal paguei de novo com um intervalo de menos de uma hora", finalizou.

*(Foto meramente ilustrativa: reprodução Internet)

Por Carlos Rocha, G1 PI
Fonte: g1 globo

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!