Senado aprova perda de guarda para quem comete violência contra genitor de seus filhos

3 comentários
goo.gl/QRzbj1 | Nesta quarta-feira, 8, o Senado aprovou o PLC 13/18. A proposta, de autoria da deputada Federal Laura Carneiro, determina que pessoas que cometerem crimes contra o pai ou a mãe de seus filhos perderão automaticamente o poder familiar – relativo à guarda dos menores.

A proposta altera o Código Civil para acrescentar as novas hipóteses para a perda da guarda dos filhos, além de mudar dispositivos do Código Penal e do Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA.


De acordo com o Código Civil, a perda de poder familiar se dá quando houver a emancipação do menor, a chegada da maioridade, a adoção por outra família, ou decisão judicial – em casos de abandono, atos contrários à moral e aos bons costumes e a entrega irregular do filho para a adoção.

O PLC 13/18 acrescenta ao artigo 1.635 do Código Civil dispositivos que estabelecem a perda da guarda em casos de feminicídio, lesões gravíssimas e abuso sexual contra os filhos, e em casos em que as mulheres cometerem homicídio contra o genitor dos tutelados.

Ao apresentar o projeto, a autora, deputada Federal Laura Carneiro, afirmou que a crescente violência contra as mulheres exige medidas mais concretas e mais eficazes para a proteção dos filhos. Para a relatora da matéria na CCJ do Senado, senadora Marta Suplicy, o PLC preenche lacunas na legislação atual. "A mensagem trazida pelo projeto é clara: a reprovabilidade da conduta do homem que pratica crime doloso grave contra a mulher, ex-mulher, companheira ou ex-companheira, torna-o desprovido de condições morais para criar e educar os filhos comuns."

Após a aprovação no Senado, o PLC 13/18 segue para sanção presidencial.

PLC 13/18

Fonte: Migalhas

3 comentários

  1. Finalmente, espero que agora possamos proteger de fato as crianças que são também vítimas de violência quando as mães o são, pois ainda que o agressor não toque em um fio de cabelo sequer dos filhos, ao bater na mãe das crianças na frente delas, ao humilhar, ameaçar, matar a mãe das crianças está cometendo abuso psicológico e violência psicológica contra os filhos causado traumas e sequelas irreparáveis nessa criança que é testemunha ocular dos crimes que o pai cometeu contra a mãe!
    Finalmente, anos falando sobre isso, cheguei a perder a fé no sistema judiciário brasileiro! Dras, Drs, façam valer essa alteração na Lei favorável às Mulheres vítimas de violência porque os juízes machistas vão resistir! Avante, tolerância zero à violência contra Mulheres e crianças!

    ResponderExcluir
  2. PARABÉNS BRASIL PELO BOM SENSO . GRANDE TEM SIDO ESTA LUTA. EM PORTUGAL AINDA TEMOS ALGUMAS CRIANÇAS ENTREGUES AO AGRESSOR E/OU ABUSADOR DO PRÓPRIO FILHO, APESAR DE JÁ TERMOS ESTA LEI DESDE 2017. OS TRIBUNAIS CONTINUAM A IGNORAR PROVAS. A NOSSA LUTA CONTINUA. JUNTAS SOMOS MAIS FORTES.

    ResponderExcluir
  3. Em boa hora. Parte do mal que a lei SAP desencadeou podera ser neutralizado

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!