Advogada é algemada e retirada de audiência por policias no Rio de Janeiro; veja vídeo

11 comentários
goo.gl/kmQJ7d | Uma advogada foi algemada e retirada de audiência enquanto exercia a profissão nesta segunda-feira, 10, no 3º JEC de Duque de Caxias/RJ.

No vídeo, a advogada pede para acessar e impugnar pontos da contestação do réu, mas é informada de que a audiência já havia sido encerrada. Segundo a OAB/RJ, a juíza leiga teria solicitado que a advogada aguardasse fora da sala, mas, como ela insistiu em permanecer até a chegada de um representante da OAB, a polícia foi chamada para forçá-la a se retirar.

A Comissão de Prerrogativa da OAB teria sido avisada do ocorrido por meio de grupo de plantão de prerrogativas no Whatsapp. Nos vídeos, é possível ver a advogada sentada à mesa de audiências requerendo a presença de delegado da Ordem, e a solicitação para que ela aguardasse do lado de fora da sala de audiência. O vídeo mostra a advogada algemada, sentada no chão da sala de audiências, cercada por policiais, afirmando que só queria exercer “o direito de trabalhar”.



Ainda de acordo com a Ordem, um delegado da seccional, enviado pela 2ª subseção, se deslocou ao local e acompanhou o caso, tendo solicitado a retirada das algemas, o que foi atendido. "Nada justifica o tratamento dado à colega, que denota somente a crescente criminalização de nossa classe. Iremos atrás de todos os que perpetraram esse flagrante abuso de autoridade. Juntos somos fortes”, afirmou o presidente da Comissão de Prerrogativas, Luciano Bandeira.

Fonte: Migalhas

11 comentários

  1. Temos de coibir abusos seja em que esfera for.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. parabens doutora, estou com voce, seja firma todos os dia de sua vida, com os aplausos de todos no.

      Excluir
  2. Uma vergonha esse tipo de tratamento. Me senti humilhada por ela.

    ResponderExcluir
  3. Absurdo, ela tocou num ponto tão basilar, queremos reclamar dos políticos que roubam, mas no dia a dia presenciamos tantos absurdos, tantos direitos sendo desrespeitados e nos mantemos inerte. Seja por medo, seja porpor preguiça, por falta de conhecimento ou simplesmente por falta de humanidade.

    ResponderExcluir
  4. Inaceitável, desumano, cruel. Uma verdadeira humilhação para toda a advocacia. A OAB tem o dever moral de responsabilizar individualmente cada um dos responsáveis por essa lamentável situação.

    ResponderExcluir
  5. Esse é o exemplo do judiciário ? Um tremendo absurdo ver uma cena dessa , pois deveriam da exemplos favoráveis à classe de advogados...uma mulher q passa anos estudando pra se tornar uma profissional, exercendo seu trabalho honestamente e ainda passar por uma humilhação dessa...kd a dignidade da pessoa humana, o respeito pela profissional.

    ResponderExcluir
  6. Uma sucessão de absurdos.

    ResponderExcluir
  7. Um crime contra o Estado Democrático de Direito é o que estamos assistindo neste episódio.

    ResponderExcluir
  8. Juíza despreparada tem que passar por uma reciclagem

    ResponderExcluir
  9. Entendo que deve prevalecer no Tribunal a busca pela justiça e não a batalha de egos. Juízes e advogados devem se lembrar o que buscam no Tribunal. Cada qual no seu papel mas o objeto pela Justiça é comum. Compreendi que a advogada ao argumentar insistindo sobre a necessidade de realizar a leitura da contestação estava agindo de forma legal. A juíza informa que a audiência acabou... Ainda que houvesse de fato acabado o que não parece pois uma advogada sabe quais são os momentos processuais de praticar os atos. Educação cabe em qualquer lugar. Fazer prevalecer a autoridade dessa forma fragiliza a autoridade. Acredito que na condição de humanos ser falível é inevitável e assim em segunda oportunidade compreendo que deve-se buscar a solução para um caso como esse com autoridade legal e não abusiva. Desejo sucesso para colega e êxito na solução deste caso.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!