'Reversão sexual': Não, não liberaram a 'Cura Gay'! - (Artigo) de Saulo Brasileiro

9 comentários

9 comentários

  1. Parabéns pela materia. Gostei da abordagem verídica dos fatos narrados.

    ResponderExcluir
  2. Ao final da decisão o magistrado diz em "(re) orientação", não seria implicitamente falar em cura?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, por exemplo, quando uma pessoa está com câncer ela é encaminhada para uma reorientação com o objetivo de buscar a cura. Não fale besteiras e não tente buscar problemas onde não há. Lute sim contra injustiças e preconceitos, mas antes estude o assunto e procure as fontes das informações antes de manchar a imagem do Judiciário.

      Excluir
  3. Opine também sobre obras de arte, Teoria quântica, nanotecnologia. Não sabe? Então não fale besteira.

    ResponderExcluir
  4. Dizem do sensacionalismo, mas... e a matéria abaixo? Afinal, faz parte do mesmo site.
    http://www.amodireito.com.br/2017/09/direito-oab-concursos-justica-homossexualidade-doenca.html

    ResponderExcluir
  5. Há uma confusão conceitual importante e que não foi tratada nesse artigo. Espero que por descuido não intencional. Explico. Trata-se de que em um primeiro momento, o juiz pondera sobre a orientação e tratamento ACERCA da sexualidade. Quando da efetiva decisão, o juiz aventura-se a propor a permissão da CURA da homossexualidade. Reproduzo in verbis: "determinar ao Conselho Federal de Psicologia que não a interprete (Resolução) de modo a impedir os psicólogos de promoverem estudos ou atendimento profissional, de forma reservada, pertinente à (RE)ORIENTAÇÃO SEXUAL..." (destaque meu). Ora, aqui a interpretação é diversa: vai no sentido de guiar, conduzir. Uma coisa é orientar alguém SOBRE algo (sentido de informar, esclarecer), outra coisa é orientar ALGO a alguém (sugerir, sugestionar). A chamada prática da (re)orientação, também conhecida como "reversão" ou "conversão" sexual é, senso comum, conhecida como CURA GAY. Era o tratamento utilizado quando da catalogação da homossexualidade como doença. Portanto, o juiz, percebendo ou não, autoriza a CURA GAY. Vale ressaltar que a resolução em hipótese alguma proíbe qualquer tipo de estudo voltado à sexualidade humana. Tal pensamento beira a insanidade. Espero que essa liminar seja cassada de pronto. Que dias melhores venham e tragam consigo um povo mais honesto, ética e intelectualmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Art. 3º - os psicólogos não exercerão qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas, nem adotarão ação coercitiva tendente a orientar homossexuais para tratamentos não solicitados.

      Parágrafo único - Os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades.
      Pare de buscar polêmica onde não há. A liminar busca conceder liberdade de expressão científica (como defendida pela CR/88), para os profissionais de psicologia. Lute contra injustiças e preconceitos sim, mas não seja uma pessoa manipulada pela mídia, abra sua mente, pesquise as fontes antes de criticar algo ou alguém, ainda mais antes de manchar a imagem do Judiciário.

      Excluir
  6. Página homofóbica querendo insistir que a decisão do juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho serve para os consultórios psicológicos poderem atender homossexuais que queiram falar sobre sua sexualidade, sendo que isso já é perfeitamente permitido.
    O problema da decisão em questão é a abertura para que sejam feitos estudos e se desenvolvam terapias de REVERSÃO (REORIENTAÇÃO) SEXUAL, o que é ridículo e um absurdo. Tanto que diversos homossexuais se suicidaram no passado por causa dessa aberração.
    E pq vcs não falaram da psicóloga Rozângela Alves Justino, a qual está por trás da ação popular que gerou a sentença? Uma psicóloga evangélica que já deu vários depoimentos, que estão disponíveis no YouTube, afirmando que a homossexualidade é errado. A decisão visa justamente abrir uma brecha para esse tipo de pensamento.
    Enfim, deixando de curtir a página pq já mostram a intenção de vcs, sempre a achei fraca, mas agr tive motivo certo pra sair. Valeu.

    ResponderExcluir
  7. Não confundamos REorientar com orientar. Se realmente não promove a cura gay, NÃO deveria incentivar uma REORIENTAÇÃO, mas simplesmente ORIENTAÇÃO ou, melhor ainda, COMPREENSÃO sobre a sexualidade. Não haveria sentido em acreditar em REorientação se realmente houvesse um reconhecimento de que a orientação sexual é natural do ser humano. Se hetero e homo são igualmente naturais, não há o que se reorientar e, assim, impossível se falar em objeto de pesquisa - o que se tem é mera ideologia que se intenta justificar pela via científica. Liminar contraditória ao reconhecer a Resolução, mas ir contra seu teor ao conter termo equivocado.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!