Corregedoria indicia delegado que investigou morte de crianças esquartejadas

Nenhum comentário
goo.gl/KxkfMS | Afastado desde fevereiro, o delegado Moacir Fermino foi indiciado na tarde desta sexta-feira (16) no inquérito instaurado pela Corregedoria da Polícia Civil para apurar irregularidades na condução da investigação que apurava a morte de duas crianças esquartejadas em Novo Hamburgo, após a constatação de que testemunhas mentiram ao longo dos trabalhos.

Fermino foi indiciado por corrupção de testemunhas e falsidade ideológica.

Além dele, um outro policial e uma testemunha — que está presa — foram indiciadas pelos mesmos crimes. O inquérito foi concluído nesta sexta-feira e vai ser encaminhado para o Fórum.

Relembre o caso


O crime brutal foi descoberto em 4 de setembro, quando os restos mortais das vítimas foram encontrados dentro de sacos plásticos e caixas de papelão às margens de uma estrada no bairro Lomba Grande, em Novo Hamburgo. Quase quatro meses depois dos corpos serem encontrados, a polícia apontou que as mortes teriam ocorrido durante um suposto ritual satânico.

Além de Sílvio Fernandes Rodrigues, 44 anos, líder de um templo em Gravataí, foram presos durante a investigação Márcio Miranda Brustolin, Jair da Silva e Andrei Jorge da Silva e Paulo Ademir Norbert da Silva. Outras duas pessoas eram consideradas foragidas. Todas as prisões foram revogadas pela Justiça, após pedido da Polícia Civil, por ausência de provas.

No dia 7 de fevereiro, a Polícia Civil informou que o depoimento de uma testemunha levou a uma reviravolta no caso. Segundo o delegado Rogério Baggio, que assumiu as investigações, a apuração do caso "voltou à estaca zero". Durante uma acareação entre duas testemunhas uma delas contou que foi coagida e mentiu sobre a realização do ritual pelas pessoas presas. Uma pessoa foi presa por ter prestado falso testemunho.

Por Hygino Vasconcellos
Fonte: gauchazh.clicrbs.com.br

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!