Luto na advocacia: 'Deus queria que ela fosse agora', diz irmão de advogada morta

Nenhum comentário
goo.gl/SGesrj | O engenheiro Rodrigo Bertoncello, irmão da advogada Taíse Bertoncello, que morreu no último sábado (17) durante um corrida noturna em Cuiabá, revelou nesta segunda-feira (19) que ajudou no socorro da jovem.

A advogada, servidora da Prefeitura de Cuiabá, teve um mal súbito quando terminava o percurso de 7 km da corrida, realizada nas imediações do Parque das Águas, no Centro Político e Administrativo.

“Deus queria que ela fosse agora; foi isso que aconteceu. Nós somos cristãos, acreditamos em Deus. E é nisso que acreditamos nesse momento. Tudo que poderíamos fazer, foi feito. Eu estava lá e infelizmente ela se foi”, disse Rodrigo ao MidiaNews.
Fui ajudando os enfermeiros, eles realizando massagem cardíaca e eu fazendo respiração boca a boca para que ela voltasse
Ele contou que estava esperando Taíse na linha de chegada, e depois que ela passou mal, foi ao seu lado na ambulância até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Morada do Ouro.

O engenheiro conta que, enquanto esperava a irmã, percebeu que algo havia ocorrido no meio da pista, mas não conseguiu identificar o que era. Assim que os organizadores anunciaram o nome da advogada, o irmão foi em direção à ambulância.

“Quando cheguei, a minha outra irmã estava desesperada, pois já tinham avisado que Taíse tinha perdido a respiração... Foi tudo muito rápido”, contou.

“Entrei na ambulância, a acompanhei até chegar na UPA da Morada do Ouro, que era o local mais próximo. Fui ajudando os enfermeiros, eles realizando massagem cardíaca e eu fazendo respiração boca a boca para que ela voltasse”, disse.

A advogada morreu a caminho da unidade de saúde.

Causas da morte


As causas da morte de Taíse ainda são investigadas. A princípio, os médicos que atenderam a jovem apontaram mal súbito, com suspeita de infarto do miocárdio. No entanto, o laudo de necropsia aponta para “causa indeterminada”.

O irmão diz que a advogada não apresentava nenhum problema de saúde pré-existente. “O médico perguntou sobre medicamentos, e eu falei que ela tinha feito um preenchimento labial, tomava medicamento que um dermatologista receitou, mas nada que pudesse contribuir para a morte dela. Agora aguardaremos o exame para saber se ela ingeriu alguma coisa que nós não tínhamos conhecimento”, disse.

O laudo com os resultados dos exames toxicológicos e de alcoolemia ainda estão sendo elaborados pela Instituo Médico Legal (IML), que deve sair no prazo máximo de 30 dias.

Rodrigo também disse que todo atendimento possível foi prestado a irmã. “Eu estava do lado e vi o atendimento, não acho que teve negligência por parte do evento”.

O caso


A advogada corria o percurso de 7 quilômetros, quando, a poucos metros da chegada, passou mal e caiu.

Socorrida pela equipe médica que prestava apoio aos atletas, ela foi encaminhada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Morada do Ouro.

Entretanto não resistiu e morreu ainda na ambulância. Taíse foi enterrada na manhã desta segunda-feira (19) em Juara, cidade em que os pais da jovem residem.

Por Cíntia Borges
Fonte: midianews.com.br

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!