Negócio jurídico: qual o sentido do seu Escritório de Advocacia? - Por Gabriela Fornells

Nenhum comentário
goo.gl/aA66jo | Tive um ano incomum. Presenciei em 2017 uma enorme quantidade de dissoluções de escritórios, brigas entre sócios e cisões. Foram muitos e levaram consigo anos de esforços de investidores e advogados. Sim, estamos em meio a uma crise como país. Há três longos anos que o Brasil não cresce e, como cidadãos e profissionais, enfrentamos os efeitos da falta de liderança política.

Perdeu sentido para muitos, trabalhar no mercado jurídico. E o pior, muitos advogados não encontraram motivo de continuar em frente pelos seus clientes e equipe.

Infelizmente, para muitos não está claro para quê existe o escritório e para onde se dirige a sua advocacia. Está faltando significado e sentido.

Como alguns já sabem, sou consultora de estratégia e de marketing para Advogados. É bem comum para mim escutar que a administração do escritório não tem nada a ver com os propósitos envolvidos na prática jurídica. É como separar a gestão do escritório da prática do Direito em si. Para mim, isto é como dizer que o advogado deve trabalhar de graça, dentro de um sonho lindo, na busca pela justiça. Me perdoem, nem os alunos do primeiro ano de Direito pensam assim.

Todos sabemos que competimos em um mercado difícil, onde o equilíbrio entre a justiça, o governo, os cidadãos e as empresas deve ser mantido. Devemos entender o que é preciso fazer para alcançar o sucesso neste mercado. É necessário investir em planejamento, motivação da equipe, em objetivos claros e na organização dos esforços de todos. Devo encontrar significado na sociedade e no trabalho que estamos realizando a cada dia, junto a clientes. A Advocacia deve ser sustentável.

Devo encontrar significado na sociedade e no trabalho que estamos realizando a cada dia, junto a clientes. A Advocacia deve ser sustentável.

Pistas para encontrar mais significado:

1) Crie metas de novos clientes e mercados. Debata internamente e eleja que tipo de clientes o escritório deseja, em termos de atitude, grau de evolução como empresas e valorização de honorários. Todos queremos bons clientes. Mas precisamos criar essas metas, colocar como objetivo de uma nova estruturação do negócio jurídico.

2) Obter melhores resultados financeiros. Dinheiro não é tudo, é verdade. Mas é muito desgastante enfrentar insegurança financeira, ano a ano. É muito melhor ver o escritório crescer e poder ter um respiro para investir na ampliação do espaço físico, pessoas e tecnologia.

3) Poder dar oportunidades aos jovens talentos. Trazer para o escritório novas cabeças, com novos projetos e dar estrutura para que se desenvolvam. Os melhores escritórios têm programas para a jovem advocacia, de estágio e novos produtos. Isto agrega significado ao grupo.

Disseminando significado.

Comunicação interna, não apenas para debater o andamento processual. Fazer reuniões produtivas, sobre os clientes e o ritmo de das estratégias e melhorias.

Distribuir resultados, oferecer ao grupo um sistema sério e responsável de remuneração por resultados. É mais que ofertar um bom salário, é conectar esforço a resultado.

Metas claras. O melhor é cada advogado entender o rumo do escritório e o que ele precisa fazer para subir na hierarquia. Estratégia e pessoas estão fortemente ligados. O atingimento de metas é a cola desse todo.

Os melhores escritórios do mundo sabem crescer na crise. Eles já decidiram o que fazer, antes da crise iniciar. Para muitos é inaceitável enfrentar a falta de metas, de comunicação interna e de propósitos. Por isso muitos sócios desistem, e muitos Escritórios não se mantém em pé.

É urgente que paremos de colocar a culpa da falta de sentido interno, na crise econômica e/ou política. Comecemos a planejar hoje um escritório melhor, com mais resultados para todos.

Por Gabriela Fornells
Fonte: Jus Brasil

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!