Casal entra na Justiça para ter direito a manter cão de grande porte em condomínio

2 comentários
goo.gl/7FA5sR | Um casal entrou na Justiça para ter o direito de manter um cão de grande porte em um condomínio de Goiânia. Condomínio diz que, de acordo com o regimento, não são permitidos animais desse tamanho. Moradores rebatem, dizendo que só tomaram conhecimento disso após receberem multas.

A arquiteta Vanessa Figueiredo tem um labrador, o Zeus, de 3 anos. Ela se mudou para o condomínio há seis meses. Ela conta que, na época, avisou à síndica que tinha um cachorro de grande porte e ela não foi avisada de nenhuma proibição ou limitação de tamanho.

“Depois de uns 15 dias que eu mudei, eu recebi a primeira advertência verbal, falando que eu tinha que carregar meu cachorro no colo ao descer. Em nenhuma área do prédio eu poderia colocar ele no chão, só depois que passasse o portão da rua”, disse.



Certidão de registro de Zeus Figueiredo Masson

Ela já recebeu duas notificações, com foto do animal no elevador. A última, no valor de mais de R$ 350, exige que o cão deixe o prédio em até 15 dias.

Os donos do Zeus procuraram a Justiça, que concedeu uma liminar determinando que o cachorro continue no prédio até o fim do processo. Porém, ele deve ser transportado dentro de um carrinho gaiola e só pode passar pela área de serviço.

“Como que você vai impedir um cachorro de viver com você se você sente como se ele fosse um membro da sua família?”, disse o produtor musical, Jeziel Ataídes.

A síndica do prédio, Berenice Alves, informou que segue o regulamento interno e a convenção do condomínio, que não permite animais de médio e grande porte.



Cão é transportado dentro de carrinho gaiola, em condomínio de Goiânia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Por Vitor Santana, G1 GO
Fonte: g1 globo

2 comentários

  1. Tive um caso semelhante com o meu labrador aqui em Aracaju, e nós ganhamos na justiça o direito de sair com o meu cão na coleira no chão até a portão de saída do condomínio!esse tipo de proibição é absurda e descabida!

    ResponderExcluir
  2. Proibições que normalmente são apresentadas desprovidas de argumentos coerentes e/ou lógicos, puramente preconceituosos.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!