Irregularidades no trânsito: conheça as 7 multas mais aplicadas no Brasil em 2018

Nenhum comentário
goo.gl/NrS3sV | No Brasil, os motoristas passam, por dia, em média, duas horas e meia dentro de um carro. A informação é do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) para a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Considerando todo esse tempo dentro do automóvel, é aceitável que algumas falhas aconteçam. O número de infrações registradas pelo Registro Nacional de Infrações de Trânsito (Renainf), no entanto, choca. De janeiro a abril deste ano, 15,4 milhões de autuações foram emitidas. Saiba quais foram as multas mais aplicadas em 2018 – e dirija para longe delas.

Velocidade superior à máxima permitida, avanço de parada obrigatória e deixar de acender os faróis durante o dia são as multas mais comuns tanto nos perímetros urbanos quanto nas rodovias federais. A falta do cinto de segurança ainda continua sendo um problema grave no país, mesmo com o alto número de mortes no trânsito, 32 mil pessoas em 2017, de acordo com o Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), motoristas e passageiros ainda deixam de utilizar o dispositivo de segurança.

Nas ruas



(Clique sobre a imagem para ampliá-la)

As multas mais aplicadas em 2018 não se diferem muito das infrações mais comuns de 2017. A divergência mais significativa é que, no ano passado, menos motoristas dirigiram em desacordo com os locais e horários permitidos ou desobedeceram os rodízios.



(Clique sobre a imagem para ampliá-la)

O comportamento dos motoristas é diferente dentro das cidades e na estrada. Por essa razão, registramos as infrações mais flagradas nas rodovias federais. Deixar de acender os faróis em viagens continua sendo um problema – para o bolsa e para a segurança. De acordo com o diretor da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego, Dirceu Alves, com o anoitecer, a percepção do motorista cai 50% e, dependendo da patologia ocular pré-existente, a dificuldade é ainda maior.

Nas rodovias federais



(Clique sobre a imagem para ampliá-la)

Por Laurie Andrade
Fonte: autopapo.com.br

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!