A (in)constitucionalidade da restrição à doação de sangue por homens homossexuais: ADI 5543

Um comentário

Um comentário

  1. Penso que é correto o posicionamento do Ministério da Saúde, diante do relevante assunto que pode ocasionar danos irreparáveis ao receptor de sangue. Acredito que o Ministério da Saúde tem muito mais propriedade para discorrer sobre o assunto que o STF, tendo em vista sua grande estrutura de profissionais qualificados que desenvolvem estudos e técnicas para o bem da sociedade. Ninguém iria ditar essas proibições sem um estudo pormenorizado sobre o assunto, pois desse assunto pode resultar em consequências graves ao ser humano.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!