Como escrever uma boa petição inicial? Magistrados dão dicas valiosas!

4 comentários
goo.gl/CqDCrs | Petições iniciais devem ser simples, objetivas e, dentro do possível, curtas para que o juiz não perca a atenção durante a leitura. As iniciais também devem apresentar um pedido claro e direto, sem tentar induzir o magistrado a realizar uma decisão. Segundo seis juízes de diferentes áreas do Direito entrevistados pelo JOTA, essas são as principais dicas para se escrever uma boa petição.

Para Andréa Pacha, juíza da 4ª Vara de Órfãos e Sucessões do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) e escritora, uma petição é uma “história bem contada com um pedido no final”.

Segundo ela, quanto mais objetiva e reduzida for a petição, maiores chances da apreciação do juiz ser feita com mais cuidado. Peças com frases fora da ordem direta e com textos desnecessários dificultam a leitura e o entendimento.
Temos um volume imenso de trabalho. Se a petição se tornar uma tese, perdemos a atenção. Tem de haver a clareza do que está se pedindo, colocando somente o conteúdo necessário”, afirma Andréa.
Para a magistrada, petições muito longas, sobretudo em processos simples, também podem mascarar o conhecido processo de copiar e colar – também conhecido como “Ctrl+C, Ctrl+V” – conteúdo.

Andréa, que já atuou em varas de família, explica que os pedidos nesta área do Direito costumam ser mais simples, e não há necessidade de petições longas. Mesmo assim, ela afirma receber documentos prolixos e com adjetivações.
Muitos adjetivos podem comprometer a compreensão. As pessoas envolvidas em um processo familiar normalmente estão vivendo uma situação complicada e estressante em suas vidas. Um único adjetivo mal colocado no texto pode gerar um novo conflito”, disse.
Para Alfredo Attié, desembargador da 26ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) e presidente da Academia Paulista de Direito, uma boa petição deve ser breve, com cinco a 15 páginas. Caso o assunto seja mais complexo, o magistrado recomendou que as iniciais tenham até 20 páginas.
Nenhum juiz tem tempo para ler acima disso para entender uma causa”, avalia.
De acordo com o magistrado, citações de legislação, jurisprudência e artigos não devem ser feitos no corpo da petição, mas nas notas de rodapé. “Na petição, é importante haver somente o texto do advogado para a leitura fluir com facilidade”.

O magistrado também recomendou que os advogados evitem repetições de argumentos e jusrisprudências. “Quanto mais se repete, maior será a perda de interesse na leitura”, afirma o juiz.

Outra recomendação feita por Attié é colocar no início da petição um resumo e a ordem dos argumentos, além deixar claro o que o advogado defenderá na petição. “Isso deve ser feito apenas sugerindo seus argumentos, não induzindo o juiz em sua decisão”, diz.

Para ele, é importante que documentos anexos sejam numerados e que os advogados evitem documentos “inúteis”.

“Linguagem, e não design gráfico”


Para Marcelo Sacramone, juiz da 2ª Vara de Falências do TJSP, os defensores devem evitar períodos longos e “frases intermináveis”. Ele recomenda que as frases tenham, no máximo, duas linhas. O ideal é que cada parágrafo tenha duas ou três frases.

Segundo Sacramone, a descrição dos fatos é a parte mais importante da peça e a que mais tem sido negligenciada pelos defensores. “Os advogados precisam ter uma noção clara do que aconteceu, os motivos que levaram seus clientes a realizar o pedido. Tudo isso deve ser colocado de forma clara e que faça sentido”, diz.

Para ele, a primeira tarefa da petição é esclarecer os fatos e acontecimentos do processo. Depois, o advogado pode iniciar o processo de convencimento do magistrado. “O juiz precisa saber exatamente o que é que está sendo pedido, e o advogado deve se colocar no papel do leitor para escrever uma petição clara e concisa”, declarou.

De acordo com Guilherme Feliciano, juiz da 1ª Vara do Trabalho de Taubaté do TRT-15 e presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (ANAMATRA), os advogados devem evitar repetições de jurisprudências.

“Não faz sentido trazer uma jusrisprudência de tribunal regional, sendo que já foi colocado na mesma petição uma jusrisprudência do STF. Assim, a primeira perde a relevância”, afirmou.

Outra dica do juiz é evitar o uso de palavras grifadas ou deixar frases com cores diferentes. Segundo ele, isso ajuda a deixar o documento com um visual limpo. “A ferramenta do advogado é a linguagem, e não o design gráfico”, disse.

Dicas para estudantes


Para o juiz e professor do curso Damásio Educacional, Guilherme Madeira, a principal dica para estudantes de Direito é a leitura de obras da literatura clássica e moderna, e não somente de livros jurídicos. “Só escreve bem quem for um bom leitor. Esse hábito ajudará que os estudantes escrevam, futuramente, petições de agradável leitura”, afirmou.

Segundo o diretor da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 2ª Região (AMATRA-2) e juiz do trabalho, André Dorster, o estudante deve começar a prática de redigir petições ainda durante o estágio profissional.

“Também recomendo auxiliar os advogados do escritório na produção de peças e acompanhar audiências para entender melhor o funcionamento da Justiça, principalmente a trabalhista, que possui diferenciações’, afirmou.

De acordo com Feliciano, presidente da ANAMATRA e professor de Direito da USP, muitos estudantes só aprendem o processo e a linguagem de uma boa petição após entrar no mercado de trabalho. Para ele, matérias optativas para aplicações forenses podem auxiliar estudantes a aprimorar o texto em petições.

________________________

João Leandro Longo
Advogado. Formado em Direito pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci em 2017. Aprovado no XXIII Exame de Ordem enquanto cursava o 9º período do curso; Aprovado no concurso do INSS 2015/2016 - Técnico; Aprovado no concurso da PC-SC 2017 - Escrivão; Possui amor ao desafio e vê o estudo como uma forma de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal. Apaixonado pelo conhecimento jurídico, psicológico e científico. Experiente em Direito Previdenciário.
Fonte: Jus Brasil

4 comentários

  1. Bom dia!
    Excelente matéria.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, matérias de conteúdo que muito auxilia o Advogado recém aprovado, assim como, os mais experientes.

    ResponderExcluir
  3. Matéria muito importante e explicativa para nós acadêmicos de Direito e futuros Advogados.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!