Advogado se muda para Miami pelo filho – e já fatura 80 milhões de dólares

Um comentário
goo.gl/3fR7VP | Empreender nos Estados Unidos, para muitos, é chance de crescimento profissional próprio – mas, no caso de Daniel Toledo, a futura carreira do filho de poucos anos de idade também falou alto. O advogado especializado em imigração aos Estados Unidos uniu a oportunidade de ficar mais perto da realidade americana com as habilidades de basquete de seu filho. Após um ano de preparação, mudou-se para a cidade de Miami.

A união com sócios locais e a aposta no digital fez seu escritório, chamado Loyalty Miami, crescer. Apenas no primeiro semestre deste ano, o faturamento foi de 80 milhões de dólares (na cotação atual, cerca de 309 milhões de reais).

Mudança de vida


Daniel Toledo comanda o escritório Loyalty Miami, de internacionalização de empresas e pessoas para os Estados Unidos, em 2003. O empreendimento faz desde consultoria até documentação jurídica, reunindo administradores, contadores, economistas e advogados.

Já em casa, o advogado e empreendedor criava o filho, Raphael, e o levava desde quando ele tinha dois anos de idade ao Parque do Ibirapuera para jogar basquete. Um dia, um jogador profissional comentou que Raphael tinha bastante habilidade para o tamanho dele.

O pai começou a buscar times e treinadores, mas todos recusaram avaliar o menino por conta da idade. É uma situação diferente da que Toledo via nos Estados Unidos, onde o esporte é uma preocupação desde cedo.

Como o advogado já tinha desde 2005 a matriz da Loyalty movida para Miami, para facilitar os serviços prestados, e vivia indo e voltando entre Brasil e Estados Unidos, surgiu a ideia de se mudar definitivamente. “Miami possui grandes portos, então boa parte do dinheiro e dos produtos passam por aqui. Não foi só pelo fluxo de brasileiros”, explica Toledo.

Após um ano de estruturação da operação brasileira para funcionar sem a presença física do advogado, pai e filho se mudaram para Miami em 2013. Na época, Raphael tinha quatro anos e meio de idade.

Carreira para o pai e para o filho


De acordo com Toledo, o atendimento da Loyalty aos brasileiros não foi prejudicado com a mudança. A maioria dos atendimentos feitos pelo advogado são possibilitados por Skype, de forma remota e sem grandes custos fixos. Os honorários sempre foram pagos em dólar, então não há efeitos de variação cambial na operação do negócio.

A Loyalty cresceu principalmente nos últimos quatro anos, com a entrada de dois sócios e advogados americanos e a ampliação dos serviços. Há três anos, a Loyalty também passou a investir nas mídias digitais, com 218 mil seguidores no Facebook e 55 mil inscritos no seu canal no YouTube.

Em 2017, o escritório faturou 40 milhões de dólares, atendeu mais de 90 brasileiros e abriu filiais em Lisboa (Portugal) e Barcelona (Espanha). “O objetivo da Loyalty é ajudar empresas e pessoas de todo mundo, não só brasileiros”, diz Toledo. O negócio já dobrou seu faturamento para 80 milhões de dólares neste primeiro semestre de 2018 e pretende triplicar os investimentos em áreas como marketing.

Raphael, hoje com 11 anos de idade, participou de 16 seletivas de clubes nos Estados Unidos para jovens talentos e passou em 14. Após seis meses no campo de treinamento do Miami Heat, passou para a liga júnior do time de basquete Golden State Warriors.

Raphael tem uma rotina regrada: de segunda a sexta-feira, ele fica na escola das 8h às 15h e vai direto para a academia do Warriors, onde faz aulas particulares e com o time até as 19h. Nos finais de semana, treina das 10h30 às 12h45. Além do acompanhamento de uma treinadora e uma nutricionista, Raphael possui um professor particular contratado pelo Warriors caso suas notas escolares caiam.

A rotina do estudante é registrada em seu canal no Youtube, com 19 mil inscritos. Toledo afirma que o objetivo do canal é “mostrar exemplos de crianças que não desistiram de seus sonhos”. Raphael já ganhou algumas medalhas e o plano é concorrer a uma bolsa de estudos no ensino superior americano baseada em méritos esportivos.

“Devo muito aos Estados Unidos pela forma como eu e meu filho fomos recebidos. Não teríamos a mesma oportunidade no Brasil, e devolvemos com nossos investimentos por aqui”, diz Toledo. Em Miami, hoje não é Dia dos Pais – mas a família tem muito a comemorar.

Por Mariana Fonseca
Fonte: Exame Abril

Um comentário

  1. Brasil falta incentivo em toda parte, povo aqui só quer saber de roubar, estão certinhos de se mudarem desse país q só faz tirar dinheiro de vcs!

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!