Se aprovado, projeto de lei impedirá 74% das condenações por tráfico de drogas

18 comentários
goo.gl/ctueLD | “Serão nulas as sentenças condenatórias fundamentadas exclusivamente no depoimento de policiais”.  Este é o parágrafo único do Projeto de Lei 7024/2017, de autoria do deputado federal Wadih Damous (PT-RJ), que aguarda para ser julgado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara.

Na prática, a medida evitaria cerca de 74% das prisões por tráfico de drogas no país, já que, de acordo com pesquisa de 2016 do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP), esse é a porcentagem de condenações baseadas exclusivamente nas falas dos policiais que efetuaram o flagrante.

Segundo Wadih Damous, o projeto visa reduzir o número de presos no país, já que “a criminalização do tráfico de drogas é a grande responsável pelo encarceramento em massa dos últimos anos”. Para ele, existem dois fatores que resultam no grande número de encarcerados por tráfico. O primeiro é a ausência de critérios mínimos para diferenciar quem exerce o comércio de drogas daquele que é apenas um usuário. O segundo é, justamente, o fato de que as condenações por esse crime são, frequentemente, baseadas exclusivamente no depoimento de policiais.

“Os depoimentos de policiais ou de qualquer agente público não podem ser analisados de forma isolada e servir de um único meio para lastrear uma condenação”, argumenta o deputado. Isso porque, para ele, o depoimento prestado pelos agentes envolvidos no flagrante trazem consigo um juízo condenatório em relação ao réu.

Além disso, a condenação baseada apenas no testemunho dos policiais “dificulta o exercício do contraditório por parte do acusado, já que será a sua palavra contra a do agente público”. Nesses casos, ressalta o PL, “o juiz tende a dar maior credibilidade à palavra do policial, invertendo o ônus da prova e obrigando o acusado a ter que provar sua inocência em situação amplamente desfavorável”.

Segundo a socióloga Maria Gorete Marques de Jesus, que coordenou a pesquisa do NEV-USP, a credibilidade da narrativa policial perante os juízes e demais operadores do direito é muito grande, em detrimento da versão do réu.

“Mesmo a pessoa relatando que sofreu violência, ou que o flagrante foi forjado, os juizes questionam a pessoa: por que os policiais iam fazer isso com ela?”, relata Gorete. “Eles dizem ‘eu não posso duvidar da palavra de um policial que está defendendo a sociedade, eu preciso acreditar nele’”.

Gorete conta ainda que, durante a realização da pesquisa, percebeu-se que os policiais costumam dar ao juiz a versão dos fatos que irá resultar numa condenação por tráfico: “A pessoa estava com uma porção fracionada, tinha dinheiro trocado, o local é conhecido como ponto de venda de drogas. Enfim o policial tem um saber para oferecer subsídios e as supostas provas que os operadores necessitam para decidir pela condenação dos acusados”.

“Não tem como testemunhar contra um policial”


Para Luis Carlos Valois, juiz da Vara de Execução Penal do Tribunal de Justiça do Amazonas e colunista do Justificando, a prática de encarcerar pessoas envolvidas com drogas somente com testemunha policial é “costumeira” no país. “Esse é um vício estimulado, autorizado e legitimado pelo judiciário”.

“Se aprovado esse projeto de lei, com certeza muita gente deixaria de ser presa”, afirmou Valois. “Os policiais teriam que passar a buscar testemunhas efetivas de que a pessoa é traficante, o que é o correto”.

Ele ressalta ainda que, em concordância com o Código de Processo Penal, já não deveriam haver condenações com base apenas no testemunho policial: “O CPP diz que a testemunha tem que ser a pessoa mais próxima do fato possível, e é óbvio que o policial não é a testemunha mais próxima. Se a pessoa é traficante, se ela está vendendo drogas, outras pessoas sabem que ela está vendendo, se não ela não venderia para ninguém. Uma das características principais do comércio é as pessoas saberem que o indivíduo é comerciante, então sempre há testemunhas de que a pessoa está vendendo aquela substância”.

“O fato de ser o policial a testemunha exclusiva do fato torna o processo penal um arremedo, uma farsa”, diz Valois. “A pessoa chega pronta para ser condenada e, dificilmente, ela vai conseguir provar sua inocência, o que é uma temeridade. Se argumenta que ninguém iria depor contra um traficante, mas também não tem como testemunhar contra um policial”.

Por Lígia Bonfanti
Fonte: justificando.cartacapital.com.br

18 comentários

  1. Primeiro passo para se legalizar o uso de drogas . . Lamentável

    ResponderExcluir
  2. Narcotráfico tem muita força nesse pais.
    Vamos torcer para que dias melhores venham e que o bem triunfe sobre o mal

    ResponderExcluir
  3. Muita gente deixaria de ser presa, que bom né, todos inocentes coitados... Ainda vamos aproveitar e soltar a maioria dos que estão presos, vai ficar uma maravilha. Se bem que o se o nobre deputado e sua turma estão soltos, tá certo solta os inocentes do presídio também.

    ResponderExcluir
  4. Verdadeiros hienas são esses políticos dessa nossa democracia aonde uma menina foi morta por não entregar o celular a um vaguaburdo q certamente ia comprar drogas,uma senhora morreu no corredor de hospital por não ter um atendimento correto, pessoas estão nesse momento no sinal vendendo água pra poder comprar o pão de cada dia. E esses "especialistas" q vão de encontro a sociedade. Vcs são sanguinários. Mas Deus deixou uma mensagem pra todo nós : "Bem aventurados os que tem sede de justiça , pois serão saciados".

    ResponderExcluir
  5. Será que alguém que irá se voluntariar para ser testemunha para morrer!? Isso está me cheirando a mais impunidade!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Descriminalizar as drogas, anular todas as condenações por tráfico, tirar a credibilidade dos policiais por uma pl de um Ficha suja, tá SERTINHO isso sim :)
    Carta Capital é confiável sim

    ResponderExcluir
  8. Quem irá testemunhar contra um traficante? Deplorável.

    ResponderExcluir
  9. Parece que a cada dia os nossos policiais que deveriam ser um símbolo de justiça cumprida estão cada dia mais ficando sem poder, sem condições de fazerem qualquer coisa pela sociedade. É cada coisa viu, se não querem ser presos não se envolva com esse tipo de coisa simples assim, os nossos policiais daqui a alguns dias não vão poder fazer mais nada contra os criminosos perante a lei tudo vai ser contra eles. Absurdo

    ResponderExcluir
  10. Quero ver é achar uma testemunha que afirme, de forma inequívoca, de que o preso era traficante! Sofrível este projeto!

    ResponderExcluir
  11. lamentavel, como conseguir testemunhas q o CIDADAO é um traficante se o comunidade onde ele atua é refem e nao denuncia, com medo de retaliacoes.
    deve ter interesses maiores por tras desta pl.

    ResponderExcluir
  12. alguem esperava alguma coisa diferente de um deputado do PT??

    ResponderExcluir
  13. PETISTAS SENDO PETISTAS, SÓ GOSTARIA DE SABER COMO FUNCIONA ESTE TIPO DE SITUAÇÃO EM PAÍSES DESENVOLVIDOS.

    ResponderExcluir
  14. Sou policial militar e estou perplexo em ler um projeto de lei que vai contra os anseios da população e contra os princípios constitucionais e dá total carta branca ao tráfico de drogas e à impunidade. Esse parlamentar deve ser um idiota de gabinete que não conhece a realidade da rua e do crime. Quem é que vai colocar seu pescoço na guilhotina acusando e testemunhando contra um traficante? Quem vai deixar o anonimato e assinar seu atestado de óbito ao testemunhar contra um marginal desses? A realidade das ruas é totalmente divergente da realidade de quem julga no conforto de seus gabinetes com ar condicionado, longe do calor dos acontecimentos. Esse deputado e quem concorda com ele deve está pensando que estamos em Alice no país das maravilhas. Só pode!!

    ResponderExcluir
  15. Esse deputado no mínimo está a serviço do tráfico.
    Corja de deputados safados,os policiais são a última barreira entre os cidadãos de bem e os criminosos.
    Tomara que sua mãe já esteja morta pra não ver esse monte de bosta que ela gerou que é esse deputado do diabo.

    ResponderExcluir
  16. Pensa um traficante com quilos de drogas abordado por policiais? O quê mais o juiz precisa? Arrolar testemunhas não policiais? Seja traficantes pequenos ou grande todos devem ser presos. Se a cadeia esta cheia é só não vender drogas. Porque esse deputado não vai aos hospitais verificar se está lotado e os pacientes bem cuidados?

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!