Preso que escapou da cadeia no RJ se muda para a Bahia, onde atuava como advogado

4 comentários
goo.gl/TxbLPZ | Após fugir da cadeia, um traficante do Morro da Serrinha, que fica em Madureira, na Zona Norte do Rio, se mudou para a Bahia tentar recomeçar a vida. Como o RJ2 desta quarta-feira (1º) mostrou, ele estudou, se formou em Direito e até conseguiu passar na prova da Ordem dos Advogados do Brasil.

Anderson Luiz Moreira da Costa virou Adson Moreira de Menezes. O mesmo rosto, mas fichas criminais bem diferentes. As impressões digitais confirmaram o que a polícia já suspeitava. Os dois homens são a mesma pessoa.


Quando era Anderson, o homem chefiava o tráfico do Morro da Serrinha. Isso ocorreu entre a década de 1990 e início dos anos 2000. Na comunidade, ele era conhecido como "Espinha", por causa de uma cicatriz na barriga.

"Além de tráfico de drogas, ele também tem passagem por latrocínio e por porte de armas. Aí, denota-se que era uma pessoa violenta", contou a delegada titular da 77ª DP (Icaraí), Raíssa Celles.

Anderson cansou de fugir da polícia do Rio. Depois de fugir da prisão, juntou dinheiro, arranhou documentos falsos e sumiu. Por mais de dez anos, ele se escondeu em Salvador, capital da Bahia.

Já como Adson, Anderson abriu negócios: um restaurante, uma loja de instrumentos musicais e outra de peças de motos.

"A gente identificou que na Bahia ele fez faculdade de Direito, se formou e atuava como advogado com OAB, legalmente retirada no estado da Bahia", explicou a delegada.

O falso Adson chegou a ser aprovado num concurso público como estagiário de uma penitenciária baiana. Em 2019, o homem terminaria uma pós-graduação em Ciências Criminais, e pretendia dar aulas em universidades.

Anderson foi preso por agentes da 77ª DP (Icaraí). Ele tinha em seu nome três mandados de prisão por latrocínio e tráfico.

Por Leslie Leitão, Guilherme Santos e Bette Lucchese, RJ2
Fonte: g1 globo

4 comentários

  1. Esse merece responder em liberdade

    ResponderExcluir
  2. Aí uma situação onde o Estado deveria agir de outra forma o cara estuda, abre uma empresa, contrata pessoas põem a moeda pra circular o que movimenta a economia e depois de anos vai preso, onde ele, vai conhecer so gente "boa" na penitenciária e talvez aí sim voltar para o crime.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo3/8/18 12:05

    Concordo plenamente Rosivaldo Souza.

    ResponderExcluir
  4. Para mim , quem pratica crimes hediondos com esta pessoa cometeu, deveria estar preso . E, sem direito a progressão de regime e sem direito a condicional. A mudança da lei 8.072/90 que permite hj todos estes benefícios ao criminoso hediondo foi a maior excrecência da história do direito penal brasileiro. Lugar de criminoso hediondo é na cadeia! Onde já se viu latrocidas, traficantes, sequestradores, estupradores, etc. terem todos estes benefícios? Isto serve tb para os corruptos e corruptores! O Brasil deveria seguir o exemplp do Estado da Pensilvania nos EUA. Prisão perpétua sem liberdade condicional; ou pena de morte! Vejam o Rio de Janeiro a que ponta chegou! A criminalidade que assola este País tem que ser combatida com força! Pq os criminosos ñ têem nenhum escúpulo e destroem o seio social!

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!