Justiça do Trabalho condena ex-empregado a pagar honorários após perder ação

9 comentários
goo.gl/qBHJyw | Um instrutor de hotelaria foi condenado a pagar honorários de sucumbência após a 17ª Vara do Trabalho de Salvador julgar improcedente uma ação movida por ele contra o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

O autor da reclamação trabalhista trabalhou para o Senac de novembro de 2010 a maio de 2017, com último salário de R$ 2,7 mil, e foi demitido sem justa causa. Na ação, ele reclamou que foi contratado para trabalhar 8 horas por dia e 44 horas semanais, mas que na prática, trabalhava das 8h às 21h, de “domingo a domingo”, com 30 minutos de intervalo e uma folga semanal. Ainda disse que a empresa não pagava corretamente pelas horas extras trabalhadas. Ele pediu o pagamento do horário extraordinário, inclusive por supressão dos intervalos inter e intrajornada, bem como as repercussões.

O Senac, contudo, contestou o horário declinado e teria apresentado os controles de frequência. O juiz Edlamar Souza Cerqueira pediu para ele apresentar documentos como cartões biométricos. Em resposta, o autor afirmou que questionava os registros, pois a “empresa manipulava os controles e que os intervalos eram pré-assinalados”. Para o juiz, cabia ao trabalhador comprovar que os horários registrados nos controles não correspondiam à realidade.

Em depoimento, o instrutor admitiu que registrava o ponto corretamente de sua jornada de trabalho. O juiz, na decisão, afirma que as provas dos autos demonstram que as horas extras realizadas eram pagas e que, quando não eram pagas, eram devidamente compensadas, como demonstrado nos contracheques. O magistrado também observou que os intervalos para descanso foram corretamente concedidos. “Desta forma, não tendo o reclamante [autor da ação], por sua vez, apontado, especificamente, as eventuais diferenças de horas extraordinárias não pagas pelo empregador, entendo não comprovada a existência de horas extras laboradas e não compensadas ou quitadas. Dito isso, indefiro os pedidos de horas extras, inclusive por supressão de intervalo intrajornada e interjornada, bem como todas as repercussões requeridas na prefacial”, declarou o magistrado na decisão.

Como o processo ocorreu sob as normas da Reforma Trabalhista, o juiz ainda determinou que o próprio empregado pagasse os honorários advocatícios de sucumbência aos advogados do Senac. Para a advogada trabalhista Maria de Fátima Oliveira, do Costa Oliveira Advogados, “a sentença apresenta-se justa, porque apreciou com sabedoria as provas dos autos e o direito”. Ela destaca outro ponto importante da decisão, que condenou o reclamante ao pagamento dos honorários advocatícios de sucumbência em favor dos advogados do Senac, como previsto no artigo 791-A da Consolidação das Leis Trabalhistas, instituído pela Reforma Trabalhista. “Ou seja, a reforma trabalhista está sendo aplicada pela Justiça do Trabalho, apesar das críticas que recebeu na sua promulgação por parte de alguns setores da sociedade, tornando as demandas mais dinâmicas e obrigando as partes nelas envolvidas serem mais responsáveis com os seus resultados”, explica a advogada.

Fonte: www.bahianoticias.com.br

9 comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. essas notícias são passadas aos leitores com intuito de fazer com muita gente fique com medo de ingressar com ação trabalhista . São passadas noticias pela metade muitas vezes enganando a população . isso e mentira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com a reforma acabou a mentira, se você alegar e não provar você vai pagar sim, tiveram que equilibrar novamente a relação baseada nos costumes, neste caso o "jeitinho" brasileiro de ganhar dinheiro fácil acabou...o empregado contra o empregador alegando em muitos casos mentiras acabou... E não é mentira é verdade, então trate de firmar o seu semblante e pense 100 vezes antes de querer entrar com uma demanda contra o empregador acreditando que o TRT vai passar a mão na sua cabeça.

      Excluir
  3. gostaria quê coloque a fonte da notícia o n dó professo po exemplo seu mentiroso

    ResponderExcluir
  4. Vergonha o que o governo faz com o povo, aliás desgoverno

    ResponderExcluir
  5. Porque não coloca o nunúme do processo, o valor em que foi condenado e a fonte da notícia. Ademais, processo e assim, ganha ou perde, por isso é processo.

    ResponderExcluir
  6. Coitado, do reclamante! senão pagar, perderá todos seus bens!, serão penhoradas suas aplicações financeiras, seus automoveis e seus imoveis. Como que tivesse algum bem a perder! É isso mesmo estas reportagens, so tem o objetivo, de desinformar o pobre, para que deixe de procuar seus direito! que vergonha!

    ResponderExcluir
  7. Ue, está correto a decisão, o cara tem um comportamento desonesto e ainda tem gente que o defende aqui?
    Por isso wue está essa zona.
    Tem que pagar mesmo.

    ResponderExcluir
  8. Finalmente, a justica do trabalho criou decencia..
    Eu ja participei de varias audiencias trabalhistas ( pelos 2 lados), e ficava envergonhado pela descarada tolerancia dos juízes com as reclamacoes desonestas..mesmo ficando claro que eram dsonestas..
    Parabens ao Juizado .
    Esta e outras decisões trarao de volta o respeito que a justica do trabalho merece e que nas ultimas decadas foi totalmente perdida

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!