Acompanhe o novo site direitonews.com.br

Principais frases ditas pelo agressor de assédio moral no ambiente de trabalho - Por Leidyane Alvarenga

Um comentário
goo.gl/9PJqQf | Segundo Zanetti as principais atitudes cometidas pelo agressor são: impedir a vítima de se expressar, isolar a vítima, desconsiderar a vítima junto aos seus colegas, desacreditar a vítima por seu trabalho, e comprometer sua saúde.

Além disso, o autor descreve algumas frases típicas do assediador, as quais podem caracterizar assédio moral, vejamos:

* O tempo que você leva para resolver as coisas, minha tartaruga dá duas voltas no quarteirão...

* Se incompetência pagasse imposto você estava falido...

* Aqui não é instituição beneficente: se não aguenta o ritmo, cai fora...

* Você é muito pesado para eu te carregar nas costas...

* É melhor você arrumar outra coisa para fazer porque pelo que vejo seu QI não atinge o nível desejado...

* Levar o filho ao médico! Isso não tem o menor cabimento.

* Afinal quem é que vai pagar as contas da sua casa?

* Você é prova viva de que papel aceita tudo, pois pelo seu currículo era para você ser bem melhor!

* Ei, tá nervosinha por quê? Vê se arruma um namorado para resolver isso!

* Eu mandei e você tem que fazer! Manda quem pode e obedece quem tem juízo!

* É bom fazer o que estou mandando, senão já sabe. A porta da rua é serventia da casa.

* É bom fazerem o que estou mandando. “A fila de desempregados aí fora é grande e estão torcendo para abrir uma vaga.”

Além das frases típicas do assediador, Teixeira (2006, apud Zanetti, 2014, p. 77) apresenta os pensamentos dos assediadores no momento de iniciar os assédios, vejamos alguns exemplos abaixo:

Hum..., esse aí está querendo aparecer muito, vou quebrar este entusiasmo! Dou uma série de trabalhos que sabidamente não vai conseguir realizar e ele acaba desmoralizado.

Tiro dele as funções nobre e dou somente tarefas rotineiras e sem expressão, e ele acaba se enchendo e pede as contas.

Se ele estiver presente em uma reunião, nunca lhe dirijo a palavra, nem olho para ele e se ele pedir para falar, digo que vou lhe dar a palavra ao final e encerro a reunião sem ouvi-lo.

Nunca vou elogiar um trabalho que ele faça, mas vou criticar mesmo quando não houver motivo.

Valorizo outros na presença dele e sempre aponto os outros como modelos a serem seguidos.

Mesmo que haja com a iniciativa e criatividade, critico-o duramente pela quebra de hierarquia e pelo desvio das tarefas rotineiras que teria que cumprir.

Sempre me imponho de forma truculenta sobre a pessoa, insultando-a na presença de terceiros.

Dou espaço e incentivo para que os outros do mesmo nível também criem situações constrangedoras à pessoa visada.

Boicoto seu trabalho e suas comunicações interrompendo sempre seu trabalho e seus contatos para desestabilizá-lo.

Quando perceber que ele está ao telefone com algum amigo ou familiar chego falando alto e insultando-o para fragilizá-lo perante os seus.

Mudo o horário de entrar, sair e almoçar com o objetivo de desestabilizar sua vida pessoal e afastá-lo do convívio dos colegas de trabalho, isolando a vítima.

Estimulo e faço intrigas atribuindo a origem delas a pessoa visada.

Vou colocá-la na pior mesa de trabalho, com equipamentos de qualidade inferior, e vou dar uma mesa melhor mesmo para empregados mais novos e de nível hierárquico inferior.

Dou ordens confusas e contraditórias e atribuo o insucesso à falta de discernimento da vítima.

Quando realizar um trabalho, vou desmerecê-lo e ridicularizá-lo publicamente.

Esses são apenas alguns exemplos de atitudes impróprias do superior hierárquico, sob pena de caracterizar assédio moral, e este ter que responder pelos prejuízos. Infelizmente, frases e pensamentos como esses são frequentemente utilizadas pelos chefes e/ou superiores, os quais agem sem ética e profissionalismo. Independente do que o funcionário tenha feito ou deixado de fazer, este deve ser tratado com respeito pelo empregador.

Referência:

ZANETTI, Robson. E-Book: Assédio Moral no Trabalho. Conteúdo Jurídico, Brasília-DF: 10 mar. 2010.

________________________________

Por Leidyane Alvarenga

Leidyane Aparecida dos Santos Gomes Alvarenga, OAB/MG 174.611. Atuo na área administrativa e judicial. Judicialmente nas áreas de Direito Civil, Direito do Trabalho e Direito Previdenciário em todas as instâncias, inclusive TST, STJ e STF, confeccionando peças das mais simples às mais complexas, tais como: diversas modalidades de Petição Inicial e Contestação, Razões Finais, Recurso de Revista, Recurso Especial, Recurso Extraordinário, Contraminuta ao Agravo de Instrumento, Resposta ao Pedido de Uniformização de Jurisprudência, Embargos de Declaração para efeito de prequestionamento, dentre outras. Sou correspondente jurídica, elaboradora de pareceres técnicos-jurídicos e contratos. Contato: leidyanealvarenga.adv@hotmail.com. Acesse também: http://www.leidyanealvarenga.adv.br
Fonte: Jus Brasil

Um comentário

  1. E quando o agressor é juiz de direito da justiça estadual? Quais as chances que o assessor (vítima) teria? Para alguns, buscar uma solução na prática é muito mais difícil do que parece na teoria. E muitas vezes esse abuso é cometido na propróa "casa da justiça", provando que, de fato, ela é cega.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!