Acompanhe o novo site direitonews.com.br

Após entrar com 36 ações por danos morais, idosa tem indenização reduzida de R$ 5 mil para R$ 500

5 comentários
goo.gl/6Mz13E | Depois de entrar com 36 ações por danos morais, uma idosa de 69 anos, residente na Aldeia Moreira, em Miranda, a 200 quilômetros da Capital, teve o valor do último recurso diminuído de R$ 5 mil para R$ 500. A decisão veio por unanimidade dos desembargadores da 5ª Câmara Cível do município.

Segundo o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), Ester afirmou que a instituição financeira, teria feito descontos em sua conta por um empréstimo que ela não solicitou. A indenização chegou a ser fixada em R$ 5 mil, por realmente existir a irregularidade. O valor foi considerado excessivo, já que a mulher teria ajuizado 36 ações pelo mesmo motivo.

A autora seria aposentada e alegou, na ação, que foi ao banco saber o porquê dos descontos, ao chegar na agência ficou ciente de um empréstimo não solicitado em seu benefício. A instituição alegou que a contratação teria sido regular e que não praticou nenhum ato ilícito. E como alternativa, pleiteou a redução do valor de reparação.

Relator do recurso, o desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva, reconheceu a ilegalidade nos descontos feitos na conta da autora, e afirmou a responsabilidade do banco em indenizá-la, mas considerou o valor fixado em primeiro grau visto que a autora já teria ajuizado 35 ações pelo mesmo motivo, essa seria a trigésima sexta.

Em seu voto, o magistrado alegou que embora exista a responsabilidade civil, a situação da autora seria de deslumbramento, motivo pelo qual reduziu a reparação moral, sob pena de enriquecimento sem causa da autora, que já totaliza mais de R$ 100 mil com as ações julgadas, e não descarta que novas ações sejam ajuizadas.

O desembargador afirmou ainda, segundo o TJMS, que não se pode estimular a indústria do dano moral.  “Levando em conta esse quantitativo de demandas – e o fato de já ter a autora sido contemplada com reparação moral em 20 delas, com considerável valor, há  de se arbitrar o valor de reparação por dano moral nestes autos em R$ 500,00, valor esse que atende satisfatoriamente o caso concreto, promovendo o desestímulo da instituição financeira ré em possível reiteração da conduta abusiva, bem como a compensação devida à vítima. Posto isso, conheço do recurso e dou-lhe parcial provimento, para reduzir o valor da indenização por dano moral para R$ 500,00”, concluiu.

*(Foto meramente ilustrativa: reprodução Internet)

Ana Paula Chuva
Fonte: www.midiamax.com.br

5 comentários

  1. Não entendi a pessoa entrou com 36 processos sobre a mesma coisa é foi indenizada 35 vezes?

    ResponderExcluir
  2. Se foi realmente pelo mesmo motivo (causa de pedir) o recurso deveria ter sido provido para reconhecer a coisa julgada e extinguir o procedimento sem julgamento de merito. Pelo menos foi isso que eu aprendi na faculdade.

    ResponderExcluir
  3. Ela deve ter ingressado com uma acaopara cada contrato irregular de emprestoem consignado, o que e viavel. Se após 36 acoes o banco ainda efetua contratações irregulares, então o carater de que a conduta não se repita, não está sendo observado nas condenações. Banco deveria ser condenado em 10.000,00 por cada contrato irregular

    ResponderExcluir
  4. Se o banco sendo condenado a indenizar a idosa em 36 outros processos no valor de 5 mil reais não foi desestimulada , não será sendo condenado em R$ 500,00 que ira.

    ResponderExcluir
  5. Se é a mesma causa de pedir e as mesmas partes, não poderia haver mais de 1 ação... Algo esta estranho aí.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!