Plano de saúde vai pagar R$ 15 mil por demora em autorizar medicamento a paciente

Um comentário
goo.gl/HPaJUS | A 1ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso condenou a Unimed Cuiabá a pagar R$ 15 mil em indenizações por danos morais devido à demora para fornecer um medicamento a um paciente com câncer. De acordo com os desembargadores, a omissão agrava a situação de aflição psicológica vivenciada pelo contratante.

Nos autos, o paciente alega ter buscado autorização para o fornecimento de Tasigna, medicamento indicado para o tratamento de leucemia mieloide cronica (LMC), um tipo de câncer que leva o corpo a produzir muitas células leucêmicas.

Apesar das sucessivas tentativas de contato iniciadas em 17 de junho de 2014, a autorização foi liberada quase um mês depois, em 2 de julho. Mesmo assim, o remédio não foi entregue por suposto erro de preenchimento da solicitação pela médica. Por essa razão, o paciente só teve a medicação no dia 10 de julho.

A Unimed alega a ausência de ato ilícito no processo, visto que a medicação não foi negada, apenas houve delongas no trâmite para sua autorização. A empresa diz ainda que o caso não configurava situação emergencial.

O relator do processo, desembargador Sebastião Barbosa Farias, afirmou que a demora, no entanto, configuraria ato ilícito devido à ‘situação de gravidade’ do paciente e por essa razão cabe indenização por danos morais.

“Assim, tem-se que tal medicamento é de extrema importância para o tratamento do apelado, eis que acometido pela doença em estágio crônico, incidindo na situação de gravidade, que requer o pronto atendimento, sendo, ante a urgência da necessidade da medicação, desproporcional e desarrazoado a demora de quase um mês para liberação de medicamento, incorrendo o apelante em ato ilícito”, afirma Farias.

O magistrado, contudo, atendeu recurso da Unimed e afirmou considerar ‘mais razoável’ a indenização ser fixada em R$ 15 mil. Em julgamento de primeira instância, a Justiça determinou à empresa o pagamento de R$ 25 mil ao paciente.

Com a palavra, a Unimed Cuiabá


A reportagem busca contato com a Unimed Cuiabá. O espaço está aberto a manifestações. Nos autos, a Unimed alega a ausência de ato ilícito no processo, visto que a medicação não foi negada, apenas houve delongas no trâmite para sua autorização. A empresa alega ainda que o caso não configurava situação emergencial.

Fausto Macedo
Paulo Roberto Netto
Fonte: Estadão

Um comentário

  1. The compensation in this case turned out to be legal due to the availability of the necessary drugs. Some delay in the issuance of the delivery permit caused this.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!