Amante perde direito à pensão que dividia com viúva de funcionário público em MT

Nenhum comentário
goo.gl/9yMfWx | O Superior Tribunal de Justiça (STJ) deferiu o recurso interposto pela defesa de uma mulher que, após ficar viúva, foi obrigada a dividir o valor da pensão que recebia com a amante do marido dela, um servidor público que morreu em 2015.

Em 2017, após o Juízo de 1ª Instância negar a divisão da pensão, a amante ingressou com recurso junto ao Tribunal de Justiça e o desembargador Rubens de Oliveira entendeu que a divisão do valor seria “justa”.

Rubens de Oliveira foi relator do recurso da amante no TJMT e se manifestou favorável à divisão do valor do benefício pago pelo Instituto Nacional da Previdência Social (INSS) entre as duas mulheres.

O G1 entrou em contato com o advogado da família, Hemerson Leite de Souza, que conseguiu derrubar a decisão do desembargador junto ao STJ. Para ele, “agora sim é uma decisão justa”, já que trata-se de um caso em que a amante alegou que mantinha união estável com o funcionário público.

“Agora sim é justo, porque não é possível haver união estável se nunca houve separação. O casal vivia junto e a viúva tem o direito à pensão”, afirmou a defesa.

O G1 tenta localizar a defesa da amante.

*(Foto meramente ilustrativa: reprodução Internet)

Fonte: g1 globo

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!