'Situação bastante constrangedora', diz advogada que acusa PM e delegado de agressão

2 comentários
goo.gl/FFHDz2 | "Foi uma situação bastante constrangedora, onde eu estava no exercício da minha profissão. Não imaginei que fosse destratada, desrespeitada, como pessoa, como ser humano, mulher e como profissional, no exercício da minha função".

Assim a advogada Thalita Coelho Duran relata o episódio em que afirma ter sido agredida fisicamente e verbalmente por um policial militar e por um delegado dentro da delegacia de Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador. A vítima registrou a confusão com um aparelho celular.

Conforme a advogada, o caso ocorreu na madrugada de domingo (3), quando ela acompanhava quatro rapazes que foram presos por policiais da 81ª CIPM, sob a acusação de tráfico de drogas.

Thalita diz que, além das agressões, ainda foi ameaçada pelo policial militar e pelo delegado Giovani Paranhos Santos, plantonista da 23ª Delegacia.

"Sou advogada criminalista há oito anos e estava trabalhando nesta madrugada. O meu sócio não pode me acompanhar, porque estava no aniversário dos sobrinhos, e eu fui sozinha. Fui impedida de conduzir o flagrante da forma correta. Foi conduzido de forma arbitrária", disse, em entrevista à TV Bahia.

Thalita afirmou que foi impedida pelo delegado de conversar a sós com os clientes, antes dos depoimentos. A advogada aponta que houve arbitrariedade na condução dos presos à delegacia, feita pelos PMs, e também no procedimento realizado na unidade policial, pelo delegado.

A advogada afirmou que, após as oitivas, só teve acesso ao documento de um dos depoimentos e o delegado pediu que ela assinasse os documentos dos quatro presos, sem ler. Ao questionar sobre o procedimento, ela diz que foi agredida verbalmente, e impedida de sair da sala.

"Comuniquei a OAB, que é o órgão que representa a minha classe, e ao Ministério Público. Sou uma profissional que sempre fui bastante respeitada em todas as delegacias onde costumo trabalhar, tanto pela Polícia Militar quanto pela Polícia Civil, e isso causou bastante comoção de colegas, conhecidos e desconhecidos, promotores, juízes, alguns policiais civis, militares que conhecem a minha forma de trabalho. Causou espanto em todos o ocorrido e todos estão prestando bastante solidariedade e é isso que me conforta e dá força para continuar nessa luta. Não vamos desistir", disse.

Caso


A advogada relatou que, inicialmente, estava como representante de um dos jovens presos, mas acabou definindo com a família dos rapazes que ficaria como defensora dos quatro. Foi aí, segundo ela, que o delegado fez o primeiro insulto. "Ele disse: 'Agora você garantiu o seu honorário do fim de semana'. Eu não disse nada a ele", contou.

A advogada afirmou que, após as oitivas, só teve acesso ao documento de um dos depoimentos e o delegado pediu que ela assinasse os documentos dos quatro presso, sem ler. Ao questionar sobre o procedimento, ela diz que foi agredida verbalmente, e impedida de sair da sala.

"Ele mandou eu calar a boca duas vezes. Me xingou. Foi quando peguei o celular e disse que ia filmar. Aí ele [delegado] abriu a porta para eu sair, e o PM veio para cima de mim. O delegado ficou dizendo: 'Vamos prender ela, vamos dar um flagrante nela?'", relatou.

Thalita contou que o PM ainda a ameaçou e a empurrou, ao ver que a advogada fazia um vídeo, e chegou a apagar o arquivo do celular dela, mas ela conseguiu recuperar as imagens. "Ele [PM] disse: 'Você gravou meu rosto. Não troque as bolas não, que comigo o bagulho é diferente".

Thalita disse que, após ser agredida pelo PM, bateu em uma parede e machucou o ombro.

A advogada, que atua há 8 anos na área criminalista, acionou a Ordem dos Advogados da Bahia (OAB) e foi, acompanhada de um representante do órgão, na Corregedoria da PM, onde registrou o ocorrido. Thalita disse que vai registrar a situação também na Corregedoria da Polícia Civil.

Por meio da assessoria, a Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) informou que as Corregedorias das Polícias Civil e Militar vão apurar a denúncia.

Veja vídeo do incidente:




Por Camila Oliveira, TV Bahia
Fontes: g1 globo e www.bahianoticias.com.br

2 comentários

  1. Que absurdo. Fico muito triste, principalmente porque eu quero seguir o mesmo ramo que ela.

    ResponderExcluir
  2. Tantos erros que não dá nem pra comentar. Tenho as minhas dúvidas de que esse delegado não seja bacharel em Direito; com essa postura estranha. Quanto o PM totalmente transtornado, não era pra está aonde estava, porque desde quando A Polícia Militar participa de oitiva de preso? O procedimento foi totalmente erado, o auto de flagrante, sim ele participa por terem que mostrar os motivos pelos os quais os pacientes foram conduzido à presença da autoridade competente para tal procedimento, e somente isso. O PM fez ameaças a advogada, gravíssimo isso que ele fez, o crime foi exaurido; o procedimento contra esse agente tem que ser aplicado, ele tem que saber o que pode e o que não pode fazer, e tomou o celular da Doutora reivindicando direito de imagem, isso não existe na condição que ele estava de agente publico; muita falta de orientação.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!