Após ser absolvido, desembargador quer anular aposentadoria compulsória

Nenhum comentário
twixar.me/x8tK | O Tribunal de Justiça, em votação unânime, concluiu investigação de denúncia de corrupção, pedida pelo advogado Felisberto Córdova, contra o desembargador Eduardo Gallo, do mesmo Tribunal.

A conclusão do TJ, na última quarta (17), é de que após investigação não restou provada a existência de pedido ou pagamento de propina em troca de voto favorável em um processo.

A decisão poderá reforçar os argumentos da defesa de Gallo em processo onde busca anular a aposentadoria compulsória decretada em junho de 2018, quando foi afastado definitivamente da magistratura.

O Tribunal também decidiu encaminhar cópia dos autos à OAB/SC, para sanções disciplinares, assim como à Procuradoria Geral do Estado, para propor ação de reparação por danos morais coletivos e ao Ministério Público, para apurar a existência de crimes.

O vídeo da sessão onde o advogado denuncia que Gallo teria recebido R$ 500 mil para votar contrário em uma ação repercutiu nacionalmente. O episódio ocorreu em agosto de 2017.

Gallo está afastado do Tribunal desde o episódio e teve aposentadoria decretada, em junho de 2018, por falta de decoro e comportamento antiético.

Além de tentar o retorno, através de seu advogado, Nilton Machado, Gallo alega que foi prejudicado em nível nacional e vai entrar com ação de reparação de danos contra o advogado.

Por Fábio Bispo | Interino
Fonte: ndmais.com.br

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!