Acompanhe o novo site direitonews.com.br

Opinião: Em defesa do Exame de Ordem da OAB – Por Maria José Soares Bonetti

4 comentários
bit.ly/2VTX4GX | O início do novo governo trouxe à tona a velha e superada polêmica em torno da obrigatoriedade do Exame de Ordem. Velha porque a grita de uns poucos pelo fim do Exame não é nova. O tema retorna às luzes praticamente todo início de legislatura no Congresso Nacional. O próprio presidente Bolsonaro foi um defensor de sua extinção nos últimos 10 anos. E superada porque, ao longo das últimas décadas, o assunto já foi debatido e revisitado à exaustão, sendo defendido por inúmeras entidades da sociedade civil relacionadas à advocacia, bem como praticamente todos os principais expoentes da profissão.

Sobre esse aspecto, é importante fazer a defesa da própria Ordem dos Advogados do Brasil. Não raramente a nossa entidade é acusada de operar interesses corporativos, de reserva de mercado. O argumento, por si só, é falacioso, na medida em que a principal fonte de recursos da OAB é justamente a contribuição regular dos advogados inscritos. Logo, facilitar o acesso dos profissionais, do ponto de vista fisiológico-financeiro, traria mais benefícios à entidade.

Não foi por isso que o Exame foi criado, em 1970. Já havia, naquele tempo, uma grande preocupação com a qualidade do ensino, com a proliferação descontrolada de faculdades de Direito e a necessidade de estabelecer um mecanismo que garantisse aos recém formados o domínio de um conjunto de habilidades e conhecimentos mínimos necessários ao exercício da advocacia.

É preciso ressaltar que não existe uma “faculdade de advocacia”. O curso de Direito forma bacharéis, cuja qualificação que permite prestar concursos públicos – e portanto examinar seus conhecimentos – para seguirem diversos ofícios, tais como delegados de carreira, a magistratura, a defensoria pública, o Ministério Público entre outros. Eles podem, inclusive, prestar o exame da Ordem dos Advogados do Brasil, para, aí sim, advogar.

A Constituição Federal destaca a advocacia como função essencial à administração da Justiça (artigos 127 a 133), elevando-a ao mesmo patamar dos serviços públicos essenciais para o funcionamento do estado e exercício da cidadania. Logo, se para os demais serviços é necessário um concurso público garantidor da isonomia de conhecimentos e condições, porque não para o exercício da advocacia?

Diversos outros países adotam a mesma prática de examinar seus recém formados antes de permitir o exercício da advocacia. Estados Unidos, França, Inglaterra, Japão, Itália e Alemanha são alguns exemplos, alguns com etapas mais rigorosas do que a prática brasileira.

A história da nossa entidade é, antes de tudo, uma história de defesa da cidadania, da democracia e dos direitos constitucionais. Permitir que o exercício da advocacia seja praticado por profissionais que ainda não atingiram o nível de maturidade e conhecimento necessários para serem aprovados no Exame de Ordem, significaria rasgar essa história. É fazer pender a balança da Justiça em desfavor daqueles que mais necessitam.

_____________________________________

* Maria José Soares Bonetti é advogada, professora, presidente da OAB Osasco – 56ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil
Fonte: www.visaooeste.com.br

4 comentários

  1. Só podia ser do quadro da OAB.
    E O ESTUDANTE QUE TERMINA A FACULDADE DEVENDO AO GOVERNO O FIES, COMO QUE ELE COMEÇA A PAGAR OS SEUS ESTUDOS FINANCIADO PELO GOVERNO, SE ELE TEM 1 ANO E MEIO DE CARÊNCIA, E É IMPEDIDO PELA OAB DE TRABALHAR POR NAO TER PASSADO NO MALDITO, PERVESSO EXAME DA ORDEM ,ELE FICA INADIMPLENTE, COM O NOME NO SERESA E EM OUTROS ORGÃOS, FICA COM A VIDA AMARRADA,NÃO ADIANTOU 5 ANOS EM UMA FACULDADE , TEMPO PERDIDO E DINHEIRO GASTO AO LONGO DESTE TEMPO, O MERCADO É COMPETITIVO GANHA DINHEIRO OS MELHORES, NÃO SERIA A OAB A MEDIDIR CAPACIDADE DE NENHUM FORMADO EM DIREITO,QUEM DIZ É MERCADO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Problema dele. Quando entrou na faculdade não sabia que teria que passar na prova? Escolhesse outra formação, não adianta querer entrar pela janela sem qualificação

      Excluir
  2. Essa OAB foi extinta pelo Dec n° 11/91, tem que denunciar esses usurpadores na COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS CIDH, o exame fere o PACTA SUNT SERVANDA fere TRATADOS INTERNACIONAIS estamos diante de um crime fim da OAB.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pacta sunt servanda? Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir

Agradecemos pelo seu comentário!