Acompanhe o novo site direitonews.com.br

E se o procurador Deltan Dallagnol fosse advogado? Artigo de Murilo Medeiros Marques

2 comentários
bit.ly/2KFcBIS | Os diálogos vazados e que supostamente pertencem a Sergio Moro e Deltan Dallagnol, têm tomado conta das discussões nos grupos de WhatsApp, nas mesas de bar e até mesmo no Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal.

Aqueles que defendem o atual Ministro da Justiça e o Procurador, sustentam que as conversas, em sendo verdadeiras, não passam dos famosos “embargos auriculares”, ou seja, a famosa conversa com tentativa de mero convencimento entre a parte e o julgador, muito habitual nos Tribunais de todo o Brasil.

Vemos, todos os dias, nos corredores dos fóruns, Advogados despachando seus pedidos com Magistrados sem a presença da outra parte ou do outro Advogado. Logo, qual é o problema na troca de mensagens feitas entre o Moro e o Deltan?

Os Advogados, assim como os Procuradores, têm todo o direito (e até o dever) de defenderem suas teses e tentarem convencer o Juiz da causa de que seus pedidos merecem atendimento. Ocorre que existe um grande distanciamento entre o Magistrado receber em seu gabinete um advogado defendendo sua tese e um Magistrado que, SUPOSTAMENTE, troca mensagens através de seu celular particular com um Procurador discutindo estratégias para a demanda a ser ajuizada e as medidas a serem adotadas.

E o caso exigia maior cuidado ainda, eis que se trata de caso único em trâmite pela Vara Federal do Magistrado em questão e de grande repercussão nacional, envolvendo as maiores empresas do País e inúmeros políticos com grande projeção nacional. Portanto, no caso, todo cuidado seria pouco.

E o que é pior, como dito, é que o teor dos diálogos fogem da simples tentativa de convencimento do Magistrado.

Mas o enfoque aqui é outro. A pergunta que não quer calar, no caso, é a seguinte: E se o Dallagnol fosse advogado? E se as conversas vazadas não fossem com Dallagnol, mas sim com o advogado Cristiano Zanin?

Caso os famosos criminosos hackers tivessem vazado conversas do Magistrado SUPOSTAMENTE orientando o Advogado a trocar os advogados componentes de sua Banca que participariam do depoimento, ou, ainda, orientando o advogado a não seguir um caminho “pois melindra alguém cujo apoio é importante”?

Qual seria a reação do Ministério Público Federal se fosse o advogado tratando do caso com o Magistrado? Será que o Advogado continuaria em liberdade?  Será que o Parquet estaria preocupado com a legalidade das quebras de sigilo? Será que a acusação estaria preocupada com a veracidade das conversas? Será que haveria pedido de prisão imediata do Advogado?

Quem atua na advocacia criminal sabe que em 99% dos casos a única dúvida do MPF seria: “peço a prisão preventiva ou a temporária”? Ou seja, se o figurante fosse um advogado, por certo ele sairia preso da “brincadeira”, afinal, o MPF é o arauto da moralidade e não poderia permitir tamanha “promiscuidade”.

E se o Magistrado fosse o responsável direto pela Polícia Federal, será que a Associação Nacional dos Procuradores da República recomendaria, ou exigiria, seu afastamento a fim de que as investigações acerca da veracidade das mensagens não ficassem aquém das investigações sobre os criminosos que invadiram e divulgaram conversas particulares? Tenho certeza que as medidas seriam outras. Tenho certeza que o advogado e o magistrado teriam suas vidas viradas ao avesso a pedido do MPF.

Como o protagonista da história é um membro do MPF com grande visibilidade pública, o que se vê é uma verdadeira “operação abafa”.

Na visão do MPF, os advogados são “os bandidos que defendem bandidos”, e os ilustre Procuradores são “os mocinhos que prendem bandidos”.

Sendo assim, tudo continuará na mesma e quem ousar falar qualquer coisa ao contrário, ou é esquerdista ou a favor da corrupção.

Saudosos tempos em que os Advogados eram, realmente, indispensáveis à administração da justiça e sua petições eram lidas e eles eram tratados em igualdade com o MP nos processos.

Murilo Medeiros Marques – Advogado Criminalista no MS

2 comentários

  1. Belo artigo. Demonstrou cautela em tratar de um tema tão controverso em tempos de extremos.

    ResponderExcluir
  2. Pertinente, bem pontuado, ótima observação, independente se foi ou não ao Brasil, mas tecnicamente e na prática a observação e muito adequada. E a OAB ? O que faria com o advogado? E como a OAB está se posicionando ? Precisamos defender a democracia e principalmente a igualdade e respeito a este nobre ofício, diga se, escudo da sociedade e da democracia . Minhas saudações Dr.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!