Juíza contraria STJ, decreta prisão preventiva de Galo e bloqueia acesso da defesa ao processo

Via @brasildefato | Mesmo após o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Ribeiro Dantas, ter revogado a prisão do paulistano e entregador de aplicativo Paulo Roberto da Silva Lima, conhecido como Galo, às 12h desta quinta-feira (5), a juíza Gabriela Marques Bertoli, do Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo, determinou a prisão preventiva do ativista. A informação é da defesa do ativista.

A prisão preventiva de Galo e outros dois investigados por envolvimento no incêndio ao monumento foi solicitada pela Polícia Civil.  A libertação do líder dos entregadores de aplicativos, Paulo Galo, estava prevista para esta quinta-feira (5), às 18 horas, de acordo com a decisão do STJ.

"Esse novo pedido de prisão não tem fundamento jurídico, como não tinha anteriormente. Trata-se mais uma vez de uma prisão política, sem qualquer base no ordenamento jurídico brasileiro", afirmou Jacob Filho, advogado de Galo, antes da decisão da juíza.

Segundo Jacob Filho, a juíza retirou o acesso da defesa ao processo, o que não tem nenhuma previsão legal. “Nem a gente sabe o que está acontecendo”, afirmou o advogado que tem o alvará de soltura determinado pelo ministro do STJ em mãos.

O Brasil de Fato entrou em contato com o Tribunal de Justiça de São Paulo. Mas, até o momento, não houve retorno sobre os questionamentos enviados.

Fonte: brasildefato.com.br

O que você achou desse conteúdo? Participe com sua Reaction abaixo:

0/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima