Polícia conclui que queda de rocha em Capitólio foi “evento natural”

Via @metropoles | A Polícia Civil informou, durante coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira (4/3), não ter encontrado responsáveis pela queda da rocha em Capitólio, Minas Gerais, que provocou 10 mortes no dia 8 de janeiro. A corporação concluiu que o ocorrido se trata de um “evento natural”.

“Nós averiguamos eventuais irregularidades do empreendimento, mas essas irregularidades não estão conexas com o tombamento da placa rochosa, se houvesse indiciaríamos responsáveis pelos 10 homicídios, o que não ficou comprovado”, afirmou o delegado regional de Passos, Marcos Pimenta.

Apesar de não ter indiciado ninguém, a corporação desenvolveu 10 sugestões a serem encaminhadas às autoridades competentes pelo licenciamento e fiscalização da região para promover a melhoria da segurança.

Entre as medidas, destaca-se a redução do número de embarcações permitidas, o mapeamento das zonas de risco, o uso obrigatório de coletes salva-vidas e a proibição de passeios turísticos devido a advertências da Defesa Civil.

A tragédia ocorreu quando o estado sofria com chuvas intensas e tinha 145 cidades em situação de emrgência. A Polícia Civil de Minas Gerais identificou todas as 10 vítimas do desabamento.

São elas: Júlio Borges Antunes, de 68 anos, natural de Alpinópolis (MG); Camila Silva Machado, 18, de Paulínia (SP); Mykon Douglas de Osti, 24, de Campinas (SP); Sebastião Teixeira da Silva, 64, de Anhumas (SP); a esposa dele, Marlene Augusta Teixeira da Silva, 57, de Itaú de Minas (MG); Geovany Teixeira da Silva, 37; Geovany Gabriel Oliveira da Silva, 14; Thiago Teixeira da Silva Nascimento, 35; Rodrigo Alves dos Anjos, 40, de Betim (MG); e Carmem Pinheiro da Silva, 43.

Fonte: metropoles.com

O que você achou desse conteúdo? Participe com sua Reaction abaixo:

0/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima