Advogado finge ser analfabeto e se matricula em supletivo para abusar de jovens

Via @portalr7 | Na cidade de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, um advogado de 60 anos fingiu ter os estudos incompletos e se matriculou em um supletivo para se aproximar de jovens e abusar sexualmente delas.

De acordo com o delegado Nilson Pereira, o idoso atraía adolescentes com o pretexto de oferecer serviços de faxina às jovens. Então, elas compareciam na casa do suspeito e ele se aproveitava da aproximação para oferecer dinheiro e presentes em troca de favores sexuais. 

O advogado se matriculou no EJA (Educação de Jovens e Adultos) em 2019, afirmando que não havia completado o ensino fundamental. Como o EJA tem uma política de facilitar a entrada de todos no programa, o idoso começou as aulas facilmente.

“Se aproveitando dessa brecha da matrícula, ele se matriculou omitindo a informação de que já era advogado. [...] Mas a intenção dele mesmo era se aproximar de possíveis vítimas", conta o delegado.

Segundo a investigação, foram três vítimas menores de idade e uma de 18 anos. A jovem afirma que o suspeito a teria agarrado e passado as mãos no corpo dela. Por isso, ele também está sendo indiciado por estupro.

A polícia investiga se ele já tinha antecedentes criminais em outros estados. O advogado foi indiciado por exploração sexual de menores e estupro.

Fonte: noticias.r7.com

0/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima