Desembargador que criticou mulheres diz que “não teve intenção de menosprezar”

desembargador criticou mulheres diz nao teve intencao menosprezar
[ Assista AQUI ]  Via @portalmigalhas | "Esclareço que nunca houve a intenção de menosprezar." Assim afirmou o desembargador Luis Cesar de Paula Espindola, do TJ/PR, em nota, após repercutir vídeo de julgamento em que ele afirma que "as mulheres estão loucas atrás dos homens".

Ao tratar de um caso de medida protetiva a menina de 12 anos que se sentiu assediada por professor, o magistrado criticou o "discurso feminista", dizendo que hoje quem está correndo atrás de homem são as mulheres.

Na nota (íntegra abaixo), publicada no site do Tribunal, ele disse que sempre defendeu a igualdade entre homens e mulheres.

O Tribunal, por sua vez, emitiu outra nota dizendo que "não endossa os comentários" feitos pelo magistrado, e que foi aberta investigação preliminar no âmbito da Corte.

Por fim, a Comissão de Igualdade e Gênero do TJ/PR emitiu uma terceira nota em repúdio ao "lamentável episódio"; e que, "certamente em defesa do assediador", imputou às mulheres a prática generalizada do "assédio aos homens".

"O episódio mencionado revela o quão ainda estão internalizados neste segmento específico da sociedade brasileira, opiniões preconceituosas, conceitos misóginos, hábitos discriminatórios, desrespeitosos e até predatórios contra pessoas do gênero feminino, crianças, adolescentes e adultas".

Vale lembrar que este mesmo desembargador já foi condenado, em 2023, pela lei Maria da Penha, por violência doméstica contra a irmã e a mãe.

Veja a íntegra das notas:

Nota pública do desembargador Luis Cesar de Paula Espindola

Esclareço que nunca houve a intenção de menosprezar o comportamento feminino nas declarações proferidas por mim durante a sessão da 12ª Câmara Cível do Tribunal, afinal, sempre defendi a igualdade entre homens e mulheres, tanto em minha vida pessoal quanto em minhas decisões. Lamento profundamente o ocorrido e me solidarizo com todas e todos que se sentiram ofendidos com a divulgação parcial do vídeo da sessão. 

Desembargador Luis Cesar de Paula Espindola.

Nota pública de esclarecimento do TJPR

O Tribunal de Justiça do Estado do Paraná vem a público esclarecer que não endossa os comentários feitos pelo Desembargador Luis Cesar de Paula Espindola durante sessão da 12ª Câmara Cível do Tribunal no dia 3 de julho de 2024.  

Já foi aberta investigação preliminar no âmbito desta corte, com base na Resolução 135 do CNJ, e o desembargador terá prazo de 5 dias para se manifestar.

O Tribunal reitera que não compartilha de qualquer opinião que possa ser discriminatória ou depreciativa, como, aliás, é próprio de sua tradição e história de mais de 132 anos.

Nota técnica da comissão de igualdade e gênero do TJPR

A Comissão de Igualdade e Gênero, no exercício da competência e responsabilidade que lhe atribuiu o Artigo 2º , Incisos  II e VI do  Decreto Judiciário Nº 546/2021,  vem manifestar-se sobre o lamentável episódio protagonizado pelo desembargador Luís César de Paula Espíndola na sessão Julgamento por Videoconferência da 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) na última quarta-feira, 3 de julho de 2024, testemunhado pelos demais presentes e registrado nos canais utilizados pelo Tribunal de Justiça do Estado do Paraná para ampliar a transparência e publicidade do trabalho de prestação jurisdicional.

O Inciso II dispõe que compete a Comissão "promover a conscientização, no âmbito interno, para a necessidade de respeito à diversidade, visando à erradicação de preconceitos e práticas discriminatórias;" e o Inciso VI lhe impõe a responsabilidade de "identificar eventuais manifestações de preconceitos e práticas discriminatórias no âmbito interno do Poder Judiciário do Paraná e propor medidas visando eliminá-las;".

Em sua manifestação a o final da votação de um recurso que tratava de um caso de assédio praticado por um professor contra uma aluna de 12 anos de idade, o desembargador Luís César de Paula Espíndola afirmou que "as mulheres estão loucas atrás dos homens" e, certamente em defesa do assediador, imputou às mulheres a prática generalizada do "assédio aos homens", comportamento que diz enxergar no dia a dia da sociedade.

O episódio mencionado revela o quão ainda estão internalizados neste segmento específico da sociedade brasileira, opiniões preconceituosas, conceitos misóginos, hábitos discriminatórios, desrespeitosos e até predatórios contra pessoas do gênero feminino, crianças, adolescentes e adultas, reduzidas a condição de seres de segunda classe e, neste caso, de ameaças o livre exercício da masculinidade dos "cidadãos de bem".

Tal pensamento altamente discriminatório e desrespeitoso com as mulheres é totalmente incompatível com a dignidade e solenidade de uma Sessão de Julgamento, especialmente por expressar a injustificada ignorância sobre o protocolo para julgamento com perspectiva de gênero, de cumprimento obrigatório pelos Magistrados e Tribunais, além do desprezo e desrespeito pelas colegas Desembargadoras, servidoras e demais mulheres presentes naquele ambiente físico e virtual.

Atitudes desse tipo não podem ser toleradas no ambiente de trabalho presencial ou virtual desta Corte de Justiça, já que afeta negativamente a credibilidade, austeridade e solenidade que os jurisdicionados esperam ver encarnadas nas pessoas dos magistrados e magistradas e em suas atitudes, posturas e comportamentos.

A Comissão de igualdade e Gênero, que é integrada por magistradas, magistrados, servidoras e servidores, repudia o ocorrido e lamenta o conseqüente constrangimento que se estendeu a toda a magistratura paranaense e ao corpo funcional do TJPR, esperando que, enquanto coletividade, tenhamos a grandeza de reafirmar publicamente nosso compromisso sincero com a promoção das mudanças de mentalidade e comportamento que nos aproximarão cada vez mais da imagem positiva e respeitável que o Poder Judiciário tem e precisa preservar no imaginário da sociedade.

Curitiba, 04 de julho de 2024.

Desembargadora Maria Aparecida Blanco de Lima

Presidente da Comissão de Igualdade e Gênero do Tribunal de Justiça do Paraná

Assista e comente no Instagram:

Fonte: https://www.migalhas.com.br/quentes/410727/desembargador-que-criticou-mulheres-diz-que-nao-quis-menosprezar

1/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

  1. My heartfelt thanks go to Geometry Dash Wave the author for their dedication and commitment in crafting this extraordinarily detailed and insightful article.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima