Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Se você tem ou quer ter tatuagem, não deixe de ler esse artigo! (Parte 3) - Por Diorgeres Victorio

goo.gl/NRfeHo | Mais um artigo sobre tatuagens, continuando os anteriores (AQUI e AQUI). Para ilustrar melhor como é feita a tatuagem na prisão, olhem só um modelo de “maquininha de tattoo de cadeia”:



Se observarem com atenção, poderão ver que é utilizado um tubo de caneta esferográfica. É, os presos são bastante criativos com os objetos que possuem no cárcere.

1) SEPULTURA



Na verdade, essa tatuagem apresenta variações. Pode significar que o preso é uma pessoa de muita confiança, capaz de guardar segredos inclusive quando torturado.

Mas, quando apresentar números, pode se referir à quantidade de homicídios que o detento praticou. Pode ainda representar um criminoso que tem o “corpo fechado”. Também encontrado nos homicidas.

2) CAVEIRA COM PUNHAL ATRAVESSADO



Rotulada mais como matador de policiais e também “latrocida” como eles dizem “Latrô” (aquele que praticou latrocínio – art. 157, § 3, CP).

3) SACI PERERÊ



Pelo cachimbo, alguns leitores já devem ter pensado que tem relação com as drogas. E é isso mesmo. Quem as usa é conhecido como traficante ou usuário de drogas.

4) COBRA ENROLADA EM PUNHAL



Representa um traidor, uma pessoa não confiável (“cagueta”, ou língua-preta na cadeia). Vejamos a lógica da imagem: é um réptil enrolado em uma arma branca, ou seja, um ser que consegue se movimentar pela arma branca sem se ferir. É o mesmo caso do “informante”: ele vive ao meio dos criminosos e, mesmo no meio deles, consegue muitas vezes entregar “os irmãos” sem correr risco de morte. Pessoa de muita destreza na arte da “entrega”.

5) MULHER NUA



Indica quem é usuário de drogas injetáveis. Inclusive, me recordo bem, havia um preso que possuía uma ferida no local que representava a vagina no desenho. Ele tinha escolhido aquele local para tomar os seus “picos”.

Semana que vem daremos continuidade ao tema com um novo artigo.

Por Diorgeres de Assis Victorio
Fonte: Canal Ciências Criminais

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!