Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Confira leituras que valem por um diploma: 7 livros que ensinam mais do que um curso de MBA

goo.gl/aDemss | “As lições destes livros têm mais valor prático e de aplicação imediata do que anos de discursos teóricos e apresentações maçantes pelas universidades do mundo”, diz o fundador e presidente da consultoria dbBS Business Solutions, Deni Belotti.

E a frase parte de um partidário ferrenho dos estudos acadêmicos formais, como ele mesmo se define. “Sempre fui um defensor e praticante compulsivo da formação acadêmica de alto nível e, dentro do possível, realizada de uma maneira coordenada com a carreira”, diz.

No entanto, a velocidade das mudanças e o protagonismo atual de ambientes criativos e dinâmicos no contexto dos negócios têm colocado, de acordo com Belotti, em dúvida a eficácia - mensurável, diz - de cursos de extensão, como pós-graduações e MBAs, que se proliferam com o passar dos anos.

Assim, é sob este cenário que o especialista recomenda a leitura destes sete clássicos sobre gestão. Confira, nas fotos, quais são.

“Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas”



“Cerca de 15% do sucesso financeiro de alguém se deve ao conhecimento técnico e 85% à personalidade e à habilidade de liderar pessoas”, escreveu Dale Carnegie no livro. “O autor foi mágico em fazer o público gostar dele. Além de vender dezenas de milhões de cópias de seu livro em todo o mundo, ele abriu as portas de seus programas educacionais, os quais prometiam sucesso profissional e felicidade”, diz Belotti que leu o livro dezenas de vezes.

O que o livro ensina: como sair de uma rotina mental estagnada, conceber novas ideias e novas visões, além de auxiliar a manter um modelo mental positivo de forma a despertar entusiasmo e inspiração naqueles que estão à sua volta, segundo Belotti.

Autor: Dale Carnegie.
Ano: 1936.

“O Gerente Minuto”



“No livro, os aspirantes a bons administradores são avisados a “visar um empregado fazendo a coisa certa” e a reforçar seu bom comportamento com um minuto de elogios. Más ações devem ser igualmente apontadas e punidas com um minuto de represálias”, diz Belotti.

O que o livro ensina: o que significa ser um bom gerente. “Se há uma definição melhor e mais simples sobre isso, eu ainda não encontrei”, diz. O livro, segundo o consultor, contém mais sabedoria a respeito de negócios do que uma dúzia de bibliotecas completas de estudos acadêmicos.

Autores: Kenneth Blanchard e Spencer Johnson.
Ano: 1982.

“Gerenciando o Lado Humano da Empresa”



O autor, Douglas McGregor, revolucionou os recursos humanos pensando em duas formas que gestores enxergam empregados. “A Teoria X assume que trabalhadores são inerentemente preguiçosos A Teoria Y assume que eles são motivados por si mesmos”, diz Belotti. O consultor explica que, ao questionar a Teoria Y, o autor inclina-se à ideia de que a gestão deve fazer com que o ambiente de trabalho dê condições para que as pessoas queiram desempenhar bem suas atividades.

O que o livro ensina: “Ao contrário da maioria dos livros técnicos, nos quais modelos de gestão empresarial são apresentados como fórmulas mágicas, esta obra coloca os modelos em segundo plano e ressalta o sujeito e os conflitos decorrentes das relações interpessoais nas instituições”, diz Deni Belotti. Exemplos concretos, estudos de casos e até conceitos filosóficos propostos por Italo Calvino - como a leveza, a rapidez, a exatidão, a multiplicidade e a consistência – estão na obra. “Tudo com uma linguagem simples e direta”, diz o consultor.

Autor: Douglas McGregor.
Ano: 1960.

“A Era da Irracionalidade”



“Este livro teve poderosa influência no que mais tarde viria a ser chamado de pensar fora da caixa”, diz Deni Belotti. É que o então professor visitante na Escola de Negócios de Londres descreveu as mudanças que se faziam necessárias a partir das transformações sociais. “Novas tecnologias e o decréscimo nas posições da carga horária integral, além de outras mudanças, requeriam o abandono das regras estabelecidas e tentativas com novas maneiras de trabalho”, diz Belotti.

O que o livro ensina: o livro aborda a ideia da organização sistêmica como elemento capaz de gerar aprendizado e, consequentemente, autodesenvolvimento. A ideia do autor é que as empresas sejam lugar de aprendizado em que pessoas possam crescer à medida que trabalham.

Autor: Charles Handy.
Ano: 1989.

“Inteligência Emocional”



O que está em jogo quando pessoas que QI alto tropeçam e aqueles com QI modesto surpreendem? Esta é a pergunta que o autor propõe para trazer à tona qualidades como autocontrole, persistência e motivação, bases da inteligência emocional. “Sem elas, escreve Goleman, carreiras seriam desnecessariamente jogadas no lixo”, diz Belotti. No livro, o autor explica ainda que a inteligência emocional pode ser desenvolvida.

O que o livro ensina: “Uma teoria revolucionária que redefine os conceitos de inteligência”, diz Belotti. A partir de exemplos de casos do cotidiano o livro mostra a importância de saber lidar com as emoções, quesito essencial para o desenvolvimento da inteligência de qualquer indivíduo.

Autor: Daniel Goleman
Ano: 1995

“Marketing de Guerrilha”



O termo guerrilha refere-se às táticas de mobilidade e ocultação utilizadas por pequenos exércitos para vencer tropas maiores e com maior poder bélico, diz Belotti. O sucesso da guerrilha está na mobilidade e no efeito surpresa que rendem ataques quase sempre pelos flancos ou pela retaguarda, seguidos de retirada estratégica para locais de difícil acesso.

Transposto para o contexto de negócios, o conceito de marketing de guerrilha, criado pelo publicitário Jay Conrad Levinson, remodelou a maneira de pensar em pequenas companhias em relação a como se promover.

“Antes, companhias muitas vezes usavam enormes e caras ações de marketing. Para as companhias menores que desejavam competir Levinson defendeu a ideia da preponderância do cérebro sobre os músculos”, diz Belotti. O marketing de guerrilha foi a base para construção dos princípios de buzz marketing, segmentação de mercado, mídias não convencionais, criatividade e mídia espontânea.

O que o livro ensina: “uma estratégia composta de diversas ferramentas que permitem ter os seus dispositivos reconfigurados no tempo e espaço, de acordo com a realidade, os recursos e as intenções do anunciante”, diz Belotti.

Autor: Jay Conrad Levinson.
Ano: 1984.

“O Maior Vendedor do Mundo”



O livro conta a história de Hafid, um humilde guardador de camelos que fica muito rico. “É um guia clássico da filosofia do vendedor”, diz Belotti. O autor mostra que satisfação e bem-estar são resultantes do (re)encontro com sua verdadeira essência. A partir daí, os benefícios de ordem material se transformam em consequência lógica.

O que o livro ensina: “Se você não pode vender suas ideias, seu produto ou seus serviços, você nunca será bem sucedido nos negócios. Você não pode ser bem sucedido nos negócios se não for bem-sucedido na vida”, diz Belotti.

Autor: Og Mandino.
Ano: 1968.

Fonte: Exame

Após 10 anos e 30 reprovações, jovem realiza sonho e consegue vaga na Polícia Federal!

goo.gl/zL8k94 | O mantra “quem acredita, sempre alcança” se encaixa muito bem na história de Gabriela Melo, de 30 anos, que sonhava com uma vaga na Polícia Federal. Ela demorou 10 anos e teve 30 reprovações em concursos públicos até conseguir passar e assumir o cargo de agente administrativo da PF, em 2014. Foram mais de 32 mil candidatos para 23 vagas de nível médio, uma concorrência média de 1.399,35 candidatos por vaga.

“Só quem já passou por isso sabe o que é ver seu nome no Diário Oficial. É o aplauso público por toda sua luta e sofrimento que ninguém vê. Fui aprovada por esses 10 anos de estudo e esforço. Pensei em ligar para todo mundo e fiquei paralisada”, lembra Gabriela. Após a divulgação do resultado final, ela demorou seis meses para ser convocada para a posse.

Entre todas as seleções, ela foi chamada para assumir três cargos. Entre as 30 reprovações estão: Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Federal, Polícia Civil do Distrito Federal, Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev), Agência Nacional do Cinema (Ancine), Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Petrobras e Ministério do Trabalho.

Com formação técnica em informática, ela fez seu primeiro concurso em 2004 para o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), mas não passou. A primeira aprovação veio em 2007 como cabo na Marinha, na especialidade de técnico em informática. “A Marinha foi um grande marco na minha vida porque me deu condição de pagar a minha faculdade e ajudar meus pais. Não tinha tempo e eu tive que escolher entre dormir e estudar”, lembra.

Em 2013, Gabriela seria promovida a sargento, mas resolveu deixar a carreira militar para ir atrás de seu sonho pela PF. Ela conversou com seus pais e voltou para casa. “Fiquei em casa, desempregada e estudando. O sonho de consumo era a Polícia Federal e larguei tudo para apostar nisso”.

Nesse período, ela fez o concurso da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Civil do Distrito Federal, mas foi reprovada na prova discursiva. Depois disso, veio o concurso da Polícia Civil do Rio de Janeiro e Gabriela sofreu uma lesão na coluna. “Fiquei 6 anos na Marinha e engordei 20 kg. Quando emagreci e estava alcançando os índices pedidos nos testes de aptidão física (TAF), me lesionei e reprovei”.

Já em 2014, quando ela já tinha voltado a treinar veio outro problema de saúde: pedras na vesícula. Ela não poderia fazer seleções que tivessem teste físico, então viu no concurso para agente administrativo da Polícia Federal, que não tem TAF, uma oportunidade, alcançando sua aprovação depois de 10 anos de estudo.

Logo depois, Gabriela também foi aprovada no cargo de agente administrativo no Ministério do Trabalho, mas não pretende mudar. “Penso em trocar de cargo dentro da Polícia Federal mesmo”, conta.

Técnicas de estudo

Segundo Gabriela, quando seu estudo começou, em 2004, não tinha organização e direcionamento. “Hoje eu vejo porque demorei tanto para passar”, ressalta. Mesmo assim, ela não deixou a preparação de lado durante as longas jornadas de trabalho na Marinha e a faculdade.

Quando o estudo se tornou seu foco principal, em 2013, Gabriela fez uma programação semanal com 6 aulas por dia, mais treinamento físico. Ela estudava cerca de três disciplinas por dia e a carga horária variava de acordo com a dificuldade. Português, matemática e raciocínio-lógico foram as disciplinas mais difíceis.

Gabriela estudava, em média, 10h por dia, mas chegou até a 12h. Mas, segundo ela, iniciar com uma média de 4h por dia é uma boa opção. Resumos, mapas mentais de conteúdo, revisão de conteúdo e de questões também fizeram parte da sua estratégia.

“Eu já era acostumada a uma rotina intensa e só troquei uma pela outra. Mas a preparação tem que ser como uma academia, começando com uma série leve e ir aumentando”. Um mês antes da prova, ela recomenda manter o foco em revisão e resolução de questões de provas anteriores da banca.

*Notícia servindo aqui apenas como curiosidade

Fonte: G1

Juiz multa mulher por entrar com ação por suposto prejuízo de apenas R$ 2

goo.gl/93Kyni | O juiz Ricardo de Guimarães e Souza, da comarca de Orizona, julgou improcedente os pedidos de danos morais feitos por Célia Maria Branco Gillete Miguel da Silva, por suposto prejuízo de R$ 2, referente à taxa de utilização de estacionamento num Hipermercado Extra. A autora da ação ainda terá de pagar multa, no valor de um salário mínimo, devido à litigância de má-fé.

Célia processou o Auto Park Estacionamento Rotativo e o Hipermercado Extra alegando que foi cobrada pelo estacionamento, mesmo tendo consumido dentro do estabelecimento. Ela disse que não realizou compras especificamente no Hipermercado, mas que adquiriu produtos de uma farmácia e consumiu em um restaurante, ambos no interior do prédio do Extra. Ela pediu a condenação da empresa em R$ 20 mil, por danos morais.

Ricardo de Guimarães e Souza informou que o suposto prejuízo de R$ 2 não promove abalo de ordem moral, não condizendo com a realidade dos dias de hoje. Asseverou ainda que a quantia pedida a título de danos morais caracterizaria enriquecimento ilícito, considerando má-fé da parte autora entrar com a ação no judiciário.

“Mesmo admitindo o descumprimento contratual, entendo que somente deve ser reputado como dano moral a dor, vexame, sofrimento ou humilhação que, fugindo à normalidade, interfira intensamente no comportamento psicológico do indivíduo, causando-lhe aflições, angústia e desequilíbrio em seu bem-estar. Mero dissabor, aborrecimento, mágoa ou sensibilidade exacerbada estão fora da órbita do dano moral, porquanto tais situações não são intensas e duradouras, a ponta de romper o equilíbrio psicológico do indivíduo”, afirmou o magistrado.

Fonte: emaisgoias

Pedido de cassação de Aécio é arquivado; OAB diz que decisão é um 'deboche'

goo.gl/8793g9 | O pedido de cassação de mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG) por quebra de decoro parlamentar foi arquivado, nesta sexta-feira (23/6), pelo presidente do Conselho de Ética do Senado Federal, João Alberto Souza (PMDB-MA).

Para a Ordem dos Advogados do Brasil, a ação de Souza é um "deboche" com a sociedade e uma "agressão" ao Estado Democrático de Direito.

O parlamentar, porém, sustentou que a representação contra Aécio feita pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) foi negada por “falta de provas”. Os integrantes do colegiado têm, agora, dois dias úteis para recorrer da decisão e precisam do apoio de pelo menos cinco membros do colegiado para que o recurso seja apreciado.

Rodrigues entrou com o pedido de cassação poucos dias após Aécio ser alvo da delação da JBS. O dono da empresa, Joesley Batista, gravou escondido uma conversa com o parlamentar mineiro em que ele pede ao empresário R$ 2 milhões sob o argumento de que precisava de dinheiro para pagar sua defesa em outros processos da “lava jato”.

Por meio de nota, o presidente do Conselho Federal da OAB, Claudio Lamachia, afirmou que a decisão de Souza “frustra as expectativas de que o Congresso se paute pelos valores da transparência e da legalidade”. E foi além: “O arquivamento também lança dúvidas e especulações sobre eventuais acordos que possam estar sendo feitos nas sombras".

Dentro do contexto atual, ressaltou o presidente da entidade, é imprescindível que o processo tenha curso do conselho, até para que Aécio “preste os esclarecimentos necessários, exercendo seu direito de defesa”.

Por Matheus Teixeira
Fonte: Conjur

Plenário da Câmara aprova fim de multa a quem não portar CNH e licenciamento

goo.gl/SALfTT | A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou nesta quinta-feira o projeto de lei 8.022/14, que veta a aplicação de multa e a retenção do veículo se o motorista não estiver com a carteira de habitação e o licenciamento anual, caso o agente de trânsito possa obter as informações sobre o condutor e o veículo contidas nos documentos por meio de consulta a banco de dados oficial.

O projeto, que tramita desde 2014, foi apresentado pela ex-deputada Sandra Rosado (PSB-RN) e pela deputada Keiko Ota (PSB-SP) e altera o Código de Trânsito Brasileiro. Ele foi aprovado em caráter conclusivo, ou seja, se não houver recurso de algum deputado, ele vai direto para o Senado sem precisar passar pelo plenário da Câmara.

De acordo com o projeto, quando não for possível ao agente de trânsito realizar a consulta on-line das informações do veículo ou do condutor, o auto de infração será cancelado caso o motorista apresente, em até trinta dias, o documento ao órgão de trânsito responsável pela autuação. Assim, o motorista não terá pontos computados em sua carteira referentes à infração.

Veja aqui a íntegra do projeto de lei.

Fonte: Veja Abril

Chinesas prendem cabelo no teto para não dormir enquanto estudam por vaga na universidade

goo.gl/3bn6SJ | A concorrência nos vestibulares e nas universidades chinesas é imensa: milhões de candidatos lutam todos os anos por vagas nas universidades do país oriental.

A única opção dos estudantes é encarar jornadas de até 16 horas de estudo por dia para conseguir aprovação nos exames. As meninas chinesas acharam um jeito inusitado de estudar por horas a fio sem adormecer.

Elas prendem o cabelo ao teto para evitar cochilar. Cada vez que elas adormecem, levam um puxão no cabelo e, assim, despertam. O método criado pelas estudantes universitárias ganhou muitas adeptas, pois milhares de outras garotas também postaram suas fotos com o macete na rede social Weibo - uma versão chinesa do Twitter, - conforme noticia o jornal O Globo.

A ideia virou mania na China depois que Chen Tang, de 21 anos, postou uma foto fazendo o uso da técnica. Chen desenvolveu a ideia com a sua companheira de quarto, Huang Lu, de 22 anos. Elas estudam numa universidade da província de Fujian, no sudeste da China. Ligar o ar-condicionado e tomar doses cavalares de café já não surtia efeito, contaram elas ao jornal inglês Daily Mail.

De acordo com as universitárias, elas estudaram métodos de antigos estudiosos chineses para manter a concentração. Um dos exemplos era prender os cabelos do dorminhoco no teto. Chen e Huan adaptaram a ideia com prendedores de roupa. Chen diz que a técnica dá resultado: “Os estudos são tão cansativos, que a prática do cabelo pendurado o torna mais interessante e eu me sinto muito mais disposta desta forma”. Curtiu a ideia?

Fonte: br noticias yahoo 

Juiz de Direito nega dano moral por extravio de mala a partir de novo entendimento do STF

goo.gl/TChSaf | O juiz de Direito Manuel Eduardo Pedroso Barros, de Brasília/DF, aplicou em sentença proferida nesta quarta-feira, 21, o recente entendimento do STF com relação ao extravio de bagagem em voo internacional e, assim, negou indenização por danos morais e limitou o valor do dano material.

Há menos de um mês, o plenário do STF decidiu que os conflitos relativos à relação de consumo em transporte internacional de passageiros devem ser resolvidos segundo as regras estabelecidas nas convenções internacionais que tratam do assunto, e não o CDC.

Sendo assim, nos casos de extravio ou destruição de bagagem, o Supremo definiu que só ficam as companhias obrigadas a indenizar pelos danos materiais, e não também pelos danos morais.

Limitação

O caso julgado pelo juiz de Direito Manuel Eduardo foi o de uma modelo profissional que, em voo entre Nova York e Cidade do México, teve a mala extraviada e por isso pretendia receber indenização por danos materiais e morais, totalizando mais de R$ 37 mil.

Considerando o pedido parcialmente procedente, o magistrado elencou o contexto e as teses do julgado da Corte Suprema para concluir que o caso deveria ter solução segundo as normas da Convenção de Montreal, sucessora da Convenção de Varsóvia, que em seu artigo 22 (que trata dos limites de responsabilidade relativos ao atraso de bagagem) dispõe:
2. No transporte de bagagem, a responsabilidade do transportador em caso de destruição, perda, avaria ou atraso se limita a 1.000 Direitos Especiais de Saque por passageiro, a menos que o passageiro haja feito ao transportador, ao entregar-lhe a bagagem registrada, uma declaração especial de valor da entrega desta no lugar de destino, e tenha pago uma quantia suplementar, se for cabível. Neste caso, o transportador estará obrigado a pagar uma soma que não excederá o valor declarado, a menos que prove que este valor é superior ao valor real da entrega no lugar de destino.”
Dessa forma, o julgador considerou que caso o consumidor entenda que carrega em sua bagagem valor superior a R$ 4.568,70, deverá fazer a Declaração Especial de Valor, uma espécie de seguro, para garantir a indenização plena, o que a modelo não fez.

E, embora afirmando que a questão é incipiente, o juiz de Direito entendeu que tal limitação se aplica também aos pedidos de indenização por dano moral, uma vez que o mesmo artigo limita a responsabilidade do transportador em caso de atraso do voo que, na maioria das vezes, dá ensejo a reparação a esse título.
Se a limitação não ficasse restrita somente ao conteúdo da bagagem, na prática estar-se-ia a burlar a limitação uma vez que os Tribunais pátrios poderiam efetuar uma espécie de compensação dos prejuízos através do balizamento do valor da indenização por danos morais".
O julgador fez questão de dizer que, sem a lavratura do acórdão do STF, ressalvava a possibilidade de revisão da decisão caso tenha sido externado entendimento contrário naquele julgamento. E, assim, fixou a indenização no valor máximo de R$ 4.568,70.

Processo: 2016.01.1.070469-8

Fonte: Migalhas

Câmara: Criminalização do desrespeito a prerrogativas de advogados é aprovada!

goo.gl/8YnLtR | O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 285 votos a 72, proposta que criminaliza a violação das prerrogativas de advogados por parte de juiz promotor ou delegado. A pena prevista é de 1 a 2 anos de detenção, além de multa. A alteração ao Estatuto da Advocacia segue agora para deliberação do Senado. Se aprovado, vai à sanção da Presidência da República.

O texto também especifica que, se a Ordem dos Advogados do Brasil não concordar com o arquivamento de inquérito policial sobre esse crime ou o de exercício ilegal da advocacia, poderá assumir a titularidade da ação penal. A emenda, de autoria do deputado Carlos Marun (PMDB-MS) foi aprovada no âmbito do Projeto de Lei 4.850/2016, que também criminaliza o abuso de autoridade e prevê outras medidas anticorrupção.

Durante a discussão na comissão especial criada para tratar da proposta contra a corrupção, a OAB já havia conseguido inserir no texto a criminalização do exercício ilegal da advocacia e a paridade dos assentos com o Ministério Público nas audiências. Ambas foram mantidas pelo Plenário da Câmara.

O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, celebrou a aprovação. “Essa é uma vitória não apenas da advocacia, mas de toda a sociedade, pois tipifica e estabelece penalidades claras àqueles que insistirem em desrespeitar a atuação dos profissionais da advocacia, interferindo muitas vezes na garantia da ampla defesa das partes representadas. Trata-se de um inequívoco avanço democrático, que merece a celebração por parte de todos os que defendem o Estado Democrático de Direito”, afirmou Lamachia.

Outras conquistas

A exclusão de alguns dispositivos propostos pelo Ministério Público Federal na criação do projeto contra as medidas contra a corrupção e a manutenção de alguns pontos que a OAB defende também foram comemorados pela entidade.

A OAB defendeu durante todo o debate a retirada de pontos que considerava atraso institucional e social, como restrições ao uso do Habeas Corpus e utilização de provas colhidas de forma ilícita, contidas no texto inicial, e que acabaram sendo retiradas pelo relator na comissão especial.

“Não se pode combater um crime cometendo outro. É inaceitável a ideia da possibilidade de utilização de provas ilícitas. Tratava-se de pensar a adoção de uma fórmula que fere a constituição. Temos de enfrentar a impunidade, a corrupção e os desmandos de agentes públicos, mas nos termos da lei. Por isso atuamos frontalmente contra e obtivemos essa vitória, que é uma conquista para a sociedade e para a democracia brasileira”, disse Lamachia.

O texto aprovado também acolheu a antiga proposta da OAB de criminalização do caixa dois eleitoral, estabelecendo pena de 2 a 5 anos de reclusão e multa. Para Lamachia, a medida dará "contribuição fundamental para que o sistema político e eleitoral brasileiro passe por uma depuração urgente e profundamente necessária, que precisa agora de uma ampla reforma política, para que os anseios da sociedade sejam plenamente atendidos".

Com informações da Agência Câmara e Assessoria de Imprensa da OAB.

Clique aqui para ler a emenda.

Fonte: Conjur

Joaquim Barbosa: ‘o Brasil está realmente preparado para ter um presidente negro?’

goo.gl/kKTV5E | Costumeiramente cotado para ser candidato à Presidência da República, Joaquim Barbosa, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que está menos propenso a disputar o planalto em 2018 e questionou: “Será que o Brasil está preparado para ter um presidente negro?”. As declarações foram dadas à coluna da jornalista Mônica Bergamo, publicada na edição desta quinta-feira do jornal Folha de S.Paulo.

Há cerca de quinze dias, o ex-magistrado, que ganhou repercussão nacional ao ser o relator do julgamento do Mensalão, em 2012, admitiu que a decisão de se filiar a um partido e articular uma candidatura estava na “esfera de deliberação”. Ele declarou que já havia conversado sobre a questão com “líderes de dois ou três partidos políticos”, citando a ex-ministra Marina Silva (Rede), outra possível candidata, e o PSB, que teve Marina como candidata em 2014. O PSB foi o principal partido da base aliada do presidente Michel Temer (PMDB) a romper com o governo após a divulgação das delações premiadas do grupo JBS.

Apesar da hesitação, a jornalista informa que Joaquim Barbosa se reuniu recentemente com um grupo de artistas, entre eles os cantores Marisa Monte e Caetano Veloso, os atores Lázaro Ramos e Thiago Lacerda, a apresentadora Fernanda Lima e a atriz Fernanda Torres, além de políticos, como o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ). Segundo a coluna, até o PT, partido que teve políticos importantes condenados por Barbosa no STF, sondou o juiz aposentado.

Aos interlocutores, ele pontuou que não tem “dinheiro nem ninguém atrás de mim com recursos”, o que dificultaria uma campanha presidencial. O magistrado também pontua que goza “dessa liberdade na sua plenitude”, de poder falar e fazer o que quiser, o que torna ele mesmo “o maior obstáculo à ideia”. No entanto, ao admitir a possibilidade há quinze dias, deixou claro que se considera alguém “um cidadão brasileiro, um cidadão pleno, há três anos livre das amarras de cargos públicos”.

Sobre a questão racial, no entanto, ele pode estar enganado. Segundo o Museu Afro Brasil, ligado à Secretaria de Cultura de São Paulo, o país já teve um presidente negro: Nilo Peçanha, que era vice-presidente e assumiu o cargo em 1909, após a morte de Afonso Pena. De acordo com o material do museu, Peçanha governou até o fim do mandato, por dezessete meses, tendo como lema de governo a expressão “Paz e Amor”.

Fonte: veja abril

Polêmica: Netflix é acusada de tratar anorexia de forma irresponsável em novo filme (trailer)

goo.gl/4848mu | Polêmica parece ser a palavra de ordem entre os produtores da Netflix. A empresa de streaming divulgou o trailer de To the Bone, seu próximo filme, e já atrai muitas críticas sobre o modo como aborda a questão da anorexia.

Muitos especialistas e pessoas que já passaram pela situação usaram as redes sociais para criticar o modo como o distúrbio é tratado no trailer divulgado na última terça-feira, 20.

A produção estreará no próximo dia 14 de julho. A atriz Ellie Collins interpreta uma garota que sofre de anorexia e acaba sendo internada em um centro de recuperação por conta do agravamento do seu quadro de saúde.

O principal ponto que vem recebendo críticas é a magreza excessiva da personagem interpretada por Collins. A Associação Nacional de Distúrbios Alimentares dos Estados Unidos (NEDA) é contra a exibição de pessoas “perigosamente magras” na mídia por conta do impacto negativo que podem ter em  pessoas que passam ou já passaram por algum distúrbio alimentar.

“As imagens, para quem sofre de distúrbios alimentares ou corre risco de sofrer, podem despertar todo tipo de pensamentos nocivos contra o próprio corpo”, argumentou Claire Mysko, Diretora Executiva da NEDA, ao portal Mashable.

Escritora e diretora da série, Marti Noxon alegou que a intenção do filme é falar de um assunto geralmente ignorado e que entende a importância de se retratar responsavelmente o tema.

“Não pretendemos glamourizar os distúrbios alimentares, mas sim servir de pontapé inicial para o debate sobre um assunto que é geralmente censurado e coberto por noções equivocadas”, disse Marti.

Confira o trailer oficial:


Fonte: emais estadao

Preços diferentes: juíza considera ilegal ingresso mais caro para homens em festas

goo.gl/sLAqjS | A juíza substituta Caroline Lima, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), afirmou que a cobrança de preços diferentes para homens e mulheres é ilegal. A magistrada entende que “a diferenciação de preço com base exclusivamente no gênero do consumidor não encontra respaldo no ordenamento jurídico pátrio”.

A declaração foi feita em resposta a um pedido de liminar feito por um consumidor a respeito dos ingressos do festival Na Praia, previsto para começar em 1º de julho. A juíza negou a urgência para decisão, mas concluiu que a cobrança era indevida.
Ocorre que no caso das mulheres a situação é ainda mais delicada, já que uma prática repetida há tanto tempo pode traduzir uma (falsa) aparência de regularidade, de conformidade. No entanto, felizmente, o tempo não tem o condão de convalidar nulidades de tal porte. Não é “porque sempre foi assim” que a prática discriminatória haverá de receber a chancela do Poder Judiciário, pois o mau costume não é fonte do direito. De forma alguma”, pondera a juíza.
Para Caroline, o Código de Defesa do Consumidor proíbe a existência de cláusulas discriminatórias ou que gerem vantagens desnecessárias.

Apesar do posicionamento, a juíza explicou que não poderia dar ganho de causa em liminar, pois tal ação poderia causar prejuízos e inviabilizar o evento. No entanto, a ação será analisada em trâmite normal.

Polêmica

Para Kléber Gomes, advogado especialista em Direito do Consumidor, a decisão é controversa. “Entendo que não há ilegalidade nem prática abusiva do estabelecimento que diferencia preço de ingresso para festas eventuais. Diferentemente dos eventos constantes, como teatro e cinema, nos quais os valores devem ser iguais para os dois sexos”, opina.
O Estado, ao obrigar o fornecedor a aplicar preços iguais em festas eventuais, estará demasiadamente adentrando na esfera estratégica do empresário eventual. A diferenciação de preços está adstrita a tática de marketing a determinado público consumidor, diferentemente de um ingresso não eventual"
Kléber Gomes

Fonte: metropoles

Juiz não condena por ódio, e sistema penal não é resposta para tudo, diz Fachin

goo.gl/mRzhzs | O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta sexta-feira (23) que nenhum juiz condena por ódio e que o sistema penal não é resposta para todos os males do país.

Durante palestra para servidores do tribunal, ele defendeu a importância da política para solucionar a crise brasileira.

"Não se pode demonizar a política. Não será o sistema penal punitivo a resposta de todos os males. Nos dias correntes, a propósito, permito-me trazer a lição do eminente ministro Cezar Peluso, a quem muito estimo e admiro. Nenhum juiz verdadeiramente digno de sua vocação condena ninguém por ódio. Nada constrange mais um magistrado do que ter que infelizmente condenar um réu em matéria penal", disse.

Fachin promoveu conferência chamada “Fraternidade e Humanismo”, com participação do professor português Paulo Ferreira da Cunha, da Universidade do Porto. Ao introduzir o evento, o ministro disse que as instituições no Brasil estão funcionando, negando a existência de uma crise institucional.

“Avançar na redenção constitucional brasileira, e nela não está em primeiro plano a atuação hipertrofiada do magistrado constitucional, embora deva, quando chamado, responder com firmeza e serenidade. Em primeiro plano está a espacialidade da política, dos representantes da sociedade e a própria sociedade, ali como encontro e ambiente apto a propor e formular soluções histórico-sociais”, afirmou o ministro.

A exemplo do que fizeram outros países, disse Fachin, é preciso trazer “ideias e instrumentos democráticos” ao reencontro da sociedade.

“O protagonismo de um novo pacto social pressupõe, sob a fraternidade e o humanismo, a atuação plena dos vetores da democracia representativa, da sociedade, do Parlamento e dos parlamentares, dos agentes públicos que, mesmo nos dissensos, constroem consensos”.

Por Renan Ramalho, G1, Brasília
Fonte: g1 globo

Professor universitário diz que estudante negra não pode ser âncora de telejornal

goo.gl/PpFDGP | A estudante de jornalismo Fernanda (nome fictício), de 20 anos, estava apresentando um texto na bancada da aula de Comunicação e Expressão Oral - técnicas de dicção quando o professor disse na frente de toda sala que tipo de penteado dela não servia para ser âncora de telejornal.

Fernanda é negra e usa um cabelo étnico afro. O professor não tem formação em jornalismo, ele é graduado em fonoaudiologia.  "Quando eu estava passando o texto na bancada, ele disse que, por conta dos padrões, o meu cabelo chamaria mais atenção que a notícia, por ser black e descolorido, e que dessa forma eu me encaixaria melhor como moça do tempo ou repórter", contou a estudante.

A estudante ficou extremamente constrangida com a fala do professor durante o exercício em aula. Na hora, ela não teve reação e nenhum dos seus colegas de sala, a maioria brancos, reclamou ou discordou do comentário racista do professor.

"Fiquei muito triste. Chorei muito depois", disse a estudante. O caso aconteceu em uma tradicional universidade particular, fundada em 1972, de uma capital nordestina. "Na hora, fiquei bastante triste ao ouvir isso dele. Os alunos todos aceitaram isso como verdade, da mesma forma que eu no primeiro momento. Ele se aproveitou da autoridade como professor para impor o que é correto", desabafou.

A estudante fez uma reclamação para a coordenadora do curso de comunicação e agendou um reunião com o ouvidor da universidade. "Na primeira data para a reunião, a coordenadora cancelou o encontro sem me avisar e não fui recebida pelo ouvidor. No dia seguinte, voltei lá com uma amiga e contei para o ouvidor tudo o que aconteceu detalhadamente", disse a estudante.

O ouvidor afirmou que o caso seria apurado, mas tentou, por diversas vezes, convencer a estudante a desistir da denúncia. Afirmou ainda não acreditava que houve racismo ou injúria na aula. Fernanda disse que sustentaria a acusação.

A garota, de 20 anos, é estagiária em uma empresa e paga R$ 669,90 de mensalidade no curso de jornalismo. No estágio, ela recebe R$ 510 por mês. "Só consigo me manter na faculdade porque os meus pais se esforçam muito para me ajudar. O meu sonho é ser jornalista e apresentar um telejornal, do mesmo modo como outras jornalistas negras conseguiram", disse a estudante.

O professor, autor da declaração racista, também é sócio de uma clínica de fonoaudiologia na cidade e é muito popular entre os alunos. Ele costuma dar carona para alunas dentro da universidade.

Denúncia

Fernanda foi em mais duas reuniões com o ouvidor para saber qual a atitude da universidade. Em uma delas, o ouvidor disse que não via "maldade nenhuma" no comentário do professor na sala de aula. "Se você der esse depoimento numa delegacia, o delegado vai dizer que não houve racismo. Eu não quero proteger ninguém, mas, às vezes, o aluno não percebe e isso toma uma proporção tão grande", disse.

"Enquanto isso, o professor fez reuniões com os alunos da sala. Eles começaram a me tratar com indiferença. Ninguém mais olhava na minha cara e eu me sentia muito mal. Criaram até uma hashtag #nãohouveracismo para colocar em publicações que comentavam o caso. O curioso é que as estudantes que defendem o professor não estavam na sala de aula no dia (20/5) e são as mesmas que pegam carona com ele", disse Fernanda.

A estudante foi até a delegacia especializada em atendimento a grupos vulneráveis e registrou um boletim de ocorrência contra o professor (veja abaixo o histórico do documento registrado no dia 6 de junho).

A universidade não tomou nenhuma providência protetiva em favor da aluna. Nas semanas seguintes, ela teve mais duas aulas e uma prova com o mesmo professor, que já estava ciente da denúncia, porém, nem sequer pediu desculpas pelo comentário na sala de aula.  "Eu só queria que ele me pedisse desculpas e soubesse o quanto foi cruel com os meus sentimentos. A universidade também não deu importância para os meus sentimentos", disse.

Segunda a advogada Mayara Silva, é evidente que se trata de um caso de racismo. "Dizer que alguém não pode ocupar um espaço para o qual ela tem total capacidade, competência e desejo só por causa do cabelo é um caso de racismo escancarado. Na aula, o professor declarou, mesmo não sendo especialista na área, que aquele determinado tipo de cabelo não servia. Logo, todos com aquele cabelo, seja homens ou mulheres, são incluídos na fala dele sobre uma característica de raça.  Ou seja, está atingindo uma coletividade indeterminada de indivíduos, discriminando toda a integralidade de uma raça", disse a advogada, levando em conta os artigos da lei 7.716/89 do código civil.

Outro lado

Questionada pelo R7 sobre o caso de racismo na sala de aula, a universidade respondeu por meio de nota, assinada pela assessoria de comunicação.

'A ocorrência relatada chegou ao conhecimento da coordenação do curso, que de imediato acionou as instâncias competentes da Universidade para apuração dos fatos. O teor do relato causou grande surpresa à coordenação em razão do tratamento respeitoso e igualitário que caracteriza as relações entre os membros da comunidade universitária, em especial a comunicação entre professor e aluno, já que essa é a razão de existência da universidade.

Desse modo, em respeito à sua comunidade acadêmica e, sobretudo, aos valores e princípios éticos que a norteiam, a Universidade XXXX irá apurar rigorosamente os fatos, para que, logo após, as devidas providências sejam tomadas, já que a instituição não pactua – nem pactuará – com qualquer tipo de fato que possa desestabilizar e ameaçar o clima de respeito que deve pautar as relações entre alunos, professores e técnico-administrativos'.








Por Giorgia Cavicchioli e Juca Guimarães, do R7
Fonte: Notícias R7

Entenda por que Michel Temer deve fazer delação premiada - Por Alexandre Morais da Rosa

goo.gl/ZyXLJG | O presidente Temer está encurralado em face das possíveis delações que se avizinham. O que ele pode fazer? A primeira postura é a passiva: consiste em aguardar, resistindo como puder, apostando no adiamento até o final do mandato a sobrevida e, cessado o mandato, correr o risco de poder ser preso assim que deixar o poder. A segunda opção é a de pensar estrategicamente e, diante do contexto pessimista, buscar fazer uma delação premiada enquanto pode e tem cacife, salvando sua liberdade, patrimônio e reputação (o que sobrou), bem assim como sua família.

Os antigos governadores, deputados e senadores, cujo mandato se extinguiu, sem a garantia do foro por prerrogativa, encontram-se presos, investigados e/ou temerosos. Logo, a tendência do atual presidente, quando virar ex-presidente, é a de que possa ser preso tão logo finalize o exercício da função, caso efetivas as delações premiadas que o envolvem.

Por isso precisa agir de modo inteligente, aproveitando-se de sua posição dominante. Isso porque ainda congrega informações e “poderes” cujo valor de troca ainda é relevante, mas que podem perder o valor de face com o término do mandato, razão pela qual avaliar uma possível delação pode ser interessante para sobrevivência futura.

A aposta de que as investigações, notícias e ações penais sumirão por passe de mágica, além de ingênua, significa pensar sob a matriz teórica de um jogo processual penal anterior ao modelo instalado no Brasil, em que a compra e venda de informações é o mote[1]. Sabe-se, ademais, que a delação pode melhorar a imagem de quem delata.

Então, do ponto de vista racional, desprezando-se as questões éticas e morais, avaliar sinceramente uma possível delação é estratégia dominante. Esperar um milagre é estratégia dominada, típica de amadores do mercado penal brasileiro. O problema pode ser o ego do possível delator. Mas se for um indivíduo otimizador entendido como o que busca maximizar seus resultados, renuncia ao mandato, faz delação premiada e se salva. Depois, claro, apaga-se a luz. Trata-se apenas de uma hipótese de quem busca ler o desenho atual via recompensas, embora não concorde com os seus pressupostos.
_______________
[1] MORAIS DA ROSA, Alexandre. Guia do Processo Penal conforme a Teoria dos Jogos. Florianópolis: Empório do Direito, 2017.

Por Alexandre Morais da Rosa
Fonte: Conjur

Reconhecimento espontâneo impede que homem anule paternidade no futuro

goo.gl/9pwYUG | Em respeito ao princípio do melhor interesse da criança, a existência de relação afetiva e o reconhecimento espontâneo da paternidade impedem que esse registro civil seja anulado. Assim entendeu a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça ao negar pedido de um homem que disse ter registrado a filha não biológica por pressão familiar.

Após o exame de DNA dar resultado negativo, ele buscou judicialmente a anulação do registro de paternidade e o cancelamento da obrigação de pagamento de pensão alimentícia. Como o pedido foi rejeitado em primeira e em segunda instâncias, o autor foi ao STJ alegando vício em seu consentimento.

O relator do recurso, ministro Villas Bôas Cueva, afirmou que a paternidade socioafetiva segue o princípio constitucional da dignidade da pessoa humana, pois permite que um indivíduo tenha reconhecido seu histórico de vida e a sua condição social.

Ainda segundo o ministro, as instâncias ordinárias concluíram que o pai registral esteve presente na vida da garota desde o nascimento dela, assim como em datas comemorativas e em outros momentos importantes por mais de dez anos, mesmo que ele pudesse, eventualmente, indagar a origem genética, cuja paternidade assumiu voluntariamente.

“Independentemente das dúvidas que o recorrente pudesse aventar quanto à paternidade da menor, é fato notório que a reconheceu espontaneamente como filha, afastando-se, assim, por óbvio, o alegado vício de consentimento”, concluiu o ministro ao negar o pedido de anulação de registro de paternidade.

O número do processo não foi divulgado, por estar em segredo judicial.

Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Fonte: Conjur

Procuradora é presa suspeita de atropelar ciclista, bater em táxi e xingar policiais

goo.gl/PPSJkX | A procuradora do Estado Maria Helena Martone Grazzioli, de 54 anos, foi presa em flagrante sob suspeita de embriaguez ao volante, fugir do local de acidente e desacato porque teria atropelado um ciclista, batido o carro em um táxi e ainda xingado policiais civis. O caso ocorreu na madrugada de terça-feira (20), na República, Centro de São Paulo.

Em entrevista ao G1 nesta quarta-feira (21), o pai da procuradora, o advogado Hylson Martone, de 89 anos, disse que sua filha só bateu num automóvel após ter sido roubada no trânsito da Avenida São João e fugir do criminoso. Ele disse que a filha não falaria com a imprensa.

“Ela não fugiu do local, ela fugiu de bandido”, disse Hylson, que negou que Maria Helena estivesse bêbada ou ainda tenha atropelado um ciclista ou ofendido policiais. “Ela foi assaltada. Levaram celular e documento do carro.”

Segundo ele, a procuradora foi levada a uma audiência de custódia na Justiça, onde foi solta após pagar uma fiança arbitrada pelo juiz para responder ao processo em liberdade. O valor da fiança foi de mais de R$ 10 mil, informou, em nota, a assessoria de imprensa do Ministério Público (MP). “Está tudo resolvido agora. Foi um acidente banal, não teve nenhuma consequência”, disse Hylson.

Segundo a Promotoria, a Justiça suspendeu a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) da procuradora a pedido do promotor Eduardo Augusto Vellosso Roos Neto.

Maria Helena trabalha na Procuradoria Geral do Estado (PGE). Procurada, a assessoria do órgão informou que vai instaurar processo administrativo para apurar a conduta dela.

O caso

De acordo com o boletim de ocorrência do caso, registrado no 2º Distrito Policial (DP), no Bom Retiro, a procuradora dirigia seu Land Rover Freelander branco quando, por volta da 1h40, atropelou um ciclista na Rua Marquês de Itu.

Em seguida, o veículo dela “teria abalroado a traseira” de um táxi, modelo Renault Logan branco, que estava parado no semáforo da Rua Rego Freitas por causa do farol vermelho. "Ouvimos um barulho. Estava com um passageiro e ele disse: 'Olha, o carro atropelou um ciclista'. Eu olhei no retrovisor o carro veio para cima do meu e acertou a traseira. Em seguida, o carro bateu novamente", disse o taxista Nilton Reis Dias.

Sobre o ciclista, o taxista disse que "ele levantou mancando, pegou a bicicleta e saiu de lá". De acordo com o registro da delegacia, o taxista contou que Maria Helena pediu para ele “pegar o celular para ligar para a polícia”, mas quando fez isso, ela “se aproveitou e acelerou o veículo e se evadiu do local”. "Ela me disse assim: 'Se você acha que eu bati em seu carro, liga para a polícia'. Eu peguei o celular para fazer a ligação e ela deu ré e fugiu. Nesse meio tempo, o passageiro desceu do meu carro."

O taxista então afirmou que decidiu entrar no táxi e seguir o carro da mulher, que dirigia com “excessiva velocidade”, passando por três sinais vermelhos, nos cruzamentos da Rua Rego Freitas com o Largo do Arouche, com a Avenida Duque de Caxias e com a Avenida São João. "Uns policiais apareceram e falei que ela tinha acabado de bater no meu carro e estava fugindo. Foi quando ela foi abordada por eles. Não queria sair do carro, demorou muito, mas saiu. Ela completamente fora de si, foi um vexame", disse Dias.

Ação policial

O boletim de ocorrência informa que o Land Rover parou quando foi abordado por uma viatura do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra), onde estavam dois policiais civis. Eles contaram que um outro taxista os havia alertado que o automóvel de Maria Helena havia atropelado um ciclista.

Segundo os policiais do Garra, a mulher só aceitou deixar o carro após “muita insistência” deles. E que constataram que ela “encontrava-se com a capacidade psicomotora alterada em razão da ingestão de álcool porque exalava forte odor etílico”.

De acordo com os agentes da Polícia Civil, Maria Helena ainda "estava bastante alterada, urinada, e os ofendeu”, os xingando de “cavalo, jumento” e que eles “ganham salário de fome e que jamais teriam um veículo igual ao dela” e também os empurrou.

Nesse instante, os policiais deram “voz de prisão em flagrante delito” a mulher e a levaram para o 2º DP. Na delegacia, ela chegou “completamente alterada, aparentemente sob influência de álcool ou qualquer outro tipo de droga”.

Os agentes também contaram que Maria Helena continuava se portando “de forma inconveniente, promovendo escanda-lo desmedido e somente dizia que havia sido roubada, assunto que até aquele momento ela não havia tocado”.

O registro policial informa que os agentes tentaram “de todas as formas” que ela ligasse para o seu advogado, mas a mulher “afirmava que não lembrada o telefone dele”, e não aceitou que os policiais ligassem para seus parentes porque “não iria incomodar nenhum familiar” dela.

Como se recusou a fazer o teste do bafômetro com um policial militar do Batalhão de Trânsito, Maria Helena foi levada ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de dosagem alcoólica e de corpo de delito.

Mas quando chegou ao IML, a mulher se negou a entrar no instituto para fazer exame e volto a “fazer escanda-lo”. O médico legista então foi até o estacionamento onde viu Maria Helena.

Na volta do IML, os policiais contaram que ela “sacou da bolsa uma carteira funcional de cor vermelha, apresentando-se como procuradora do Estado”. Novamente na delegacia, a mulher “manteve o seu comportamento inconveniente, investindo inclusive contra os policiais, sendo contida pelo delegado” do Garra. Foto da carteira circula no WhatsApp.

E somente às 4h30, Maria Helena “resolveu ligar para a mãe” e “implorou aos berros que viesse busca-la na delegacia porque ela não havia feito nada” porque “era tão comente uma vítima de roubo”.

CNH suspensa

A procuradora foi indiciada por embriaguez ao volante (que prevê pena de 6 meses a 3 anos de prisão), fuga de local de acidente (6 meses a 1 ano) e desacato (15 dias a 3 meses).

Como a soma das penas ultrapassa o mínimo legal que autoriza o delegado a arbitrar fiança, Maria Helena foi levada para audiência de custódia na Justiça.

De acordo com o MP, “a procuradora foi ouvida na audiência de custódia às 12h11 pelo promotor de Justiça Eduardo Augusto Velloso Roos Neto. O MP por meio da medida cautelar pediu a suspensão da habilitação e a fixação de fiança de 12 salários mínimos, o que foi aceito pelo juiz”, informa a nota da Promotoria. “A investigação continua sendo conduzida pela Polícia Civil.”

O Land Rover de Maria Helena e o táxi do taxista passariam por perícia do Instituto de Criminalística (IC). “O ciclista envolvido no evento não foi identificado até o presente momento”, informa o registro policial.

Além da mãe, o pai da procuradora, o advogado Hylson, também compareceu ao 2º DP. “Acho que o delegado exagerou”, reforçou Hylson. “Ela estava nervosa numa cidade de bandido. Ela não exagerou nada. Ela só fugiu de bandido, tem que frisar isso”.

O caso será investigado pelo 3º DP, Santa Ifigênia, que deverá ir ao local em busca de imagens de câmeras de segurança que possam ter gravado a série de acidentes que teria sido causada pela procuradora.

Fonte: g1 globo

Declaração ou Atestado de Pobreza – Lei 1.060/50, com ele você terá acesso a vários serviços

goo.gl/rqa48M | Documento usado para comprovar que uma pessoa não tem condições de pagar os custos exigidos para ter acesso a serviços como: assessoria jurídica, segunda via do RG e etc. Confira o modelo.

Não é necessário apresentar nenhum documento junto com a Declaração de Pobreza. Garantir que as informações presentes na Declaração são verdadeiras é responsabilidade do declarante.

DECLARAÇÃO DE POBREZA

Eu, FULANA DE TAL, brasileira, solteira, estudante, portadora da Cédula de Identidade (…), inscrita no CPF sob o n. (…), residente e domiciliada na Rua (…), n. (…), bairro (…), na cidade de (…) – (…) (CEP …), declaro que não posso suportar as despesas processuais decorrentes desta demanda sem prejuízo do meu próprio sustento e de minha família, sendo, pois, para fins de concessão do benefício da gratuidade de Justiça, nos termos da Lei 1.060/50, pobre no sentido legal da acepção.

Declaro, ainda, que tenho conhecimento das sanções penais que estarei sujeito caso inverídica a declaração prestada, sobretudo a disciplinada no art. 299 do Código Penal.

Por ser a expressão da verdade, assumindo inteira responsabilidade pelas declarações acima sob as penas da lei, assino a presente declaração para que produza seus efeitos legais.


Cidade, ____ de _____________ de 20___.


_________________________________________
                             (assinatura)

Pedófilo arrasta menina para terreno baldio. 5 cães de rua escutam e destroem o agressor

goo.gl/FN44ew | Na Argentina, uma menina de 12 anos ia para a casa da tia a pé quando um homem a agarrou por trás, tapou sua boca e a levou para um terreno baldio para estuprá-la.

Segundo o site Correo del Orinoco, a criança, que não teve o nome divulgado, debateu-se em seus braços, sem forças suficientes para se soltar. Mas cinco cães de rua que estavam ali por perto ouviram o choro da menina e correram para salvá-la do abuso.

Eles procuraram a direção dos gritos e, ao avistarem a pequena sendo estuprada, avançaram no pedófilo, morderam seu rosto e arranharam todo o seu corpo, deixando a garota intacta que aproveitou para fugir.



Ela, então, pediu ajuda para as casas vizinhas e foi socorrida.

O agressor ainda não foi identificado.



Os cachorros também não foram encontrados, mas já estão sendo chamados de anjos-protetores por toda a cidade.

Há quem diga que eles foram enviados para salvá-la. Mas a maioria acredita que os cinco cãeszinhos só reafirmam aquilo que muitos já sabem: o instinto protetor e afetuoso que têm os animais!

Fonte: bestofweb

É advogado e não tem medo de matemática? Esta área é excelente para você, confira!

goo.gl/N4jnKc | Ninguém decide fazer Direito porque adora matemática: como qualquer profissional de humanas, o advogado costuma se sentir mais à vontade para lidar com palavras do que com números. O mercado, porém, oferece boas oportunidades para quem contraria essa tendência.

A carreira jurídica na área tributária — que exige gosto pelo universo quantitativo — é uma das mais aquecidas do momento no Brasil, diz Bruno Lourenço, sócio da Vittore Partners, empresa de recrutamento especializada nos setores jurídico, tributário, de relações governamentais e anticorrupção.

O problema é que o estudante de Direito não costuma desenvolver seu pensamento matemático na graduação. “A maioria das faculdades não prepara o estudante sequer para construir uma planilha de Excel”, diz Lourenço, que só descobriu seu interesse pelo universo tributário depois de viver uma experiência numa grande consultoria.

Resultado: advogados que não têm medo de matemática são raros, e os que existem são disputados a tapa pelos empregadores.

De acordo com o sócio da Vittore Partners, as empresas estão correndo atrás de gerentes tributários, especialmente se tiverem inglês fluente e conhecimentos sólidos em finanças e contabilidade. Essa última qualificação costuma ser obtida com um curso de graduação ou com pós-graduação na área. “Outra boa opção é buscar um curso de finanças voltado para advogados, porque o assunto já será apresentado na sua linguagem”, recomenda Lourenço.

Qual é o seu perfil: consultivo ou contencioso?

A carreira em direito tributário normalmente é dividida em duas vertentes: consultiva ou contenciosa. Os perfis são bastante diferentes entre si e dificilmente um advogado exerce as duas funções simultaneamente.

A modalidade consultiva é voltada para o mundo dos negócios, diz Camila Dable, sócia da Salomon Azzi, consultoria de recrutamento e seleção voltada ao mercado jurídico. A missão desse profissional é reduzir riscos e prejuízos financeiros de uma empresa com base em seus conhecimentos dos tributos.

Ele atuará em fusões e aquisições, processos de constituição de fundos de investimentos, bem como no planejamento tributário e societário de um cliente, por exemplo. Também estão sob sua alçada atividades ligadas à gestão financeira, custo e estruturação de capital e produtos e operações do mercado financeiro que serão usados pela área de tesouraria, completa Bruno Lourenço, da Vittore.

Quando atua na esfera consultiva, o advogado tributário costuma ser encontrado em departamentos jurídicos ou financeiros de companhias, em escritórios de advocacia ou em empresas de auditoria.

Já a modalidade contenciosa está ligada às esferas judiciais (tribunais regionais, estaduais ou superiores) e administrativas (órgãos como o CARF — Conselho Administrativo de Recursos Fiscais — ou o TIT —Tribunal de Impostos e Taxas), explica Renato Sapiro, também sócio da Salomon Azzi. O papel, aqui, é defender o cliente diante de um juiz em processos ligados a infrações na área tributária.

Esse tipo de advogado costuma trabalhar principalmente em escritórios, ou então em departamentos jurídicos de empresas. Sua missão é evitar prejuízos financeiros do seu cliente com eventuais indenizações e condenações que proíbam a empresa de fazer determinados negócios no futuro.

O que é exigido de cada perfil?

As competências necessárias para ter sucesso na carreira tributária dependem da vertente escolhida pelo advogado, explicam Dable e Sapiro.

Para a área consultiva, além do bacharelado em Direito e registro na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), é importante ter experiência em empresas de contabilidade, pós-graduação (MBA ou lato sensu) em direito tributário ou até mesmo uma segunda graduação em ciências contábeis. “Você precisa saber ler um balanço, fazer cálculos, entender o suficiente de economia, contabilidade e finanças para discutir decisões com o seu cliente”, diz Sapiro.

Inglês fluente é obrigatório, já que esse advogado frequentemente trabalha para multinacionais e precisa conversar com investidores estrangeiros.

Já na vertente contenciosa, a formação exigida costuma ser mais acadêmica. “Além de graduação e OAB, é importante ter um diploma de pós-graduação stricto sensu, como mestrado e doutorado, ou um LLM [Master of Laws]”, diz Dable. Muitos profissionais dessa área que trabalham em escritório também dão aulas na universidade.

A principal exigência para quem trabalha na esfera contenciosa é conhecer profundamente o Processo Civil. Também é essencial compreender o funcionamento de tribunais e órgãos administrativos e saber se posicionar bem perante um juiz, explica a sócia da Salomon Azzi.

O domínio do inglês, ao contrário do que ocorre com o advogado tributário consultivo, não é tão preponderante.

E a matemática?

De acordo com Vanessa Canado, professora de direito tributário na Fundação Getúlio Vargas (FGV) e sócia do escritório CSMV, o advogado que pretende atuar na área tributária precisa, sim, ter gosto por números, mas não precisa ser um gênio do cálculo.

“A matemática exigida no nosso cotidiano é aquela que aprendemos no ensino médio, não vai muito além das quatro operações básicas”, explica ela. Ainda assim, faz bem ter conhecimentos de matemática financeira. O grau de familiaridade com os números também pode ser mais exigido por alguns clientes do que por outros.

De forma geral, o advogado tributário é mais cobrado no quesito numérico quando atua na frente consultiva. “Quando você atua com negócios, contratos e operações de fusões, é preciso ter um olhar mais interdisciplinar, ao contrário do advogado contencioso, que se preocupa mais com o Direito puro”, afirma a professora da FGV.

Ainda assim, ressalta Bruno Lourenço, da Vittore, até o advogado ou estudante de Direito que não pretende trabalhar na área de direito tributário precisa derrotar, de vez, a má vontade com a matemática. “Qualquer que seja sua especialidade, o advogado está sendo cada vez mais cobrado nesse sentido”, explica. “Ele precisa falar a língua dos números com seus clientes e mostrar o impacto financeiro de uma decisão em qualquer âmbito”, explica.

Um estudo feito em 2014 por professores da Universidade de Harvard reforça o recado. Os pesquisadores perguntaram a 124 advogados de 11 grandes escritórios dos Estados Unidos quais eram as disciplinas mais importantes da grade curricular de um aluno de Direito. A resposta da maioria foi “Análise de declarações financeiras e contabilidade”.

Vagas e salários

O cenário para quem se interessa por direito tributário é bastante animador — qualquer que seja a especialidade escolhida.

A demanda do mercado pelo profissional contencioso, que estava adormecida nos últimos anos, está passando por um renascimento na visão da professora Vanessa Canado, da FGV. “Os tribunais têm acatado mais frequentemente as teses dos contribuintes, o que tem gerado trabalho para quem vai defendê-los diante do juiz”, explica.

A oferta de oportunidades para o advogado consultivo — o mais requisitado atualmente, segundo Dable e Sapiro, da consultoria Salomon Azzi — está atrelada à aceleração dos negócios, o que ocorre em tempos de bonança econômica, ou então à necessidade de cortar custos, condição própria da crise. Conclusão: em qualquer momento pode haver demanda.

Em ambos os casos, a preocupação com medidas anticorrupção e compliance também melhora a empregabilidade para quem atua na área. Afinal, mais empresas buscam se precaver contra eventuais prejuízos financeiros em caso de irregularidade fiscal.

A valorização do advogado especializado na área tributária também se reflete na sua remuneração. Ao contrário de outras áreas do direito, em que há uma forte saturação na oferta de mão de obra, a falta de advogados com disposição para lidar com números joga os salários para cima.

Um estudo recente da consultoria de recrutamento Robert Half traz as seguintes projeções para profissionais de Direito tributário no Brasil em 2017:

Tributário contencioso

(clique na imagem para ampliar)

Tributário consultivo

(clique na imagem para ampliar)

Por Claudia Gasparini
Fonte: Exame

Impedimento do exercício da advocacia por parlamentar independe de esfera de poder

goo.gl/erfHNX | A regra que impede o parlamentar de atuar como advogado contra ou a favor de ente público, prevista no artigo 30 do Estatuto da Advocacia, independe de esferas de poder.

Com esse entendimento, a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu embargos de divergência para declarar a ausência de capacidade postulatória de um deputado estadual que atuou como advogado durante o exercício do mandato. O parlamentar atuou a favor de uma empresa de saúde em ação que discutia a cobrança de ISS pelo município de Manaus.

Na decisão embargada, a Primeira Turma do STJ entendeu que a proibição do estatuto não alcançaria outros entes além daquele em que o advogado exerce seu mandato eletivo. Portanto, se o advogado era deputado estadual e a causa envolvia o poder municipal, não estaria configurado o impeditivo.

Impedimento expresso

Para o ministro Og Fernandes, relator do caso na Primeira Seção, o Estatuto da Advocacia é “categórico” ao proibir o exercício profissional para os advogados que são membros do Poder Legislativo, “em seus diferentes níveis, contra ou a favor das pessoas jurídicas de direito público, empresas públicas, sociedades de economia mista, fundações públicas, entidades paraestatais ou empresas concessionárias ou permissionárias de serviço público”, não havendo, segundo ele, “qualquer ressalva em sentido contrário”.

Dessa forma, concluiu o relator, deve prevalecer o acórdão apontado como paradigma, da Segunda Turma do STJ. O ministro destacou que a própria Primeira Turma, em outra ocasião, decidiu no sentido da proibição do exercício da advocacia por parlamentar em qualquer hipótese que envolva o poder público.

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s): EAREsp 519194

Fonte: stj jus

Rede TV terá de indenizar o cantor Latino por rescisão antecipada de contrato

goo.gl/aZeFMa | A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por unanimidade de votos, manteve decisão que condenou a TV Ômega Ltda. (Rede TV) a pagar R$ 500 mil ao cantor Latino, referente à multa proporcional pela rescisão antecipada de contrato anual.

Latino moveu ação contra a emissora com pedido de indenização de R$ 1 milhão, em razão de o contrato para realização de programa televisivo prever esse valor como multa compensatória pela parte que viesse a dar causa ao rompimento antecipado da relação jurídica.

A sentença, confirmada no acórdão de apelação, considerou o fato de o contrato ter sido cumprido por seis meses e condenou a emissora ao pagamento de R$ 500 mil, referente à multa proporcional pela rescisão antecipada do contrato, devidamente corrigida a partir do ajuizamento da ação e acrescida de juros contados da citação.

Obrigação principal

Para a emissora, houve excesso no valor da multa contratual. Em fevereiro de 2013, com a incidência de correção monetária e juros moratórios, o montante já passava de R$ 1,8 milhão, quantia que, segundo a Rede TV, não seria condizente com o valor da obrigação principal.

A emissora sustentou que o valor da multa deveria ficar limitado ao total da remuneração estipulada no contrato de prestação de serviços, descontando-se o que já foi pago.

O relator, ministro Luis Felipe Salomão, reconheceu que apesar de a cláusula penal ser fruto de convenção entre os contratantes, a sua fixação pode ser reduzida judicialmente se o montante da penalidade for manifestamente excessivo.

“A cláusula penal deve ser proporcional ao dano sofrido pela parte cuja expectativa fora frustrada, não podendo, sob essa ótica, traduzir valores ou penas exorbitantes ao descumprimento do contrato. Caso contrário, poder-se-ia consagrar situação incoerente, em que o inadimplemento parcial da obrigação se revelasse mais vantajoso que sua satisfação integral”, disse o ministro.

Equidade

No caso apreciado, entretanto, Salomão entendeu pela manutenção do acórdão, por aplicação do princípio da equidade. Segundo ele, caso fosse acolhida a tese da emissora, o valor da multa teria limites diferentes a depender do transgressor. Para o artista, seria o valor da remuneração anual prevista no contrato; para a emissora, a quantia de R$ 1 milhão poderia ser considerada insuficiente diante dos prejuízos experimentados.

“Malgrado a redução determinada pelo Código Civil (artigo 413) não seja sinônimo de redução proporcional (mas sim equitativa), sobressai a razoabilidade do valor estabelecido pelas instâncias ordinárias, o qual se coaduna com o propósito inserto na cláusula penal compensatória: prévia liquidação das perdas e danos experimentados pela parte prejudicada pela rescisão antecipada e imotivada do pacto firmado, observadas as peculiaridades das obrigações aventadas”, concluiu o relator.

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s): REsp 1466177

Fonte: stj jus

Advogada é presa em flagrante com munições na bota após se envolver em confusão

goo.gl/eXZKbm | A Polícia Militar prendeu em flagrante por porte ilegal de munições de arma de fogo uma advogada, no distrito de Floresta do Sul, em Presidente Prudente, na noite desta quarta-feira (21). Com ela, foram encontradas duas cápsulas de calibre aparente 635.

De acordo com as informações do Boletim de Ocorrência registrado na Delegacia Participativa da Polícia Civil, os policiais militares foram acionados por populares para atender a uma ocorrência de desentendimento entre a advogada e uma moradora do distrito de Floresta do Sul.

Segundo o BO, a advogada estava em Presidente Prudente desde o último fim de semana para visitar o filho que está preso na Penitenciária de Martinópolis pela prática de roubos. Com endereço em Ribeirão Pires (SP), ela estava hospedada na casa de uma mulher com quem se desentendeu em Floresta do Sul e cujo marido também está preso na mesma penitenciária.

Como os populares disseram que a advogada possivelmente estava armada, a PM realizou busca pessoal e encontrou as duas munições na bota que ela calçava. Como não possuía documentação que lhe autorizava a portar aquelas munições, a mulher recebeu voz de prisão em flagrante e precisou ser algemada pela PM porque resistiu à abordagem, segundo o BO.

A advogada estava com um veículo VW Gol no qual havia uma Bíblia dentro da qual foram encontradas 42 folhas de cheques que acabaram apreendidas pela polícia, a maioria nominal à mulher presa. O aparelho celular da advogada também foi apreendido.

A ocorrência foi apresentada na Delegacia Participativa, onde a Polícia Civil decretou a prisão em flagrante da advogada e ainda arbitrou-lhe uma fiança de R$ 1 mil para responder ao caso em liberdade. No entanto, até o término da elaboração do BO, o valor não foi recolhido.

Fonte: g1 globo

Justiça condena internautas por 'curtir' e compartilhar post no Facebook

goo.gl/1wj9tR | Ao curtir ou compartilhar algo no Facebook o usuário mostra que concorda com aquilo que está ajudando a divulgar. Levando esse fato em consideração, o Tribunal de Justiça de São Paulo incluiu os replicadores de conteúdo em uma sentença, fazendo com que cada um seja condenado junto com quem criou a postagem.

O caso foi relatado pela colunista da Folha de S. Paulo Mônica Bergamo, segundo a qual a decisão, inédita, será recomendada como jurisprudência para ser aplicada sempre que uma situação semelhante surgir.

O processo em questão envolve um veterinário acusado injustamente de negligência ao tratar de uma cadela que seria castrada. Foi feita uma postagem sobre isso no Facebook e, mesmo sem comprovação de maus tratos, duas mulheres curtiram e compartilharam. Por isso, cada uma terá de pagar R$ 20 mil.

Relator do processo, o desembargador José Roberto Neves Amorim disse que "há responsabilidade dos que compartilham mensagens e dos que nelas opinam de forma ofensiva". Amorim comentou ainda que a rede social precisa "ser encarado com mais seriedade e não com o caráter informal que entendem as rés".

Fonte: olhardigital uol

Oportunidade profissional: 30 concursos públicos oferecem salários de até R$ 24,8 mil

goo.gl/5PfdtB | Para quem quer seguir carreira pública, veja os concursos públicos com inscrições abertas. As oportunidades profissionais estão espalhadas por todas as regiões do país.

SUL E SUDESTE

SP – Prefeitura de Osasco
São mais de 1,2 mil oportunidades de nível médio e superior. Há vagas de nível superior para analista de negócios, analista de sistemas, analista financeiro, arquiteto, auditor, contador, dentista – diarista, economista, engenheiro agrônomo, engenheiro civil, engenheiro de segurança do trabalho, professor de educação básica II nas disciplinas de educação artística, educação física e inglês, procurador – classe I, e médicos em diversas especialidades.

Salário: até 6.051,89 reais.
Inscrições: até 23 de junho  pelo site do Indepac

SP – Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo (CREA-SP)
Há 9 oportunidades e formação de cadastro reserva para os níveis superior e médio. Os cargos para quem tem diploma superior são de analista advogado, analista contábil-financeiro, analista administrativo, analista de recursos humanos e analista de tecnologia da informação.

Salário: até 8.385,48 reais
Inscrições: até 7 de julho pelo site Nosso Rumo

SP-  Ministério Público de São Paulo
São 67 vagas para promotor substituto. É preciso ter bacharelado em direito e no mínimo três anos de atividade jurídica de experiência.

Salário: 22 mil reais
Inscrições: até 11 de julho pelo site do Ministério Público

SP – Prefeitura de Jundiaí
Há três oportunidades para nível superior. O cargo disponível é de auditor fiscal de tributos municipais. Para se candidatar, é preciso ter graduação completa em administração, ciências
contábeis, economia, matemática ou direito, além de experiência profissional de seis meses.

Salário: até 9.181,48 reais
Inscrições: até 13 de julho pelo site do Ibam

RJ Prefeitura de Nova Petrópolis
São 17 vagas para nível fundamental, médio e superior. Há vagas para agente, médico, operário, entre outras.

Salário: 10.848,76 reais
Inscrições: até 29 de junho pelo site da Objetivas

RJ Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro
São 12 vagas destinada a quem tem ensino médio e superior. Há vaga para técnico administrativo, analista de TI, contador, entre outras.

Salário:  até 5.346 reais
Inscrições: até 30 de junho pelo site do IGD

MG – Prefeitura de Alvarenga
São 32 vagas para níveis fundamental, médio e superior. Há oportunidades para enfermeiro, psicólogo, odontólogo, médico, educador físico, entre outras.

Salário: até  9.307,17 reais
Inscrições: até 26 de junho pelo site Máxima Auditores

MG – Prefeitura de Alto Rio Doce
Há 10 oportunidades para quem tem diploma superior ou médio. As vagas são para farmacêutico NASF, médico da saúde da família PSF, técnico de referência assistente social, agente comunitário de saúde PSF e auxiliar em saúde bucal PSF.

Salário: até 10.400 reais
Inscrições: até 7 de julho pelo site da Amma Barbacena

MG – Polícia Militar de Minas Gerais
O concurso oferece 39 oportunidades para nível superior. As vagas são para farmacêutico, enfermeiro, fisioterapeuta (especialidade respiratória) e médico (clínica geral, cirurgia torácica, pediatria, angiologia/cirurgia vascular, neurocirurgia, otorrinolaringologia).

Salário: até 8.874,60 reais
Inscrições: até 19 de julho pelo site da PM-MG

ES – Prefeitura de Vitória
Há 15 vagas para médico nas seguintes especialidades: angiologista, cirurgião geral, endocrinologista, infectologista, médico PSF, neurologista, oftalmologista, ortopedista, otorrinolaringologista, proctologista, psiquiatra, urologista, clínico (diarista e plantão) e pediatra (diarista e plantão).

Salário: 8.270,82 reais
Inscrições: até 27 de junho pelo site da prefeitura

PR – Itaipu Binacional
São 12 vagas para nível fundamental, médio e superior para trabalhar em Foz do Iguaçu.  De nível superior há oportunidades na área de administração, informática, engenharia cartográfica e comunicação social.

Salário: até 6.602,74 reais
Inscrições: até 11 de julho pelo site da Universidade Federal do Paraná, Núcleo de Concursos

SC – Prefeitura de Laguna
São 42 oportunidades para níveis fundamental, médio e superior. Há vagas para médico, nutricionista, psicólogo, odontólogo, enfermeiro.

Salário:  até 8.188,08 reais
Inscrições: até 22 de junho pelo site de concursos da Faepesul

SC – Prefeitura de Balneário Gaivota
Há vagas para todos os níveis, inclusive para engenheiro químico, nutricionista, enfermeiro, médico e orientador social.

Salário: até 11.160,45 reais
Inscrições: até 27 de junho pelo site da Faepesul

SC -Prefeitura de Armazém
São 15 vagas para níveis fundamental, médio e superior. De nível superior há vagas para farmacêutico, médico.

Salário: até 9.896,65 reais
Inscrições: até 10 de julho pelo site IOBV

SC – Prefeitura de Santa Cecília
Há 71 oportunidades para profissionais com todos os graus de escolaridade. Os cargos disponíveis incluem os de enfermeiro, engenheiro civil, engenheiro em segurança do trabalho, fonoaudiólogo, médico, nutricionista, entre outros.

Salário: até 14.688,81 reais
Inscrições: até 13 de julho pelo site da SC Treinamentos

RS – Câmara Municipal de Guaíba
São 3 vagas, duas para auxiliar administrativo e uma para procurador.

Salário: até 6.125,81 reais
Inscrições:  até 26 de junho pelo site Legalle Concursos

RS – Universidade Federal de Pelotas (Ufpel)
Há 11 vagas para professor do magistério superior nas seguintes áreas: geociências, geodésia e geotécnica, representação gráfica, prescrição de exercícios físicos para grupos especiais, economias agrárias e dos recursos naturais/crescimento, flutuações e planejamento econômico/economia regional e urbana, zootecnia/pastagem e forragicultura, direito civil, teoria geral do processo e direito processual civil, saúde coletiva e psicologia médica e psiquiatria.

Salário: até 9.114,67 reais
Inscrições: até 27 de junho pelo site da Ufpel

RS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Há vagas para docentes em áreas como biologia, geografia, ciências da computação, engenharia, entre outras.

Salário: até 9.570,41 reais
Inscrições: até 3 de julho pelo site da UFRGS

RS – Prefeitura de Pelotas
O concurso oferece 162 oportunidades para os níveis superior, médio e fundamental, inclusive para enfermeiro intervencionista, engenheiro mecânico, médico perito, médico neurologista e médico veterinário.

Salário: até 5.547,87 reais
Inscrições: até 18 de julho pelo site da RBO Concursos

CENTRO OESTE

GO – Prefeitura de Carmo do Rio Verde
O concurso oferece 27 vagas para os níveis superior, médio e fundamental. Podem se candidatar enfermeiros, médicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, dentistas, psicólogos, entre outros profissionais.

Salário: 9,5 mil reais
Inscrições: até 29 de junho pelo site da Ethos

MS – Governo do Mato Grosso do Sul
São 210 vagas, 30 para delegado e 180 para agente de polícia (escrivão ou de investigador). Para delegado, a idade mínima para participar é de 21 anos e a máxima de 45 anos. É preciso ter formação em Direito.

Salário: até 14.978,26 reais
Inscrições: até 10 de julho pelo site Fapems

MS – Polícia Civil de Mato Grosso do Sul
O concurso oferece 210 oportunidades para nível superior. Os cargos disponíveis são de delegado de polícia e agente de polícia judiciária (investigador ou escrivão).

Salário: até 14,978.26 reais
Inscrições: até 10 de julho pelo site da Fapems

NORTE E NORDESTE

RN – Prefeitura de Major Sales
São 88 oportunidades de nível fundamental, médio e superior. Há vaga para advogado, assistente social, bioquímico, contador, enfermeiro, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, médico, odontólogo, nutricionista, odontólogo, professor, psicólogo.

Salário: até 6.000 reais.
Inscrições: até 25 de junho pelo site de concursos pelo site de concursos da Universidade Estadual da Paraíba

RN – Prefeitura de José da Penha
São 32 oportunidades para níveis fundamental, médio e superior.  Há vagas para assistente social, bioquímico, cirurgião dentista, educador físico, enfermeiro, engenheiro agrônomo, engenheiro civil, farmacêutico, fisioterapeuta, pedagogo, professor, psicólogo, entre outras.

Salário: até 6.000 reais
Inscrições: até 25 de junho pelo site de concursos pelo site de concursos da Universidade Estadual da Paraíba

RN – Prefeitura e Câmara de Portalegre
São 65 oportunidades de nível fundamental, médio e superior.

Salário: até 11.750,00 reais
Inscrições: até 25 de junho pelo site de concursos da Universidade Estadual da Paraíba

PB – Prefeitura de Patos
São 427 oportunidades para todos os níveis de escolaridade,  sendo que 240 vagas são para quem tem nível superior, com vagas para  assistente social, biomédico, cardiologista, enfermeiro, farmacêutico, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, gastroenterologista, hematologista, professores, entre outros profissionais.

Salário: até 12 mil reais
Inscrições: até 25 de junho pelo site de concursos da Universidade Estadual da Paraíba

PB – Prefeitura de Boqueirão
São 185 oportunidades para os níveis superior, médio e fundamental. Há vagas para biomédico, farmacêutico, médico, assistente social, dentista, nutricionista, professor, pedagogo, veterinário, entre outros profissionais.

Salário: até 6.715 reais
Inscrições: até 30 de junho pelo site da Educa PB

PE – Universidade de Pernambuco
São 388 vagas para nível médio e superior. Há oportunidades para o cargo de analista técnico em gestão universitária (para administrador, analista de sistemas, biólogo, dentista, enfermeiro, engenheiro, psicólogo, entre outras formações), assistente técnico em gestão universitária (para atendente de clínica odontológica, assistente administrativo, técnico em administração, contabilidade, entre outros)  e médico (cardiologista pediátrico, ginecologista e obstetra, entre outros).

Salário: até 7.514,74 reais
Inscrições: até 16 de julho pelo site da UPENet

AL – Universidade Federal de Alagoas (Ufal)
Há vagas para docentes efetivos nos campi de Maceió, Arapiraca e Sertão. As oportunidades são para áreas como medicina, engenharia, matemática, psicologia, economia, artes, entre outras.

Salário: até 9.585,67 reais
Inscrições:até 10 de julho pelo site da Copeve

RO – Ministério Público de Rondônia
São 10 vagas para promotor. Entre os requisitos,  é preciso ter concluído curso de Direito e também ter três anos de experiência.

Salário: 24.818,91 reais
Inscrições: até 10 de julho pelo site Concursos FMP

Por Claudia Gasparini
Fonte: Exame