Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Porte de armas para o cidadão de bem e a falácia do discurso de que a lei protege bandidos

goo.gl/bBfK5A | Em uma sociedade que regulamentou o porte de armas de fogo para o “cidadão de bem”, Márcio preparava-se para ir ao trabalho; selecionou a roupa adequada, tomou um banho demorado, pois se levantara cedo de seu leito, perfumou-se, alimentou-se, municiou sua arma e partiu.

Ao sair de casa, lembrou que talvez tivesse esquecido o celular, assim, apalpou os bolsos. Ufa, ele estava ali, no bolso esquerdo, a carteira no bolso de trás da calça, tudo estava em ordem.

O trânsito estava lento, o que oportunizou ao nosso “cidadão de bem” alguns momentos de reflexão, acerca da vida honesta que elegera para si, e os frutos advindos de sua semeadura justa.

- Ora, o ser humano é dotado de liberdade para escolher o caminho a trilhar, de tal modo que, não existe determinismo, não importando qual sua condição social, todos devem agir de acordo com os bons costumes.

Na realidade, o discurso, “esquerdista”, causava repulsa em Márcio, que não conseguia entender por que alguém defenderia com unhas e dentes um delinquente que elegeu para si a marginalidade.

A vida de Márcio era repleta de certezas, pois que, nosso “cidadão de bem”, encontrou na palavra evangélica de seu templo religioso, o amparo celeste ao seu modo de ser e sentir, e a certeza da salvação em uma eternidade de bênçãos na glória de Deus.

Em contrapartida, encontrou também amparo divino aos seus preconceitos, haja vista, a certeza de que, os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.

O caminho para o trabalho seguia calmo, com serenidade de mãe, na glória de Deus, até que o trânsito fluiu, requerendo de Márcio, mais atenção ao volante, o que lhe impossibilitou maiores ponderações. Assim, ligou o som do automóvel.

De plano, deleitou-se com o louvor da manhã. Era um homem de Deus, era um eleito, estava na paz do senhor, Glória, a Deus!

Estacionou na vaga de sempre, e rumou para o trabalho, mais alguns metros e estaria no seu destino, pelo que, viu, caminhando em sua direção, um jovem, maltrapilho, em atitude suspeita.

Neste momento, sentiu o atrito da arma de fogo com o seu quadril, pois esquecera até então, que ela estava ali, consigo; seu instrumento de proteção de “homem de bem”.

Assim que o jovem aproximou-se, deu voz de assalto, empunhando uma arma de fogo, exigindo-lhe o par de calçados.

Perdeu – Perdeu – O tênis – Rápido!

A descarga de adrenalina e cortisol na corrente sanguínea de Márcio reduziu sua visão periférica, havendo, apenas, o jovem, infeliz, a sua frente, e nada mais.

Agachou-se e tirou os sapatos, entregando-os ao jovem, ao tempo em que pensava aflito, se perderia a sua vida por um maldito par de sapatos, pelas mãos de um delinquente qualquer...

Viu o sorriso de malfeitor no semblante do jovem, quando este tomou posse dos calçados, e, as pernas de Márcio estremeceram quando o delinquente, dando dois passos para trás, com a arma ainda em punho, baixou-a, dando fim à ação delituosa e iniciando a fuga, a pé.

Instantaneamente, quando o jovem deu as costas, Márcio, que até então, era a vitima, puxou sua arma e disparou três vezes contra o delinquente, que caiu, sem vida, imerso em uma poça de sangue, com o par de calçados ao lado esquerdo do corpo e, a arma de fogo, ao lado direito.

Nos noticiários, a manchete era: “cidadão de bem” reage a assalto e mata bandido.

O resultado do porte de armas para o cidadão de bem....

Márcio acabara de tirar uma vida por um par de sapatos.

Com toda a ação filmada por câmeras de segurança, acabaria, ainda, indiciado por homicídio doloso.

O ordenamento jurídico protege bandidos? Não. O ordenamento jurídico protege a vida, para que não matemos, por um par de calçados.

Por Nelson Olivo Capeleti Junior
Fonte: Jus Brasil

48 comentários :

  1. Interessante o texto! Mas, ao meu ver, mostra apenas uma situação hipotética dentre inúmeras outras disponíveis. O fato de Marcio tirar uma vida por um par de sapatos deixa claro ser insignificante quanto ao bem material subtraído. Porém, o que dizer se fosse ao contrário? Acho eu que dificilmente um delinquente ira roubar um "cidadão de bem" em plena luz do dia, portando arma de fogo e requerendo apenas um par de sapatos. De fato houve extremo excesso por parte de Marcio em revidar uma injusta agressão que ja havia cessado de forma como aborda o texto e nesse ponto concordo com o autor. Entretanto, sabemos que nos dias de hoje é de probabilidade baixíssima que tal evento ocorra exatamente como abordado no texto. Complicado analisar uma questão de âmbito extremamente abrangente com uma situação hipotética tão restrita.

    ResponderExcluir
  2. Não é o cidadão de bem que legalmente colocou uma arma na cintura e assumiu o risco de matar... Mas o ladrão que foi roubar e assumiu os risco de morrer.

    Atirar pelas costas, nunca! O correto seria abordá-lo oportunamente, se o ladrão fizesse menção de sacar a arma novamente, pau nele! Sem mais.

    ResponderExcluir
  3. Nesse caso o assaltante não disparou contra a vítima, mas em muitos casos há disparo... E a morte é uma coisa que o bandido sabe que a qualquer tempo vai chegar, e no caso de quem procura mais cedo ainda...tem que ter porte de arma sim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito pra quem defende bandidos

      Excluir
  4. Respostas
    1. Sim. Perfeito para quem não entende nada do assunto...

      Excluir
    2. Perfeito mesmo! Mas é perfeito pra quem vive defendendo bandidos.

      Excluir
  5. Nelson Olivo Capeleti Junior, você ainda não entende o significado de conceitos como valor da vida, liberdade de escolha e legítima defesa. o porte de arma é algo que exige um preparo necessário. Quem não se achar competente para tal tem a LIBERDADE de não faze-lo. Quem entender que pode defender sua vida, patrimônio e de terceiros que o faça e arque com as consequências da escolha. No caso hipotético apresentado só existe uma vítima, o cidadão.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Infelizmente, pela legislação atual, o cidadão de bem acabará por ser condenado, perderá seu porte, etc, etc.... A legislação precisa ser mudada, no sentido de que esta situação se configure legítima defesa, pois o crime ainda estaria em andamento (fuga após o roubo), mesmo que a agressão já tenha cessado. Se isso acontecer (a mudança da legislação) esse tipo de situação não mais aconteceria!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correto!
      Mudar a legislação ajudaria na solução. Quando nós, cidadão de bem, cujo o autor tem dificuldade em aceitar ou enxergar por notório motivo, pudermos nos defender sem imposições punitivas pelo Estado, tricotado por notórios amantes e defensores de bandidos, as "coisas" começarão a melhorar em "terras brasilis".

      Excluir
  8. Texto superficial. Nada demais, muito drama.

    ResponderExcluir
  9. O resultado do porte de armas para o cidadão de bem....

    Márcio acabara de tirar uma vida por um par de sapatos... Sapatos estes que foram comprado com o suor do trabalho de marcio, para depois serem tirados a força por um meliante disposta a mata-lo tambem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão nem é o sapato, sim a vida de quem não procurou a morte... Márcio quase morreu por um par de sapatos,e defendeu a sua integridade física, não os sapatos.

      Excluir
  10. Rodrigo Nogueira15/9/17 08:31

    Ótimo!! Um marginal a menos na rua, que já deve ter tirado muitas vidas de pais de família e poderia matar outro no seu próximo assalto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Terrivel esse texto esquerdista e parcial! Mais uma vez a culpa é da vítima do assalto, que apenas reagiu, exercendo seu direito. Essa ideologia comunista podre tem que acabar. Inacreditavel ver pessoas letradas escrevendo tanta bobagem e sem nenhum proposito! Cidadao de bem armado sim!!!! Chega dessa hipocrisia utopica da esquerda idiota! Povo armado bandido lascado! E outra coisa, quero ver qual juri vai condenar alguem por se defender de um assalto! Perdeu a chance de ficar calado autorzinho...

      Excluir
  11. Texto parcial, que busca induzir o leitor a uma conclusão equivocada, coloca argumentos frágeis e insustentáveis a tese "que mesmo sendo cidadão de bem, este tirou a vida de outra pessoa por um par de sapatos " como dito em comentário anterior, o delinquente assumiu o risco das consequências. Resumindo, pega o mala e leva pra casa.

    ResponderExcluir
  12. Sr Nelson Olivo Capeleti Junior, peço-lhe perdão por comentar seu texto, mas, é por pessoas assim, que não se importam por um simples par de sapatos que lhe foram furtados e não reagem, que existem os ladrões, bandidos excomungados que são defendidos por profissionais que visam exclusivamente o dinheiro por seus serviços, que o mundo está assim.
    Os sapatos lhe custaram o suor de seu trabalho.
    O seu "defendido" estava exercendo o mais novo trabalho dele, o de ladrão. O "cidadão de bem" exerceu o direito dele, de defender-se.
    PORTE DE ARMA SIM, LIBERADO PARA "CIDADÃOS DE BEM"!!!
    Esteja na Paz de sua consciência, e também na Paz de Deus!

    ResponderExcluir
  13. Acredito que o ladrão optou por correr o risco de morrer, pois o caso hipotético acima narrado, nos dias de hoje é muito raro de ocorrer, pois os exemplos estão aí todos os dias nos noticiários, pessoas sendo estupradas dentro de suas casas sem nenhuma chance de defesa, cidadãos sendo mortos por motivos extremamente fúteis. Como bem narrado no texto "o ser humano é dotado de liberdade para escolher o caminho a trilhar".

    ResponderExcluir
  14. Se esse delinqüente estivesse trabalhando não precisaria de uma amar para ter um tênis. O Márcio sim acordou cedo e estava indo trabalhar, armado, mas com o tênis que ele pagou com o suor do trabalho. Mas o Maecio poderia fazer diferente, entrar na casa dos seus parentes, armado, lógico para roubar um par de tênis. Mas não ele acha melhor trabalhar e comprar. Ele anda armado pq se um lixo vir roubar e ele não entregar vai morrer.

    Inversão de valores. Quem não quer, não entra nessa....

    Fico pensando em todos roubando de todos como seria.... Tranquilo ne.
    VtC.

    ResponderExcluir
  15. Melhor ser julgado por sete que carregado por seis.

    Texto imbecil com o intuito de imbecilizar os que trilham os caminhos da imbecilização.

    ResponderExcluir
  16. Agora troque o nome Márcio, por Márcia, é ao invés de assalto seria uma tentativa de estupro. E ai, Márcia tem que ficar de Boa e ser estuprada pelo delinguente infeliz que nao teve outra oportunidade em sua vida a não ser estuprar? Ai o delinguente guarda a pistola dentro da calça e Márcia depois de ser estuprada, saca sua arma e atira 3 vezes. Dessa forma ela se torna culpada(???)

    Tomara que Márcia não seja mãe, irma, parente ou qualquer outra coisa do autor do texto acima, pois provavelmente ele estaria muito preocupado com a infeliz vida do delinguente, enquanto caga para Márcia.

    ResponderExcluir
  17. Evangélicos não dão "este" valor a Maria, mãe de Jesus. Partindo desse deslize, pode-se notar, que propositadamente o autor pesou a mão no texto. ��

    ResponderExcluir
  18. Primeiro apesar de estar muito bem escrito esse texto desconsidera algumas variantes na discussão, o que faz ele fugi bastante do foco do direito concentrando em uma critica aos conservadores(estereotipados). Inicialmente deve-se considera o ofendículos(direito de usar a força para proteger seu bem) ou seja é garantido no Brasil que para proteger seu bem pode-se usar a força então qual a diferença de um revolve para uma faca ou cerca elétrica, segundo o porte menos restrito de arma não indica que as pessoas vão usar-las, nem todo mundo é psicologicamente preparado para isso, e por fim o Brasil e a Venezuela são os únicos países a terem um estatuto do desarmamento(o que não quer dizer que não exista limites em outros países) indicando que todo essa regulamentação exagerada é não é necessariamente positiva.

    ResponderExcluir
  19. Colocou cidadão de bem entre aspas, já sei que defende marginal.

    ResponderExcluir
  20. Seu delinquente vai pensar duas vezes antes de assaltar tênis se o cidadão de bem estiver armado. Demais, seu delinquente querido poderia matar alguns dias depois, só para aumentar sua fama no mundo do crime e seguir uma "brilhante carreira" criminosa, roubando, estuprando, torturando e matando inocentes devido a inegável impunidade que lamentavelmente domina o Brasil. PL3722/2012 JÁ!

    ResponderExcluir
  21. Esse jovem roubou um par de tênis hoje, amanhã pode matar ou estuprar alguém da família de quem o defende. Bandido bom é bandido morto, independente da situação. Porte a todo cidadoes do país.

    ResponderExcluir
  22. Falácia é esse texto inteiro que só implica achismos e cria fanfics

    Se a pessoa coloca o termo "cidadão de bem", já sei que defende vagabundo

    ResponderExcluir
  23. Bastava ter negado pro BANDIDO ter atirado. Não, a lei protege bandido. Se não tivesse disparado contra o Bandido este tomaria de assalto outros cidadãos, pagadores de imposto e que não merecem passar por situações de estresse e medo por um simples par de tênis.

    ResponderExcluir
  24. primeiro ele não matou o bandido. ele só atirou, o verme morreu porque quis. o cidadão de bem fez um grande serviço para o nossa sociedade, de forma corretiva e preventiva. corretiva não apenas pelo fato de ter retirado de circulação um verme, peso morto para sociedade, mas pelo fato de ter evitado diversas mortes de inocentes que poderiam ser causadas pelo verme. ( o autor do texto coloca como se essa fosse a primeira e última vez que a vítima da sociedade iria roubar.) preventivamente pelo fato de mostrar aos jovens que iriam parar na vida do crime, fazendo eles terem uma vida digna. ou seja, isso não é apenas uma mera limpeza urbana, e sim um grande bem para toda sociedade!

    ResponderExcluir
  25. quando roubar outro texto de um aluno de terceira série do ensino fundamental, favor colocar os créditos.

    ResponderExcluir
  26. Porte a todos cidadão de bem!

    ResponderExcluir
  27. É pensando e escrevendo de forma tão piegas, sonhadora, de um mundo maravilhoso de Alice, que os senhores protagonistas do direito brasileiros, QUE PROTEGE BANDIDOS E CORRUPTOS, que chegamos a 60.000 assassinatos por ano. Lamentável o baixíssimo horizonte de consciência desses aplicadores do direito brasileiro. Pensam que os Cidadãos do Bem ( que prefiro ao de bem), são um bando de zé mané sem um mínimo de auto controle. Quem não tem limites e auto controle são bandidos e militantes de esquerda. Todos bem protegidos por um corpo jurídico altamente contaminado pelo ideologia marxista. Cansamos de vocês, suas opiniões são irrelevantes.

    ResponderExcluir
  28. Até que algum "vítima da sociedade", "filhote da Maria do R." mate alguém da família do autor, aí talvez esse discurso pra boi dormir mude.

    ResponderExcluir
  29. Onde negativo seu texto?!?

    ResponderExcluir
  30. Enquanto que a realidade é, cidadão de bem desarmado morre por um par de sapatos.

    ResponderExcluir
  31. Uma estória da "carrochinha" bem legal, mas falsa. O que acontece todos os dias nas ruas é vagabundo matando o cidadão de bem, e não entre aspas como coloca o "nobre" jornalista. E eles matam por celular, por tênis, por 10 reais ou só por matar mesmo. Então quem não quer se defender, pode e deve andar desarmado, mas não pode cercear o DIREITO à legítima defesa do próximo.

    ResponderExcluir
  32. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  33. Pena que não há como desLer uma canalhice dessas. Quem valorou a vida pelo par de tênis foi o marginal safado. Quando o cidadão de bem (sem aspas, viu???) deu o troco e mandou-o para o colo do Capeta, (1)- recuperou seu par de tênis, o que era seu direito, pois que o havia comprado, (2)- livrou a Sociedade de um lixo humano que - muito provavelmente - ainda teria feito mal a muito mais gente, (3)- reduziu a zero o risco de reincidência do meliante e também a zero o potencial de oneração do Erário com medidas reeducativas. Solução perfeita. Parem com esse garantismo canalha, antes que isso nos leve a uma guerra civil. #ArmasPelaVida #PL3722Já #ReformaDoCódigoPenalJá #LegítimaDefesaÉDireitoNatural

    ResponderExcluir
  34. Ninguém mandou ficar roubando por ai. É apenas menos um merda nas ruas. O mais triste é que o cara ainda acaba sendo preso.

    ResponderExcluir
  35. Depois de lido o texto acima perdi completamente o conceito de legítima defesa. Efetuar tiro de arma de fogo contra uma fonte de ameaça a qual também está portando arma de fogo, e ainda lhe subtrai um bem mediante a grave ameaça? se isso não é legítima defesa, então que se rasgue todos os postulados e decisões jurídicas até então. Só imagino se a situação hipotética acima se apresentasse como putativa. Pobre vítima...

    ResponderExcluir
  36. Um assaltante ao ver uma matéria parcial dessa, ele comemora com sorriso de orelha a orelha de tanta felicidade, por ter alguém do lado deles. De que lado vcs estão? Esse discurso de ser a favor da vida, que vida?(VIDALOKA) só se for.

    ResponderExcluir
  37. Mas é de uma infelicidade tamanha escolher um tema desse no atual quadro de caos em que a segurança pública e a sociedade como um todo se encontra. É no mínimo medíocre pedir esse tipo de reciocínio e pensamento "legal" no anúncio de um assalto e na iminência de a vítima (a verdadeira vítima, o cidadão) ser morta por crime contra seu patrimônio/vida. Eu sonho um dia esse tipo de pensamento ter sentido aqui por essas bandas; um dia em que andaremos na rua sem medo, que dormiremos com portas destrancadas sem medo de perder nossos bens ou nossa vida. Mas por enquanto, esse tipo de texto só serve pra provocar ainda mais esse radicalismo social e zombar da cara da sociedade, refém da bandidagem generalizada.

    ResponderExcluir
  38. Texto babaca, tenho até preguiça de refutar tanta coisa idiota escrita em um mesmo texto.

    ResponderExcluir
  39. "O ordenamento jurídico protege a vida, para que não matemos, por um par de calçados."

    Esqueceram de avisar aos bandidos, que não raro, atiram na vítima por el só ter 10,00 no bolso.

    ResponderExcluir
  40. Entonces o "assassino evangélico" matou covardemente um pobre ladrão que estava armado. O que faz um pobre ladrão e bom samaritano andar armado?

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!