Traumas irreparáveis - Alienação Parental: um ato perverso, contra um(a) inocente

4 comentários

4 comentários

  1. Qual é o processo para conseguir a isenção? Quanto tempo leva? E se a loja de recusar em vender a quem devo recorrer?

    ResponderExcluir
  2. Falam falam sobre alienação parental. E quando o próprio pai nao tem interesse em ver o filho?? E aii??
    Eu entrei com mediação para regularizar as visitas, pois o pai nao vinha ver o filho, e mesmo assim continua nao vindo e agora alega que eu que prejudico as visitas...
    Onde esta a lei pra esse tipo de pessoa.
    Que fica 6 meses sem ver o filho e qdo “aparece fica menos de 24 horas com ele. Isso o pai estando de férias, e o filho de férias escolares.
    Tem lei pra isso?
    Nao neh??
    Dai o filho la na frente nem reconhece o pai, e ainda vão dizer que é alienação parental.
    Me poupe Brasil!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que o comentário acima do "Anônimo 13/7/18 01:33" se enquadraria como abandono afetivo, que poderá futuramente ser ajuizada uma ação contra esse pai e gerar indenização contra ele.
      Existe sim pais que não ligam para seus filhos, mas isso não quer dizer que quando este for rejeitado pelo filho será considerado alienação parental. Já temos decisões a respeito, onde o filho se nega a manter o contato com o pai e nem por isso foi configurada a alienação parental no caso.
      Tudo dependerá de uma avaliação psicológica, de todo o contexto, afinal cada caso é um caso.
      Porém, não é porque um pai não mantém contato ou tem pouco contato com o filho, que a mãe está livre para denegrir a imagem dele frente a criança, ou então quando o pai tentar contato com o filho ser impedido pela mãe, nesse contexto será enquadrado como alienação parental.

      Excluir

Agradecemos pelo seu comentário!