Acompanhe o novo site direitonews.com.br

Se você tem ou quer ter tatuagem, não deixe de ler esse artigo! (Parte 5) - Por Diorgeres Victorio

8 comentários
goo.gl/Mtc5if | Conforme prometido, darei continuidade à “problemática das tatuagens”. Se você não leu as partes anteriores da série, basta clicar nos links a seguir: Parte 1, Parte 2, Parte 3 e Parte 4.

PJL

Importante mencionar que essas letras a princípio mencionavam ligação com o CV (Comando Vermelho), também conhecido como CVRL (Comando Vermelho Rogério Lemgruber[1]) tendo em vista a expressa menção em documentos das palavras Paz, Justiça e Liberdade (PJL) e diversas pichações em territórios dominados por essa organização criminosa.

Outro fato muito interessante é que a Folha de São Paulo e alguns ditos especialistas costumam dizer que o PJL é encontrado no Estatuto do PCC. Vejamos o que diz o Primeiro Estatuto do PCC:
Art. 16 – (...) Conhecemos nossa força e a força de nossos inimigos Poderosos, mas estamos preparados, unidos e um povo unido jamais será vencido. LIBERDADE! JUSTIÇA! E PAZ! (Diário Oficial do Estado, Poder Legislativo, São Paulo, 107 (93), terça-feira, 20 de maio de 1997-5 (g.n.)
Importante mencionar que eu já tinha feito essa observação anteriormente em outro artigo:
“Alguns 'especialistas' dizem que o PCC tem o mesmo lema do CV. Ledo engano, na verdade possui o inverso do lema do CV. (PCC = L, J e P (LIBERDADE! JUSTIÇA! E PAZ) (CV = P, J e L (PAZ, JUSTIÇA e LIBERDADE). Importante também frisar que o Comando Vermelho tem esses princípios e também cinco pilares (L.R.L.J.U.) segundo nos informa o Estatuto em vigor no ano de 2013”.
Há muita diferença entre LJP do Primeiro Estatuto do PCC com o PJL do CV. Na verdade, a ordem das letras está ao contrário. Mister se faz mencionar que as siglas desses “lemas”, tanto do Primeiro Comando da Capital como do Comando Vermelho, sofreram mudanças, tendo em vista que essas organizações criminosas tiveram alterações em seus líderes e objetivos.

Sei que faixas com as siglas PJL ou escrito “Paz, Justiça e Liberdade” são levantadas pelos presos nas unidades prisionais durante as rebeliões no Estado de São Paulo. Contudo, não posso deixar de lembrar que o slogan do PCC, na verdade, é o que consta em seu Primeiro Estatuto: Liberdade, Justiça e Paz (LJP).

Acredito que na época dessas rebeliões eles provavelmente levantavam essas “bandeiras” com o objetivo de demonstrar também vínculo com o Comando Vermelho, até mesmo porque, conforme demonstrei em um artigo, consta no Primeiro Estatuto do PCC que no período as duas facções estavam em coligação.

Talvez tenha sido um erro de quem elaborou o estatuto do PCC, ao invés de colocar Paz, Justiça e Liberdade (PJL), ter colocado Liberdade Justiça e Paz (LJP). Se isso ocorreu, somente quem elaborou o documento, ou mesmo os fundadores do Partido do Crime daquela época, poderão nos confirmar. O resto é só suposição. E, para nós, operadores do direito, é terminantemente proibido trabalhar desse modo.

Mas, voltando ao tema das tatuagens, vejamos o que o Tribunal de Justiça de São Paulo tem a nos dizer sobre a tatuagem com a sigla PJL:
Diante disso, a vítima foi chamada à Delegacia de Polícia e reconheceu pessoalmente o apelante como sendo um dos autores do crime, sobretudo pela sua voz e pela tatuagem bem específica que ostenta em sua mão, com as inscrições 'PJL', que significa 'paz, justiça e liberdade', sendo que tais inscrições geralmente são de facções criminosas.” (Apelação nº 0000174-11.2012.8.26.0318, da Comarca de Leme) (g.n.)

SÃO JORGE

É conhecido na umbanda/candomblé como Ogum/Ogun (saudação “Ogunhê”), em virtude do sincretismo religioso.

O orixá (umbanda/candomblé ) da guerra, da coragem, o protetor dos templos, das casas, dos caminhos, Jorge nasceu na Capadócia em 275 (doutrina católica). É muito adorado no cárcere. Muitos ali o procuram visando proteção e por ser um “abridor de caminhos”.

Vi diversas das tatuagens de nos presos. Vi paredes com desenhos representando São Jorge, e encontrei, quando realizava revistas em celas, várias das orações dele coladas em paredes das celas e em pertences de presos.

A foto abaixo já demonstra a importância de São Jorge no cárcere. E vejam que interessante: o “abridor de caminhos” (segundo o Candomblé e Umbanda) está pintado na porta da cela. A mesma porta que um dia será (ou foi) aberta para os colocá-los em liberdade, “abrindo assim o caminho”, conforme pregado pelas religiões afro.

Eis aí a representatividade de São Jorge no cárcere.


NOTAS

[1] A sigla RL é uma homenagem a “Rogério Lemgruber” (vulgo Bagulhão), um dos fundadores da Falange Vermelha, que posteriormente gerou o Comando Vermelho. Comprometo-me a contar a história das falanges e do Comando Vermelho em outras oportunidades, dando continuidade aos estudos das facções criminosas brasileiras.

Por Diorgeres de Assis Victorio
Fonte: Canal Ciências Criminais

8 comentários

  1. Caro Sr Diorgeres Victorio, nao consegui deixar de notar sua exposição da Imagem(tattoo) de São Jorge da Capadócia sincretizado com o Orixá Ogum que realmente, para nós umbandista/Camdomblecista, é um orixá dos caminhos é ele quem abre os caminhos junto com orixá Exu(Bará. Nesta reportagem com intuito de formar pessoas de carater, honestas e bom exemplos a sociedade ficou evidente uma intolerancia religiosa, somente a partir de seu texto poderia dizer qual sua crença. O fato de ter imagens com associação ao Santo São jorge ou Orixá Ogum não faz da pessoa criminosa e muito menos que leva ou levou a vida em carcere, mas demonstra que muitos que vivem em carcere privado são religiosos seja o credo que for, posso eu estar em uma cela e pintar a imagem do Ogum e pedir que abra as portas para mim porque é de minha crença, assim como posso ser cristão e ter um crucifixo ou a imagem de Maria ou Jesus e orar pela liberdade. Infelizmente sua materia tem um teor de marginalização da cultura Afro e este é um dos principios de tanta violencia religiosa, esta materia instiga a alusão da cultura afro ao crime e fomenta os crimes de odio contra uma "minoria". Fica claro sua indignação pelo fato do preso estar solicitando auxilio a uma entidade, porém, você tem uma imagem de um santo catolico e, pergunto, com qual base afirma que é o orixá Ogum? e se for, você acha injusto um crente solcitar auxilio a uma entidade? se fosse uma imagem de Jesus ou Maria qual seria sua indagação?

    ResponderExcluir
  2. Prezado Douglas Mascarenhas, vivemos em um país que detém, predominantemente, o credo cristão, ou seja, tudo que foge disso pode ser criticado, tripudiado, ou ainda, associado à práticas criminosas.
    Ocorre que desconsideram milhares de delitos cometidos por pastores, padres e afins. Tomemos a “Santa Inquisicao” que não foi nada mais do que um banho de sangue velado pela igreja e pelo Estado.
    Seriam os detentores de marcas cristãs no corpo os verdadeiros inocentes? Claro que não!!!!
    Fica aqui minha solidariedade à sua manifestação. Não sou praticante de religião de matriz africana, porém sou contra a intolerância, seja com quem for.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Gustavo Oliveira!

      Excluir
    2. Anônimo4/1/19 16:59

      5 - Onde vejo isso, acho que salvei uma copia da pagina original mas tenho que achar no PC.
      Resposta: Gostaria de saber de qual página original você fala. Só se por ventura a encontrou agora, mas pelo que demonstrou a todos nós que acessamos a internet é que você está muito desorientado com as informações. Não leu com atenção.
      6 - depois desta modificação ficou sutil e diria até infundado minhas acusações, mas se teve o trabalho de reescrever e só depois disso vir abrir a boca mostra justo o meu comentário.
      Resposta: Que modificação é essa que você fala? Não existe modificação alguma, você está equivocado. Trabalho de reescrever? Quem reescreveu? Você está equivocado, não sabe do que está falando.
      7 - Capaz que foi tão burro assim!
      Resposta: Não sei depois de tudo isso que você escreveu e tendo em vista o que escrevi a quem você se refere quando escreveu isso sobre “burrice”.
      8 – E onde mais se peca é na ousadia de insultos depois que corrigiu o erro kkkkk chamo de covardia isso.
      Resposta: Quem está “pecando” aqui? Quem será cobrado por tudo isso? Quem insultou quem? Quem corrigiu o erro seria eu que não tenho vínculo algum com o Amo Direito, mais uma vez só tenho que agradecer. Quem seria essa pessoa que você chama de covarde? Converse com seu pai mais uma vez sobre essa parte e lhe pergunte se há o cometimento de crimes.
      9 - Se tens tanto zelo pela sua credibilidade e puxou tema de crimes contra honra me processe e te mostro por A mais B que tenho razao! Tentou ser esperto mas falhou kkkkkk
      Resposta: Te informo que já dei o print na sua “fala” e lhe dou a oportunidade de se retratar aqui. Para que assim não digam que não dei oportunidade, que tenho preconceitos e etc.


      10 - Pra comecar meu comentário foi dia 09/02/2018 e você reeditou a página dia 20/12/2018 e sabemos que é impossível voltar no tempo e criar um comentário em uma reportagem que nem existe.
      Resposta: Fazendo uso de suas palavras “para começar e também para encerrar com chave de ouro” não me importa a data do seu comentário. Não reeditei a página, pois não tenho como fazer isso. Na verdade só tenho que agradecer o Amo Direito por ter compartilhado não somente esse estudo meu mas seis. Já quanto a você dizer que é impossível voltar no tempo e citar datas e etc., só posso lhe dizer que eu acreditava que seria IMPOSSÍVEL alguém estar assim tão equivocado, mas agradeço por me mostrar na prática que eu estou equivocado e que você superou a impossibilidade de se equivocar. Parabéns.

      Excluir
  3. Anônimo2/1/19 17:42

    Caro Douglas. Primeiramente é necessário ver o conceito doutrinário do que seja INTOLERÂNCIA RELIGIOSA (qual sua formação acadêmica para atribuir um fato tão grave a uma pessoa (podemos dizer que em tese você teria praticado injúria e/ou difamação, fora na esfera cívil quanto a responsabilidade civil. Outro fato muito interessante não tem reportagem nenhuma, até porque quem faz reportagem é o repórter e não possuo essa profissão. Você menciona "O fato de ter imagens com associação ao Santo São jorge ou Orixá Ogum não faz da pessoa criminosa e muito menos que leva ou levou a vida em carcere". Pergunto: EM QUE PARTE DO TEXTO VOCÊ LEU ISSO? No mínimo muito estranho não encontrei. Posteriormente você disse: "Infelizmente sua materia tem um teor de marginalização da cultura Afro e este é um dos principios de tanta violencia religiosa, esta materia instiga a alusão da cultura afro ao crime e fomenta os crimes de odio contra uma "minoria"." INFORMO QUE NÃO HÁ MATÉRIA NENHUMA... EU NÃO SOU JORNALISTA E MUITO MENOS TRABALHO PARA QUALQUER JORNAL. Você também disse: "Fica claro sua indignação pelo fato do preso estar solicitando auxilio a uma entidade, porém, você tem uma imagem de um santo catolico e, pergunto, com qual base afirma que é o orixá Ogum? Respondo... NÃO TENHO INDIGNAÇÃO ALGUMA COM ISSO, ISSO É COISA QUE VOCÊ CONSEGUIU CRIAR NA SUA MENTE. Você também disse que: " e se for, você acha injusto um crente solcitar auxilio a uma entidade? se fosse uma imagem de Jesus ou Maria qual seria sua indagação?" Respondo: Crente pedir auxílio a uma entidade? Se os católicos e evangélicos dentre outras religiões frequentam as casas e pedem auxílio porque os crentes não poderiam consultar com as entidades, ou você que se diz "umbandista/Camdomblecista" já deve ter visto (bom pelo menos eu já vi centenas de vezes na época que era cambona. Se você nunca viu então algo de errado deve estar acontecendo na casa aonde frequenta ou talvez trabalhe (que não é para qualquer pessoa). Você perguntou: "se fosse uma imagem de Jesus ou Maria qual seria sua indagação?" Respondo: A minha indagação seria saber se ele tem autorização de quem está responsável por aquela "prisão" se há uma autorização para pintar qualquer coisa nas portas ou no interior ou exterior das celas. O pessoal da SEITA SATÂNICA fazia seus desenhos nas suas celas com sangue. Temos que respeitar as religiões se fazem rituais com sangue como é no caso do Candomblé e outras religiões. Temos que aceitar as diferenças. P.s.: Sou neto de Mãe Menininha do Gantois (meu pai é filho dela). Espero que dessa vez consiga interpretar o texto com atenção e assim não fique criando coisas sem sentido na cabeça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkk Sr anonima responde pelo Sr Diógenes, voce me faz rir.

      Injuria e difamação kkkkk tente outra ameaça comigo.

      Se faz trabalho analogo ao jornalismo entao é jornalista!
      Sua matéria original, evidencia a associação do credo de matriz africana a criminalização. Onde vejo isso, acho que salvei uma copia da pagina original mas tenho que achar no PC, depois desta modificação ficou sutil e diria até infundado minhas acusações, mas se teve o trabalho de reescrever e só depois disso vir abrir a boca mostra justo o meu comentário.
      Pra comecar meu comentário foi dia 09/02/2018 e você reeditou a página dia 20/12/2018 e sabemos que é impossível voltar no tempo e criar um comentário em uma reportagem que nem existe.
      Capaz que foi tão burro assim!
      E onde mais se peca é na ousadia de insultos depois que corrigiu o erro kkkkk chamo de covardia isso.
      Se tens tanto zelo pela sua credibilidade e puxou tema de crimes contra honra me processe e te mostro por A mais B que tenho razao! Tentou ser esperto mas falhou kkkkkk

      Excluir
  4. P.S. Incrivel que quando se fala em Candomblé todos são descendentes de mãe menininha, ícone da religião e bastante conhecida, já que estamos usando nomes conhecidos, eu sou filho do Joaquim Barbosa kkkk

    ResponderExcluir
  5. Anônimo4/1/19 16:54

    Estou usando um computador pessoal e não podia responder como sendo outra pessoa, por isso o anônimo. Por gentileza depois com muita calma converse com seu pai ele vai te explicar sobre os crimes e etc (pelo que eu saiba a linha de pesquisa de seu pai não é da área penal, ele se dedicou à(s) outra(s) áreas, mas entendo que mesmo assim ele poderá te responder. Você está muito equivocado com tudo isso, tenha calma quando ler as coisas para assim depois raciocinar. Mas vou lhe provar por que está tão equivocado.

    1 - Kkkkk Sr anonima responde pelo Sr Diógenes, voce me faz rir.
    Resposta: Meu nome não é Diógenes, na verdade nem acento meu nome tem!
    2 - Injuria e difamação kkkkk tente outra ameaça comigo.
    Resposta: Peça ao seu pai lhe explicar o conceito doutrinário e jurisprudencial do que é ameaça e depois lhe pergunte se existiu ameaça e o que acontece quando uma pessoa disse que outra cometeu um crime e na verdade não aconteceu, se por ventura ela teria cometido em tese outro crime (fale para ele falar sobre os estudos sobre concurso de crimes dentre outras coisas mais).
    3 - Se faz trabalho analogo ao jornalismo entao é jornalista!
    Resposta: Fale isso ao seu pai e pergunte se a pessoa pode se apresentar como jornalista mas não ter formação acadêmica e nem experiência na profissão porque na verdade não exerceu, exerceu algo semelhante. Lhe pergunte se não haverá o cometimento de crime nesse caso.
    4 - Sua matéria original, evidencia a associação do credo de matriz africana a criminalização.
    Resposta: Só existe uma coisa original e não é matéria, não faço matéria, não sou jornalista quanto ao fato da criminalização, recomendo que leia o texto com muita atenção. Você está muito desorientado com as informações. Lamento.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!