Estas atitudes são indicadas para quem quer escrever textos excelentes

2 comentários
goo.gl/9B4eNf | Está numa cadeia de ações o almejado domínio da Língua Portuguesa. Na semana passada, recebi a seguinte mensagem:

“Preciso melhorar meu vocabulário, até para redigir peças. Se puder me fornecer alguma dica, ficaria agradecido.”

Comecemos pelo “até” desse querido ex-aluno e – agora – leitor: leva-me a entender que o aumento do vocabulário é também necessário em sua vida pessoal. Não tratarei apenas de vocabulário, mas de outras competências a serem adquiridas.

Habituar-se ao clássico; conviver com o de bom gosto, na História, na Literatura, na Sociologia, na Economia, na Psicologia, na Música, no Teatro, no Cinema são riquezas infindáveis. Escritores, estudiosos e artistas clássicos proporcionam crítica, audição, vocabulário, compreensão ímpares.

Pessoas notáveis nas Artes, na Comunicação, no Direito, na Ciência têm acervo: sem um espaço dedicado à pesquisa é muito mais complexo desenvolver o bom texto, a nova palavra, a nova percepção. Preciosos ensinamentos estão nos livros, nos discos, nos mestres inspiradores, nas palestras, nos discursos históricos.

No acervo, tenha acesso aos gênios, para aperfeiçoar fala, escrita, audição e crítica.

Poetas, sagazes da palavra, contistas, cronistas, romancistas: Clarice Lispector, Guy de Maupassant, Machado de Assis, Edgar Allan Poe, Guimarães Rosa, Mia Couto, Fernando Pessoa, Cecília Meireles (é injusto demais fazer lista!)

Há um exercício saudável, por meio da Música: compreender letras, sons e estudar estilos artísticos; relacionar tudo isso a um estudo histórico. Exemplo: compreender os porquês de o Jazz, o Tropicalismo, a Bossa Nova e o Rock terem sido movimentos tão importantes, comentados.

Bons oradores – em tese – têm percepções cinematográficas, jornalísticas aguçadas. Estudar Roteiro, Fotografia (o básico ao menos) e o Vídeo em si é um ótimo caminho a quem busca ter boa performance.

Costumo pensar assim: um bom advogado não vive apenas a construção de peças jurídicas, mas é abastecido de sapiência gramatical, dicionários, pesquisa, linguagem e tantas outras riquezas culturais.

Chegar à excelência é sair um pouco dessa pressa insana do digital, com respostas básicas prontas, sem o devido deleite (e o tempo certo) para o aprendizado garantido.

Quem tem a curiosidade pelo conhecimento alonga as asas; quem divide o que sabe aproxima-se do céu: ler, respeitar o outro, habituar-se ao palco, aproximar-se, dia a dia, da Palavra em si.

Um grande abraço, até a próxima e inscreva-se no meu canal!

DIOGO ARRAIS
YouTube: MesmaLíngua
Autor Gramatical pela Editora Saraiva
Professor de Língua Portuguesa
Fundador do ARRAIS CURSOS
Fonte: Exame

2 comentários

  1. Concordo com tudo que o Mestre falou, não se adquire conhecimentos de forma eclética sem o deleite de um bom livro de um autor renomado...

    ResponderExcluir
  2. Eu nunca havia observado por essa ótica, pois minhas peças são direcionadas a resolver problemas, sem observar essa perspectiva, com aplicações legais e fundamentos doutrinários, mas nunca pensei em adquirir mais conhecimento na forma de um roteiro, sem pensar em grandes teses, observando a natureza do entendimento abstraído do texto acima fiquei incitado a atingir o foco criando peças roteirizadas, com drama, um pouco de comédia, a tragédia do problema argumentando de forma romântica para atingir um determinado e assim conquistar um posicionamento que deva ser seguido pelo judiciário, depositando a concisão dos fatos e fundamentos dentro da visão jurídica do julgador, direcionando seu entendimento para a correta avaliação do caso e suas possíveis saídas, impedindo também por argumentação que a finalidade tem que ser aquela. Muito legal.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!