Acompanhe o novo site direitonews.com.br

Gerente receberá R$ 20 mil de indenização por ser obrigado a fazer grito de guerra

6 comentários
goo.gl/X3C5sb | O gerente de uma loja de departamentos multinacional, com sede em Uberaba-MG, conseguiu na Justiça o direito a receber uma indenização, no valor de R$ 20 mil, por ter sido obrigado a participar de um grito de guerra coletivo, todos os dias, na hora da abertura da loja. A 1ª Turma do TRT-MG caracterizou a prática como assédio moral organizacional, por afrontar a dignidade da pessoa, representando abuso do poder diretivo e violação ao direito a um ambiente de trabalho sadio.

Em sua defesa, a empresa reconheceu a prática, mas deixou claro que essa é uma estratégia motivacional e que já foi suspensa na unidade. O cântico de guerra era feito por todos os empregados do setor do piso de vendas e consistia em gritar as letras do nome loja e, na sequência, uma frase de efeito. Testemunha ouvida no processo confirmou que essa ação foi realizada durante todo o contrato do trabalhador, sempre na abertura da loja, sendo obrigatória aos gerentes.

Segundo explicou o desembargador Luiz Otávio Linhares Renault, relator do recurso da empresa, a jurisprudência do TST é no sentido de que a imposição de danças e cânticos motivacionais expõe o empregado ao ridículo. “Principalmente quando se verifica que tais propostas são obrigatórias”, frisou.

O desembargador destacou que o fato de a empresa ter cancelado essa prática corrobora o entendimento da inadequação da conduta exigida aos empregados. Ele lembra, inclusive, que a loja de departamentos já sofreu diversas condenações em tribunais do trabalho de todo o país sobre o mesmo tema.

De acordo com o relator, a submissão do empregado à exposição pública, por meio de canto obrigatório, pode significar para alguns ato de extrema vergonha. “Isso pode acarretar abalo de ordem moral, devendo prevalecer a condenação indenizatória sob o título”, finalizou, mantendo a indenização deferida em primeiro grau.

Processo PJe: 0011428-85.2016.5.03.0041
Para acessar processos do PJe digite o número aqui.

Fonte: portal.trt3.jus.br

6 comentários

  1. É mimi e frescura! Hj está difícil arrumar emprego e o cara acha ruim dar uns gritinhos. Pode ter certeza que muitos querem estar no lugar dele.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Conco4do com vc Maisa Ferreira. Muito "mimimi"... Vivemos numa sociedade de pessoas cheias de frescurinha. Nada pode. Tudo magoa. E nossas leis são todas voltadas a produzir pessoas fracas.

    ResponderExcluir
  4. Certíssimo, ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer algo, a nao ser em virtude da lei. Já trabalhei em uma empresa assim e me arrependo de nao ter tomado essa atitude também. Pois muitas dessas empresas tratam o funcionário como lixo e acham que só porque estamos precisando temos que nos submeter a tudo.

    ResponderExcluir
  5. ������
    Tenho certeza que isso tudo foi informado da hora da contratação e o cara concordou. Depois veio ficar doido de motivar os colaboradores subordinados a ele. Se for em qualquer psicólogo/coach que trabalhe vendas e motivação, ele vai falar pra criar um grito de guerra.

    ResponderExcluir
  6. Our Best Coursework Writing Service takes care of all assignment nitty-gritty and guarantees that all papers are free from intentional plagiarism. We use different software to check for plagiarism thereby ensuring Coursework Writing Help Services complete an excellent paper.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!