Acompanhe o novo site direitonews.com.br

Bilionário perde R$ 512 milhões investindo em Bitcoins – Por Luiz Augusto Filizzola D'Urso

Nenhum comentário
bit.ly/2Pz86ik | Conforme noticiado pelo Wall Street Journal, o bilionário Masayoshi Son, fundador do Softbank Group e um dos homens mais ricos do Japão, perdeu mais de 130 milhões de dólares aplicando em Bitcoin.

De acordo com o Wall Street Journal, em matéria publicada em 23 de abril de 2019, o bilionário japonês, Masayoshi Son, perdeu mais de US$ 130 milhões (R$ 512 milhões), após comprar bitcoins no final de 2017, (quando a criptomoeda estava valendo aproximadamente US$ 20 mil) e vendê-las poucos meses depois, no início de 2018, quando a moeda sofreu grande desvalorização.

Son é conhecido por ser fundador do Softbank Group e um grande investidor do mercado de tecnologia, além de figurar na lista dos homens mais ricos do Japão. Segundo a empresa Bloomber, Masayoshi Son está em 55º lugar dentre os mais ricos do mundo, com um patrimônio estimado em US$ 18,8 bilhões.

O bilionário também ficou conhecido quando decidiu investir na empresa Alibaba, após 5 minutos de conversa com Jack Ma, fundador desta empresa. É também investidor da Uber, WeWork, entre outras.

Ao analisar estes investimentos, o Dr. Luiz Augusto Filizzola D’Urso, que é Presidente da Comissão Nacional de Estudos dos Cibercrimes da ABRACRIM, aponta que “efetivamente é muito arriscado investir em criptomoedas, conforme comprovado neste caso, pois além do risco de eventual desvalorização, ainda existe a insegurança em razão da falta de regulamentação destas criptomoedas, especialmente em nosso país”.

D’Urso, que também é Coordenador e Professor do Curso de Direito Digital da FMU, abaliza que “a insegurança neste tipo de investimento é colossal, quase inversamente proporcional à hipervalorização das bitcoins no final de 2017. Podemos, por exemplo, ter futuramente no Brasil, um cenário de proibição total da comercialização das bitcoins, como ocorreu em alguns países, o que geraria enormes complicações a todos os possuidores desta criptomoeda”.

Defensor da regulamentação das moedas digitais, D’Urso acredita que, com a regulamentação, a insegurança diminuiria muito e a reação seria o crescimento dos investimentos em criptomoedas, além da sua popularização para uso diário, ocasionando um reflexo direto nos investimentos de empresas estrangeiras no Brasil.

Já com relação à valorização das criptomoedas, o especialista em Direito Digital afirma que “a regulamentação seria um passo importante, especialmente diante de vários exemplos de indivíduos que lucraram quantias milionárias investindo em criptomoedas. Todavia, enquanto o Brasil não regulamentá-las o risco permanece elevado”.

“A maioria dos países já reconheceu que as criptomoedas são uma realidade e sua circulação deve estar cada vez mais presente em nosso cotidiano, podendo se tornar uma excelente opção de investimento. Chegou a hora do Brasil também perceber isto”, finaliza Luiz Augusto D’Urso.

______________________________________

*Dr. Luiz Augusto Filizzola D’Urso, Advogado Criminalista, Pós-Graduado pela Universidade de Castilla-La Mancha (Espanha) e pela Faculdade de Direito de Coimbra (Portugal), integra o Conselho de Política Criminal e Penitenciária do Estado de São Paulo, Coordenador e Professor do Curso de Direito Digital e Cibercrimes da FMU.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!