Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

É nulo pedido de demissão feito por trabalhador durante crise de depressão, entende TST

goo.gl/cmlHtL | O pedido de demissão feito por um trabalhador em crise de depressão é nulo, devendo o empregador encaminhá-lo ao INSS. O entendimento é da 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que rejeitou recurso de um hospital que contestava sentença que o obrigou a recontratar enfermeira que havia se demitido. O ato foi declarado nulo porque ficou comprovado para os ministros que, naquele período, a funcionária estava com sua capacidade de discernimento comprometida.

O ministro Cláudio Mascarenhas Brandão, relator do processo na 7ª Turma, afirmou que "o estado depressivo da enfermeira era tão grave que passou dias sem comer, chegando ao ponto de ter a porta de casa arrombada, pois sequer atendia aos chamados da irmã, que estava preocupada com sua saúde e estado mental".

Com base nos fatos e provas registrados na segunda instância, o ministro concluiu que a decretação da nulidade do ato praticado por trabalhadora teve o correto enquadramento jurídico, considerando que ela não tinha condições de praticar atos da vida civil. "O quadro descrito no acórdão regional deixa claro que, ao tempo do pedido de demissão, a trabalhadora estava com sua capacidade de discernimento comprometida em razão de enfermidade psiquiátrica", explicou Brandão, salientando que o empregador conhecia bem o estado psíquico da empregada.

Além da reintegração, o tribunal regional determinou o restabelecimento de todas as condições de trabalho existentes na data da demissão e o pagamento dos salários de todo o período em que ela permaneceu afastada.

Transtorno bipolar

Empregada pública municipal concursada do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, a trabalhadora tem transtorno afetivo bipolar, com crises depressivas. Ela alegou que não foi submetida ao exame médico na ocasião da demissão e que o hospital conhecia seu estado médico, mas, ainda assim, preferiu aceitar o pedido de demissão, quando deveria encaminhá-la ao INSS.

O hospital defendeu a validade do ato afirmando que a empregada não estava incapacitada no momento do pedido de demissão, em julho de 2010, argumentando que o último exame feito por ela, em janeiro daquele ano, atestou sua aptidão para exercer as funções de enfermeira.

Na primeira instância, o pedido de demissão foi considerado válido, por não haver prova capaz de demonstrar que a trabalhadora estivesse, de fato, com limitações cognitivas. O Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, porém, reformou a sentença, destacando relato médico que atestou que a enfermeira estava em crise no momento do pedido de demissão. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Clique aqui para ler o acórdão.

*Matéria do dia 29/03/2016, servindo aqui apenas como conteúdo informativo

Fonte: Conjur

5 comentários :

  1. E QUANDO A MEDICA ATESTA QUE O PACIENTE ESTA DEPRESSIVO E TENTOU SUICIDIO E O INSS SÓ PAGOU 60 DIAS DE AFASTAMENTO E OS OUTROS 60 A PERICIA NEGOU

    ResponderExcluir
  2. E quando a (funcionaria) paciente, em caso de saude igual ao comentado, é demitida por justa causa, sem condiçoes psicologicas para defesa????

    Eu fui exonerada da prefeitura onde trabalhava como professora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou advogado em SP. Segue email: ciccone.thomas@gmail.com e telefones: 11 4255-1478 ou 11 94904-9534
      Atuo nesta área!
      https://www.facebook.com/AlvarezAdvocacia/

      Excluir
    2. É so vc ajuizar a empresa sem medo de ser feliz! Não é qualquer magistrado que vai da causa ganha para o empregador não. Se vc cometer algum crime dentro da empresa aí sim talvez perca a causa. Caso contrário não.

      Excluir
  3. E quando a funcionária é demitida sem justa causa, mas a chefe sabia que a funcionária não estava bem.
    Tem como entrar contra a empresa?

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!