Acompanhe o novo site direitonews.com.br

"Cansado de tomar chá de banco": advogado pede ao CNJ ponto eletrônico para juízes

8 comentários
goo.gl/Ee1iKY | O advogado João Paulo Pellegrini, de Sorocaba, pediu ao CNJ que implemente ponto eletrônico para juízes.

Pellegrini afirma que está "cansado de tomar chá de banco", e que há 15 anos "sempre tem dificuldade de acesso aos magistrados, seja por esses não quererem atender advogados, seja porque os mesmos não estão presentes, nas Varas onde deveriam laborar, em dias em que não há audiência pautada".

Ele culpa uma minoria da classe de magistrados "que utiliza mal o tempo, ou estaria no momento de aposentar e não abdica da carreira, por simples apego ao Poder".

*CNJ avaliará pedido para controlar frequência de magistrados

Fonte: epoca.globo.com

8 comentários

  1. Parabéns ao colega,uma dificuldade vivida em todas as comarcas e que viola frontalmente os direitos do advogado e o dever do magistrado e por consequinte prejudica a sociedade. Cadê a OAB? ESPEREMAOS QUE APOIE.

    ResponderExcluir
  2. Sem contar as comarcas e varas que funcionam com atendimento ao público de 12:00 as 18:00... Muito descaso, mesmo já tendo resolução no CNJ definindo horário de atendimento ao público de 8 as 18.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns ao nobre colega, uma triste realidade vivida pelos militantes ativos na advocacia, deveria agora a OAB nacional, endossar o pedido, para que seja a regra, estendida também aos membros do ministério público e não somente aos magistrados, se vingar a ideia,sem sombras de duvidas, irá desafogar e muito os diversos, atrasos nos andamentos priprocessu e nos despacho e decisões que engesa nosso judiciário.

    ResponderExcluir
  4. Juízes esquecem que são funcionários públicos. Que o ponto eletrônico seja estendido ao Ministério Público.

    ResponderExcluir
  5. Agendei audiência por telefone e quando chegue fui atendido por três estagiárias que informaram que tanto o juiz como seu assessor estavam as 16 hs numa festinha de aniversário. Protocolei reclamação na corregedoria que inocentemente se ateve a perguntar pro juiz se era verdade o fato, esperando ingenuamente que ele confirmasse. ARQUIVADA A RECLAMACAO! E tudo continua como sempre.

    ResponderExcluir
  6. Enquanto isso o Kakay entra de bermuda no STF , ele e outros poucos advogados, tem whatsap de ministros etc. E a OAB trabalha para esta minoria, enquanto a maioria fica esquecida. As vezes me pergunto será que a OAB vive apenas com as anuidades dessa minoria?

    ResponderExcluir
  7. Apoio a atitude e o pleito do colega. A OAB Nacional assim como todas as demais regionais deveriam endossar a requisição de ponto eletrônico. Juiz é FUNCIONARIO PUBLICO e deve presta satisfação a administração pública e aos contribuintes. Ele a não são Deuses do Olimpo como acreditam e seus salários são pagos pela sociedade.

    ResponderExcluir
  8. Advogado tem que falar nos autos e não entrevistando o magistrado! Ora, se a tese do advogado que ele acha que está dentro da Lei, que recorra as instâncias superiores!

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!